Sem túnel submerso, Brasil atrasa avanço tecnológico

Obra ligaria Guarujá a Santos, no litoral paulista, mas projeto pode ser substituído pelo de uma ponte

Sem túnel submerso, Brasil atrasa avanço tecnológico

Sem túnel submerso, Brasil atrasa avanço tecnológico 1024 510 Cimento Itambé
Ligação por túnel entre Santos e Guarujá uniria os pontos mais próximos entre os dois municípios do litoral paulista Crédito: Youtube

Ligação por túnel entre Santos e Guarujá uniria os pontos mais próximos entre os dois municípios do litoral paulista
Crédito: Youtube

A construção do primeiro túnel submerso do Brasil, que faria a engenharia brasileira dar um salto tecnológico, está ameaçada. A execução da obra ligando Guarujá a Santos, no litoral paulista, é discutida desde 2014. O projeto é de responsabilidade do governo de São Paulo, porém a atual gestão está propensa a construir uma ponte com 7,5 quilômetros de extensão, em vez do túnel. A alegação é que a concessionária encarregada pelo sistema Anchieta-Imigrantes assumiria a obra. Em troca, o contrato de concessão, que vigora até 2026, seria estendido. 

Recentemente, a Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) promoveu um workshop sobre o tema, onde a representação portuária se posicionou contrária à ponte. A alegação é de que, mesmo que o projeto da ponte preveja um vão central de 85 metros para a passagem das embarcações, os demais pilares podem gerar congestionamento de navios. Já o túnel, que teria 762 metros de área submersa – a 21 metros de profundidade -, não ofereceria obstáculo ao transporte naval. “A restrição física no porto compromete todo o trânsito do canal e dificulta as manobras. Temos que nos preocupar com todo o desencadeamento disso”, alerta a representante da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), Jennyfer Tsai.

A autoridade portuária revisitou o projeto e apresentou um túnel otimizado, com custo avaliado em 2,5 bilhões de reais, ou seja, menor do que o orçamento previsto anteriormente, que era de 3,2 bilhões de reais, e abaixo do custo da ponte, estimada em 2,9 bilhões de reais. Além disso, no debate realizado na Fiesp a tese do túnel ganhou a simpatia da Associação Brasileira de Terminais Portuários (ABTP). “A posição formal da ABTP é que, enquanto a autoridade portuária não endossar um projeto dessa magnitude, não se recomenda que ele seja feito. Caso contrário, podemos estar na contramão do que é feito no resto do mundo”, afirma o presidente da ABTP, Clythio van Buggenhout.

Por causa de impasse, travessia ainda é realizada por balsas

A opção pelos túneis tem sido a solução construtiva em boa parte dos principais portos internacionais. Recentemente, a administração do porto de Antuérpia, na Bélgica, decidiu construir um quarto túnel, cujo custo anunciado é três vezes maior do que o previsto para o empreendimento no porto de Santos, porém com tecnologia semelhante. A construção no principal terminal portuário do Brasil seria feita com o emprego de técnica ainda não utilizada no país, conhecida como módulo imerso pré-fabricado. No entanto, por causa do impasse, a travessia entre Santos e Guarujá segue realizada por balsa ou por um desvio rodoviário que alonga o percurso em 45 quilômetros.

Tanto o projeto do túnel quanto o da ponte dependem de aprovação da Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp) para se viabilizarem. Para o diretor do Departamento de Infraestrutura da Fiesp, Henry Robson, a ponte representa riscos reais ao fluxo e à expansão do porto, e sugeriu que o governo estadual considere outras opções. “O contato de um navio com um dos pilares da ponte pode causar um problema enorme ao porto de Santos. Então, há questões a serem equacionadas”, diz. Já os defensores da ponte alegam que a obra tem projeto confiável, baixo impacto ambiental e geraria tarifas mais baixas de pedágio. 

Veja como seria a construção do túnel Santos-Guarujá


Entrevistado
Reportagem com base em workshop realizado na sede da Fiesp, em 10 de setembro de 2019

Contato: relacionamento@fiesp.com

VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no Massa Cinzenta e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil