Agronegócio revela caos da infraestrutura nacional

Brasil tem safra recorde, que não consegue escoar por estradas esburacadas, ferrovias precárias e portos estatais que não funcionam.

Brasil tem safra recorde, que não consegue escoar por estradas esburacadas, ferrovias precárias e portos estatais que não funcionam

Por: Altair Santos

Pará, Mato Grosso, Tocantins, Rondônia, Acre, Goiás e Mato Grosso do Sul são hoje os condutores do agronegócio brasileiro. Estados localizados nas regiões Norte e Centro-Oeste do país, boa parte do que produzem escoa pela rodovia conhecida como Cuiabá-Santarém (BR-163). São 1.770 quilômetros, dos quais 1/3 não tem pavimento e metade é mal sinalizada. Mesmo assim, só por transporte rodoviário é possível levar a safra de grãos aos terminais portuários, principalmente os de Santos-SP e Paranaguá-PR. As ferrovias existentes nestas regiões não se interligam com os portos.

Luís Antônio Fayet: governo tem sido alertado sobre apagão portuário desde 2007.

As hidrovias também carecem de uma infraestrutura que permita a elas ser mais competitivas. Mesmo com toda a precariedade, levar a colheita pelas estradas é mais rápido e mais barato. Só que poderia ser muito mais rápido e muito mais barato, como explica o consultor Luís Antônio Fayet, especialista em agronegócios e logística. “Tivemos um grande crescimento do agronegócio, numa região que não tinha nada de infraestrutura. Nem porto, nem rodovia, nem ferrovia, nada. Isso determinou um grande atraso. Desde 2007 denuncio o risco de um apagão portuário, mas as autoridades federais foram omissas neste processo”, diz.

Fayet refere-se ao efeito cascata que os gargalos de infraestrutura causam. Como não há um sistema de armazenamento adequado, toda a safra escoa praticamente ao mesmo tempo para os portos, de onde são exportadas, causando congestionamentos nas estradas e demora no embarque dos navios. “No Brasil, há 50 anos éramos importadores de comida e hoje somos o segundo maior fornecedor deste mercado internacional. E vamos passar a ser o primeiro até o fim da década. Portanto, o agronegócio é o corpo e a alma da economia brasileira. A infraestrutura do país precisa acompanhar esse crescimento”, ressalta o consultor.

Caminhões na rodovia Cuiabá-Santarém: 1/3 da BR-163 não é pavimentado.

Ainda de acordo com o especialista, o governo federal está atacando agora um problema que tinha que ser enfrentado há dez anos. A assertiva do poder público, destaca Fayet, está em priorizar rodovias e ferrovias, criando um plano de concessões para esses dois modais. “Só que o governo cometeu o pecado de querer fazer tudo de uma vez só. A velocidade que o governo quer dar às licitações ferroviárias e rodoviárias prejudica a qualidade das implantações. As entidades do setor privado têm alertado o governo”, destaca, avaliando que, à reboque do crescimento do agronegócio, inevitavelmente a construção civil irá se beneficiar. “As grandes obras virão. É uma prioridade do país para sustentar o agronegócio“, afirma.

Só que enquanto a infraestrutura do país não se moderniza, pelo menos 20% da produção agrícola nacional se perde no trajeto entre a colheita e o porto – boa parte é resultado das péssimas condições das estradas sob o controle dos estados e do governo federal. Esse percentual representa um desperdício de cerca de 30 milhões de toneladas ou R$ 10 bilhões. Para enfrentar esse problema, Fayet defende que as distâncias precisam ser encurtadas. “As novas fronteiras precisam de novas oportunidades de escoamento, que não se limitem a Santos e Paranaguá”, finaliza.

Entrevistado
Luís Antônio Fayet, consultor em agronegócio e logística da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA)
Currículo
– Luís Antônio Fayet é graduado em economia. Atua como consultor em agronegócio e logística pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA)
– Foi presidente do Banco de Desenvolvimento do Estado do Paraná (Badep) e presidiu também o extinto Banestado, além de compor a diretoria de crédito rural do Banco do Brasil
Créditos fotos: Leandro J. Nascimento / Agrodebate / Divulgação

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo