Agronegócio é ambiente fértil para obras pré-fabricadas

Setor da economia que não conhece crise vira nicho para a construção industrializada, principalmente nos estados da região sul do Brasil

Setor da economia que não conhece crise vira nicho para a construção industrializada, principalmente nos estados da região sul do Brasil

Por: Altair Santos

A indústria da construção industrializada quer, cada vez mais, tornar-se parceira do agronegócio. Não só construindo galpões para confinamento de animais, frigoríficos, abatedouros, centros de distribuição e logística, mas também atuando na melhoria de portos, rodovias e ferrovias. Trata-se de um segmento em que a crise tem causado baixo impacto e onde as obras pré-fabricadas se encaixam perfeitamente. Por dois motivos: a rapidez com que são erguidas e o envolvimento de concretos especiais, que resistem ao ambiente hostil imposto pelo confinamento e o abate de animais.

Frigorífico na região de Castro, no Paraná: obra exige concretos especiais e gera demanda para a construção industrializada
Frigorífico na região de Castro, no Paraná: obra exige concretos especiais e gera demanda para a construção industrializada

A prova de que o agronegócio e a construção industrializada se aproximaram em 2015 foi constatada pela presidente-executiva da ABCIC (Associação Brasileira da Construção Industrializada do Concreto), Íria Doniak, em visita a parceiros localizados no estado de Santa Catarina. “Encontrei-me com um associado da ABCIC localizado na região de Chapecó-SC e a indústria estava funcionando em três turnos. A explicação que ouvi era que o agronegócio estava demandando muitas obras pré-fabricadas”, relata. Para a engenheira civil, trata-se de um segmento que possui total sintonia com as obras em concreto industrializado.

Um dos motivos é que o agronegócio exige velocidade nas construções. A safra não espera e precisa de silos, galpões para armazenamento e centros de logística. Da mesma, a agropecuária também necessita que suas demandas sejam atendidas rapidamente, e com um ponto relevante: a qualidade do concreto. “Os frigoríficos têm um ambiente bastante agressivo para o concreto, por causa dos vários tipos de rejeitos, e isso requer um material com durabilidade e vida útil elevada. Tudo isso está relacionado ao contexto da construção industrializada”, destaca Íria Doniak.

Internet e energia eólica
Outros segmentos que também têm gerado obras para a construção industrializada são o de vendas pela internet e o de energia eólica. Com a expansão do comércio online, as empresas ligadas a esse setor passaram a investir em centros de logística. Além disso, a evolução dos pré-fabricados permite que o concreto de alto desempenho substitua as estruturas de aço no suporte das hélices e dos geradores de energia eólica. “Isso cria uma compensação para o setor. Se em 2015 as obras de infraestrutura e habitacionais encolheram, por outro lado novos nichos se abriram para a construção industrializada”, ressalta a executiva da ABCIC.

Mesmo assim, o tipo de obra que mais absorve estruturas pré-fabricadas ainda é o de shopping centers. Em 2015, de acordo com o relatório anual da ABCIC, 30,1% do concreto industrializado produzido no país foi destinado a esse tipo de obra. Em comparação a 2014, houve aumento, pois no ano anterior os shopping centers absorveram 20,3% do total produzido pela construção industrializada. Já as obras de infraestrutura retraíram. Em 2014, representaram uma fatia de 14,3% no consumo de concreto industrializado. Já em 2015, a demanda esteve em 8,4%.

Por esse motivo, a percepção dominante no setor é de que houve queda na produção de concreto industrializado em 2015. Segundo o anuário da ABCIC, 30% dos associados indicaram redução na produção e 12,5% indicaram aumento. Parte destes indicadores positivos veio das indústrias localizadas nos estados do sul do Brasil (Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul) e das oportunidades geradas pela nova fronteira da construção pré-fabricada: o agronegócio.

Entrevistada
Engenheira civil Íria Doniak, presidente-executiva da Associação Brasileira da Construção Industrializada de Concreto (ABCIC)
Contato: abcic@abcic.org.br

Crédito foto: Divulgação

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo