Cimento Itambé

Portal Itambé
Ligue-nos

China promete prédio mais alto do mundo em tempo recorde

Área Técnica, Grandes Obras de Concreto Armado, Inovação, Obras Inovadoras 5 de setembro de 2013

Sky City One será entregue em abril de 2014 e obras começaram em 20 de julho de 2013. Edificação em aço e concreto terá 838 metros de altura

Por: Altair Santos

No dia 20 de julho de 2013, na cidade de Changsha, no centro-sul da China, começou a construção daquele que será o novo prédio mais alto do mundo. A edificação, cujo projeto prevê altura de 838 metros, irá superar em 10 metros o Burj Khalifa, em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, e está a cargo do grupo Broad Group.

Sky City One: maior parte do concreto estará nas fundações do edifício

Batizado de Sky City One, o prédio terá um conceito de cidade vertical para 30 mil pessoas – englobando escolas, hospitais, escritórios, setor habitacional e shopping centers – e promete ser construído em tempo recorde. O consórcio, que conta com a participação de chineses e ingleses, estima que as fundações da obra estarão prontas em dezembro de 2013. A partir daí, os 220 andares serão erguidos até abril de 2014, a um custo de 1,46 bilhão de euros – aproximadamente R$ 5 bilhões.

O arranha-céu usará estrutura mista de aço, paredes pré-moldadas de concreto e blocos modulares para agilizar a construção, como explica o engenheiro civil André Gertsenchtein, diretor-superintendente da Fundação para o Desenvolvimento Tecnológico da Engenharia (FDTE). “Trata-se de uma edificação executada com estrutura metálica especialmente projetada e industrializada para fins prediais, pouco utilizada no Brasil. Além disso, usará elementos construtivos pré-moldados e modulares. É quase como uma montagem de Lego, bastante otimizada”, compara.

André Gertsenchtein: China se beneficia da tecnologia globalizada da engenharia

Serão empregadas 270 mil toneladas de aço e estimados 93 mil m³ de concreto – cerca de 60 mil m³ só para as fundações. André Gertsenchtein destaca por que o volume de concreto empregado é relativamente pequeno para uma obra desta envergadura.  “Grandes estruturas de concreto exigem tempo de cura (secagem) das lajes, o que tornaria inatingíveis os prazos definidos no projeto”, diz.

Para o especialista, opinar sobre a confiabilidade de uma construção deste tamanho depende de uma análise intrínseca do projeto. “A engenharia atual é capaz de projetar com segurança edifícios bastante altos, ainda que estes tenham peculiaridades que devam ser levadas em conta nos projetos, como o esforço devido ao vento. Por isso, não é possível expressar opinião sobre a confiabilidade da obra sem que se tenha acesso ao projeto. O método construtivo adotado é determinante na análise de confiabilidade versus prazo de execução. Como já disse, uma estrutura de concreto jamais poderia ser executada neste tempo”, afirma.

André Gertsenchtein reconhece, porém, que há tecnologia suficiente para dar conta deste desafio proposto pela China. “A engenharia hoje é globalizada e a China aproveita esta tecnologia e viabiliza sua aplicação”, avalia. Os motivos que levam aquele país a ter acesso a essa engenharia de vanguarda é que lá existem leis que favorecem a produção, sem as amarras brasileiras, como a legislação ambiental. “Se por um lado isto faz da China um país bastante criticado por sua poluição, por outro torna possível executar projetos inovadores em ritmo que, no Brasil, não seria possível”, completa.

Prédio será construído sob o conceito de cidade vertical e poderá receber até 30 mil pessoas

O Sky City One empregará 20 mil operários em sua construção. Sete mil deles estarão fora do canteiro de obras, atuando nas etapas industriais. Estará a cargo deles a fabricação das peças pré-moldadas, dos módulos e das estruturas de aço. Por isso, o sucesso do empreendimento está na forma como será feita a gestão da obra. “É muito importante, neste caso, a aplicação de conceitos estudados na engenharia de produção, pois pequenos atrasos na execução desta ou daquela operação podem, em função da escala, resultar em atrasos expressivos quando se considera a obra como um todo”, explica o diretor-superintendente da FDTE.

Nos quesitos gestão de obra e industrialização, a China tornou-se referência mundial. A ponto de outros quatro edifícios com mais de 500 metros de altura estarem em construção naquele país e de outros onze estarem em fase de projeto. Os empreendimentos que já têm canteiros instalados são:
• Shanghai Tower, em Shanghai (632 metros) com conclusão até o 2º semestre de 2014.
• Goldin Finance 117, em Tianjin (597 metros) com conclusão até 2015.
• Ping An Finance Center, em Shenzhen (660 metros) com conclusão até 2016.
• Greenland Center, em Wuhan (636 metros) com conclusão até 2017.

Veja vídeo sobre o Sky City One

Entrevistado
André Stagall Gertsenchtein, diretor-superintendente da FDTE
Currículo
– André Stagall Gertsenchtein é graduado em engenharia civil pela Escola Politécnica da USP (1989)
– Atua como consultor e é presidente do conselho consultivo do Instituto de Engenharia
– Também é presidente do Instituto Brasileiro Veicular
– É diretor-superintendente da FDTE (Fundação para o Desenvolvimento Tecnológico da Engenharia ) organismo de apoio à Escola Politécnica da USP
– Foi ex-vice-presidente do Instituto de Engenharia de São Paulo
– Foi diretor responsável pela área comercial de construtora na área de infraestrutura e concessões (estradas, portos, aeroportos) por 15 anos.
Contato: asg@fdte.org.br

Créditos fotos: Divulgação/ Broad Group

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Leia também: