Cimento Itambé

Portal Itambé
Ligue-nos

Reflexo da crise: uso da tecnologia BIM para de crescer

Gestão, Gestão de Obras, Mercado da Construção 3 de agosto de 2017

Após uma década de expansão, ferramenta é deixada de lado por escritórios de engenharia e arquitetura, que buscam reduzir custos

Por: Altair Santos

Desde que chegou ao Brasil, em 2004, a plataforma BIM experimentou crescimento até 2014. Com o aprofundamento da crise econômica, os escritórios de engenharia e arquitetura pararam de investir na tecnologia. Motivo: preço elevado do software, necessidade de investimento em computadores mais potentes, pessoal especializado e tempo maior para desenvolver os projetos estão entre as razões que fazem a ferramenta perder força.

Tecnologia BIM é pouco incentivada por organismos públicos que contratam obras de infraestrutura no Brasil

Tecnologia BIM é pouco incentivada por organismos públicos que contratam obras de infraestrutura no Brasil

Para minimizar custos, os escritórios estão preferindo retornar ao uso do CAD, cujos downloads em 2017 têm sido de 15 mil por mês, em média, contra 5 mil do BIM no primeiro semestre do ano. Outro obstáculo é a dificuldade de encontrar bibliotecas com produtos para atualizar a ferramenta, o que não acontece com o CAD. O tema foi debatido recentemente na mesa-redonda “BIM – Desafios e Oportunidades: Acelerando o BIM no Brasil”.

Segundo Wilton Silva Catelani, coordenador da comissão especial de estudos da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) encarregada de padronizar o uso do BIM no Brasil, a utilização da ferramenta exige trabalho. “Tem que fazer todos os profissionais envolvidos nas obras, além dos fornecedores, interagirem. Isso é um processo complicado”, admite.

Sobre os estudos desenvolvidos na ABNT, Wilton Silva Catelani afirma que o objetivo é oferecer diretrizes sobre os diferentes aspectos da tecnologia, como geometria, parâmetros, caracteres e aquisições, para orientar fabricantes e desenvolvedores na criação de componentes BIM.

Ferramenta ajuda a combater corrupção
Além da entrada da ABNT para regulamentar o uso da ferramenta, em junho de 2017 o governo federal, no âmbito do ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, criou um comitê estratégico de implementação do Building Information Modeling (CE-BIM). “O comitê precisa identificar os atores envolvidos no processo e rever a legislação que trata da contratação de projetos e obras, pois as regras atuais são extremamente ruins. Também é importante definir como tais agentes poderão migrar para essa nova sistemática de contratação de serviços”, avalia Eduardo Sampaio Nardelli, coordenador de educação continuada da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

No âmbito de obras públicas, o BIM é também um instrumento de combate à corrupção. “Ele permite projetos mais bem desenvolvidos, com envolvimento de toda a cadeia produtiva, e previsão de custos bem definida, o que impede atos ilícitos, comuns em cenários em que os processos estão soltos e sem metodologias de controle”, completa Nardelli.

Apesar dos efeitos da crise, é consenso de que o BIM influencia positivamente na qualidade e no ciclo de vida das construções. Isso porque, a ferramenta permite análises criteriosas da obra. “Para isso, é preciso que todos tenham consciência e repassem todas as informações, e de forma correta. Não adianta fazer como hoje, em que o incorporador esconde detalhes do arquiteto, que acaba tendo surpresas na hora de aplicar o projeto”, afirma Henrique Cambiaghi, diretor da CFA Cambiaghi Arquitetura, que também participou da mesa-redonda sobre o futuro do BIM no Brasil.

Confira outros conteúdos sobre BIM publicados no Massa Cinzenta!
http://www.cimentoitambe.com.br/retrabalho-e-patologia-do-processo-de-construcao/
http://www.cimentoitambe.com.br/bim-usado-no-brasil/
http://www.cimentoitambe.com.br/principal-materia-prima-de-obra-e-informacao/
http://www.cimentoitambe.com.br/bim-combate-corrupcao/
http://www.cimentoitambe.com.br/brasil-entra-na-era-bim-para-obra-de-infraestrutura/

Entrevistados
Engenheiro civil Wilton Silva Catelani, arquiteto Henrique Cambiaghi e arquiteto Eduardo Sampaio Nardelli (com base em palestras na mesa-redonda “BIM – Desafios e Oportunidades: Acelerando o BIM no Brasil”).

Contato
sobratema@sobratema.org.br

Crédito Foto: Divulgação

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Leia também:

1 Comentário