Construção civil descobre o alpinismo industrial

Obras que exigem trabalho em altitudes acima de 40 metros podem economizar tempo e dinheiro trocando os andaimes pelos escaladores.

Obras que exigem trabalho em altitudes acima de 40 metros podem economizar tempo e dinheiro trocando os andaimes pelos escaladores

Por: Altair Santos

Segundo a NR 18, norma que trata da segurança de andaimes e plataformas de trabalho, a altura máxima para o uso de equipamentos fachadeiros não deve exceder 40 metros. O recomendável é que obras que requeiram instalações ou inspeções acima dessa altitude utilizem alternativas como o alpinismo industrial. No Brasil, a técnica de trabalho com uso de cordas tem conseguido expandir o mercado, ganhando espaço entre grandes obras, como usinas eólicas, hidrelétricas, prédios com altura acima de 50 metros e estádios de futebol.

Alessandro Carvalho: engenheiros civis também têm se especializado em alpinismo industrial.

Além de superar obstáculos que tornam-se mais difíceis para os andaimes, o alpinismo industrial tem a vantagem de ter um custo menor. No caso dos andaimes fachadeiros – os mais utilizados na construção civil -, o preço médio é de R$ 18,00 por instalação e desmontagem do metro quadrado e a diária, dependendo da região do país, pode variar de R$ 180,00 a R$ 350,00. Há ainda o valor do frete, que também varia de região para região e pode chegar a R$ 30,00 por peça.

No caso do alpinismo industrial, o pacote fechado (montagem do equipamento e custo do profissional) tem custo médio de R$ 150 por dia. “Para a obra, a diferença de custo é enorme. Além disso, tem toda a vantagem da logística”, explica o instrutor Alessandro Carvalho, da empresa Acesso Vertical, que ministra cursos para quem quer atuar neste setor. Para formar alpinistas, as empresas que atuam no setor precisam ter a certificação IRATA (sigla em inglês de Associação Comercial de Alpinismo Industrial. O trabalho industrial de acesso por corda foi desenvolvido nos últimos 20 anos pelo IRATA Internacional, única associação ligada ao trabalho em altura no mundo.

Com a industrialização da construção civil, e o uso crescente de estruturas pré-fabricadas, o alpinismo industrial passa a ser requisitado tanto para empreendimentos habitacionais quanto para obras de infraestrutura, como pontes e viadutos. “Há um mercado crescente também na área de inspeções e instalação de fachadas. Tanto é que engenheiros civis têm procurado o curso”, diz o especialista, lembrando que as obras voltadas para a Copa do Mundo de 2014 abriram mais um espaço: a instalação de coberturas nos estádios.

Alpinistas industriais em atuação no Mineirão: domínio das técnicas e segurança máxima são requisitos básicos.

Atualmente, 20 profissionais atuam no Mineirão, em Belo Horizonte/MG, com a incumbência de  montar a membrana autolimpante sobre a estrutura metálica construída a partir da marquise de concreto armado do estádio. O material, feito de dióxido de titânio, permite passagem de luz natural e oferece resistência contra intempéries. Cada membrana tem 2,2 metros de largura por 6 metros de comprimento. No total, são 13 mil m² de material, com peso totalizando 17 mil quilos. Os alpinistas industriais manejam o material a partir das passarelas laterais montadas na cobertura metálica.

O grupo trabalha a uma altura de 40 metros. Entre os equipamentos de segurança estão capacete, cinto de segurança, cordas, talabartes, trava-quedas, freios, descensores, conjunto de ascensores (peitoral e punho) e mosquetões. O conjunto completo de segurança chega a pesar 12 quilos. No caso do Mineirão, todos os profissionais têm a qualificação máxima da IRATA, que vai de 1 a 3. Significa que possuem mais de mil horas de treinamento. “O escalador industrial não precisa ser um herói na corda, mas precisa dominar as técnicas e entender os conceitos de segurança”, alerta Alessandro Carvalho.

Veja vídeo de alpinistas industriais atuando no Mineirão: clique aqui

Entrevistado
Alessandro Carvalho, treinador e instrutor de alpinismo industrial
Currículo

Graduado em educação física, tem certificação IRATA para ser instrutor e diversos cursos técnicos
Contato: carvalhon3@hotmail.com

Créditos fotos: Divulgação / Sylvio Coutinho/Agência Minas

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo