Versatilidade faz rampa ganhar espaço em projetos

Equipamento facilita acessibilidade e não se limita mais a espaços urbanos e prédios públicos. Agora, ele substitui escadas em residências

Equipamento facilita acessibilidade e não se limita mais a espaços urbanos e prédios públicos. Agora, ele substitui escadas em residências

Por: Altair Santos

Rampa conquista espaço tanto em áreas externas quanto internas das residências
Rampa conquista espaço tanto em áreas externas quanto internas das residências

As rampas não estão mais restritas a prédios públicos, hospitais, shopping centers e estacionamentos. A versatilidade tem feito o equipamento conquistar outros nichos. Entre eles, os projetos residenciais. Entre a nova geração de arquitetos, existe um grupo que enxerga nas rampas não apenas soluções para melhorar a mobilidade, mas a oportunidade de inovar no design. Nos Estados Unidos, esses profissionais passaram a colocá-las no lugar das escadas, para interligar casas com dois pavimentos.

A ideia replicou e chegou ao Brasil, onde o escritório MK27, de Marcio Kogan, concebeu a “Casa Rampa”, em 2015. O projeto foi todo pensado em função da rampa que liga os dois níveis da residência. A novidade, neste caso, é que o equipamento de mobilidade protagonizou o projeto, o que rendeu prêmios internacionais ao escritório. Após a conclusão da obra, Kogan disse ter se inspirado em dois ícones da arquitetura nacional, e mundial: Oscar Niemeyer e Vilanova Artigas.

 

“Casa Rampa”, de Márcio Kogan: descarte de escadas e de elevadores, e opção pela rampa
“Casa Rampa”, de Márcio Kogan: descarte de escadas e de elevadores, e opção pela rampa

Niemeyer, ao projetar os prédios de Brasília, não poupou em rampas. Os equipamentos mais emblemáticos estão no Congresso Nacional e no Palácio do Planalto. Porém, é no interior do edifício onde a Presidência da República despacha que está a rampa que Niemeyer mais admira. Trata-se do equipamento em espiral que liga o hall de entrada do Palácio do Planalto ao segundo pavimento. Já Vilanova Artigas tem nas rampas da FAU (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo) da USP seu grande momento ao trabalhar com essa solução arquitetônica.

ABNT NBR 9050
Agora, na era da acessibilidade e da mobilidade urbana, as rampas tornaram-se elementos politicamente corretos. Na Dinamarca, um projeto para convencer casais jovens a terem filhos parte do princípio de que “quem casa, quer casa”. Assim, foi criado um programa habitacional que prioriza a venda de unidades para recém-casados, desde que eles se comprometam a ter filhos em um período máximo de cinco anos. Para facilitar a mobilidade com carrinhos de bebês, e oferecer segurança aos futuros moradores, os prédios foram todos concebidos com rampas em vez de escadas.

Conjunto habitacional na Dinamarca: rampa dá acesso às unidades
Conjunto habitacional na Dinamarca: rampa dá acesso às unidades

No Brasil, as rampas têm o amparo técnico da ABNT NBR 9050 – Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos, que foi revisada e entrou em vigor em outubro de 2015. Foi a terceira vez que a norma técnica passou por atualização e, desta vez, ela define que projetos de prédios públicos são obrigados a possuir rampas, além de ressaltar critérios de sinalização e criar parâmetros para intervenções em bens tombados pelo patrimônio histórico.

A ABNT NBR 9050 também criou segurança técnica para que a indústria de pré-fabricados de concreto colocasse a produção de rampas em seu portfólio. Um item que não estava bem explicado nas edições anteriores da norma era o cálculo de inclinação. Isso levou à construção de rampas sem nenhum critério – algumas até oferecendo risco aos pedestres. O novo texto estabelece parâmetros bem abrangentes em relação a esses equipamentos, inclusive influenciando na escolha do revestimento. Agora, existe uma metodologia para construir rampas no Brasil.

Acesse aqui a edição revisada da ABNT NBR 9050!

Rampa interna do Palácio do Planalto: projetada por Oscar Niemeyer, é uma das mais conhecidas do mundo
Rampa interna do Palácio do Planalto: projetada por Oscar Niemeyer, é uma das mais conhecidas do mundo

Entrevistados
– Escritório de arquitetura MK27 (via assessoria de imprensa)
– Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) (via assessoria de imprensa)

Contatos
info@studiomk27.com.br
imprensa@abnt.org.br

Crédito Fotos: Divulgação/MK 27

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo