Pré-fabricado ajuda a construir a escola ideal

Projeto arquitetônico e sistemas construtivos empregados em obra na cidade de Várzea Paulista viram modelo para estruturas de ensino público de SP

Projeto arquitetônico e sistemas construtivos empregados em obra na cidade de Várzea Paulista viram modelo para estruturas de ensino público de SP

Por: Altair Santos

Em São Paulo, o governo estadual, através da Fundação para Desenvolvimento do Ensino (FDE), lançou um desafio aos escritórios de arquitetura. Propôs que eles apresentassem projetos de escolas em que o sistema construtivo principal fosse o pré-moldado de concreto. O objetivo era, através de componentes industrializados, viabilizar novas escolas mais rapidamente e obter uma arquitetura que oferecesse espaço e conforto para alunos e professores, além de salas de aula com bom desempenho térmico e acústico. Entre os conceitos apresentados, destacou-se o do escritório FGMF – Forte, Gimenes & Marcondes Ferraz Arquitetos -, que foi viabilizado em julho de 2008 no município de Várzea Paulista, localizado no entorno de Jundiaí-SP.

Fachada da escola-modelo: desníveis do terreno foram incorporadas pela construção.
Fachada da escola-modelo: desníveis do terreno foram incorporadas pela construção.

Executada próxima de uma das comunidades mais carentes da cidade, a escola tornou-se modelo para construções com a mesma finalidade. Além disso, teve um canteiro de obras enxuto e cumpriu o cronograma à risca, com as obras começando em março de 2007 e terminando um ano e quatro meses depois. O consumo de concreto foi de pouco mais de 550 m³. Deste volume, 90% estão concentrados nas peças industrializadas e nos artefatos usados no acabamento da escola. “O perfil do projeto proposto pelo FDE exigia uma grande racionalização entre a estrutura e o espaço”, diz o arquiteto Fernando Forte, que investiu em brises com tijolos de concreto vazado, pé direito altíssimo, adaptação às inclinações do terreno e amplas áreas de convivência e funcionalidade.

Prédio sustentável

Com área construída de 2.703 m², a escola de Várzea Paulista é, na verdade, um conjunto de dois prédios. Um, com três pavimentos, abriga administração, refeitório, cozinha e banheiros no térreo. No primeiro andar estão salas de aula, salas-ambiente, informática e depósitos. No pavimento superior encontram-se salas de professores e diretores. O segundo edifício, unido ao primeiro, é um galpão coberto, com pé-direito duplo e que abriga uma quadra poliesportiva.

Estrutura do prédio valoriza a ventilação e a luminosidade.
Estrutura do prédio valoriza a ventilação e a luminosidade.

Para viabilizar a estrutura do prédio foram usadas vigas e pilares simples, que sustentam uma laje protendida pré-moldada de concreto aparente. Apenas para sustentar a fachada, que une os dois prédios e transmite a sensação de que se trata de uma construção monolítica, é que foram usadas vigas mais espessas no formato em “L”, a fim de que pudessem sustentar os brises feitos com elementos vazados de concreto.

O desenho dos blocos de concreto que formam os brises foi pensado para explorar ao máximo a luz natural, gerando economia no consumo de energia elétrica, e também aproveitar a ventilação natural, poupando a escola de gastar recursos com equipamentos de ar-condicionado. Além de valorizar a sustentabilidade, a obra também foi pensada para cumprir um serviço social. Nos finais de semana, o ginásio mantém-se aberto para a prática de atividades esportivas e os grandes vãos da escola funcionam como uma praça para os moradores. Em função desta arquitetura da escola ideal, o escritório FGMF recebeu menção honrosa na Bienal de Arquitetura de Brasília e o prêmio especial Eduardo Kneese de Mello, do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB).

Brises de concreto na fachada valorizam a estética da escola.
Brises de concreto na fachada valorizam a estética da escola.
Vãos sustentados por estruturas pré-fabricadas de concreto garantem funcionalidade à escola.
Vãos sustentados por estruturas pré-fabricadas de concreto garantem funcionalidade à escola.

Entrevistado
Escritório de arquitetura escritório FGMF – Forte, Gimenes & Marcondes Ferraz Arquitetos (via assessoria de imprensa)

Contato: fgmf@fgmf.com.br

Créditos Fotos: Divulgação/FGMF/Nelson Kon

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo