Sem investimento em infraestrutura, PIB seguirá tímido

Retomada de obras públicas paradas tem potencial de alavancar crescimento do país e gerar 1 milhão de empregos

empregos
Frente Coalizão pela Construção reúne organismos ligados à cadeia produtiva do setor e lançou o projeto “Construção: 1 Milhão de Empregos Já!”

Já é consenso entre os que analisam dados econômicos: se não houver investimento em infraestrutura, o PIB do país seguirá tímido. Em 2018, repetindo 2017, a soma de tudo o que o país produziu representou um crescimento de apenas 1,1%. Dados da CBIC mostram que, caso as 4,7 mil obras públicas que estão paradas fossem retomadas, o país adicionaria 1,8% ao Produto Interno Bruto (PIB) de 2019 e conseguiria gerar 1 milhão de empregos. No entanto, ocorreu o contrário: o PIB da construção civil amargou mais um número negativo em 2018, registrando -2,5%.

Por isso, em 2019, foi criada a Coalizão pela Construção. A frente empresarial reúne vários organismos ligados à cadeia produtiva do setor. O objetivo é mostrar para o governo que a construção civil é a porta de saída para a crise. “Temos um governo que quer acertar e vamos levar propostas comuns para recuperar a construção”, comenta José Carlos Martins, presidente da CBIC, que está à frente da Coalizão pela Construção. O grupo espera consolidar propostas para apresentar ao governo na 91ª edição do ENIC (Encontro Nacional da Indústria da Construção), que acontece de 15 a 17 de maio, no Rio de Janeiro-RJ.

O setor entende que tem condições de criar 1 milhão de empregos formais a curto prazo no país. Atualmente, a construção civil é responsável pelo emprego de quase 2 milhões de trabalhadores que atuam diretamente em canteiros de obras. Se considerar toda a cadeia produtiva, os números crescem para 6,5 milhões, de acordo com dados da Amostra de Domicílios Contínua trimestral (PNADC), do IBGE. Esses números chegaram a quase 9 milhões antes da crise, dos quais 3,4 milhões trabalhavam diretamente em atividades nos canteiros de obras. “Do ponto de vista estratégico, é o momento de fomentar o emprego. O governo sabe que o nosso setor é porta de saída da crise”, avaliou Cláudio Conz, presidente da Anamaco.

Setor apresenta ao governo e ao Congresso Nacional o projeto “Construção: 1 Milhão de Empregos Já!”

Recentemente, a frente Coalizão pela Construção teve seu primeiro contato com o ministro da economia, Paulo Guedes, para o qual entregou o documento “Construção: 1 Milhão de Empregos Já!”. Nele, há um conjunto de medidas para reativar o potencial de geração de empregos do setor. O documento também foi entregue a um grupo de parlamentares. Entre os temas tratados, estão:

  • Reforma da Previdência
  • Reforma tributária
  • Segurança jurídica
  • FGTS
  • Lei de Licitações
  • Licenciamento ambiental
  • Áreas contaminadas
  • Critérios para a paralisação de obras
  • Lei-geral das empresas de pequeno porte
  • Saneamento básico
  • Lei de desapropriações
  • Securitização de ativos
  • Garantia da obra pelo construtor (solidez e segurança das edificações)
  • Alienação fiduciária
  • Prorrogação do Regime Especial Tributário (RET) para obras do Programa Minha Casa Minha Vida (MCMV)
  • Redução da burocracia e custos cartoriais
  • Critérios ambientais e de sustentabilidade nas edificações

O documento ainda propõe uma agenda estratégica para a indústria da construção, focada em valorização da engenharia e absorção de inovações e novas tecnologias. “É o momento de fazermos um trabalho conjunto e levar projetos”, destaca Sérgio Marques Assumpção, vice-presidente do SINAENCO. “A indústria da construção precisa quebrar paradigmas e tornar-se um setor reconhecido pela tecnologia”, completa Íria Lúcia Oliva Doniak, presidente-executiva da ABCIC.


Veja a fala do presidente da CBIC sobre potencial da construção civil de gerar empregos (
entre 2h07min e 2h22min do vídeo)

https://youtube.com/watch?v=9N7b7FzK6Us

Entrevistado

Reportagem com base no evento que apresentou o projeto “Construção: 1 Milhão de Empregos Já!”, no dia 13 de fevereiro de 2019, em Brasília-DF

Contato: comunica@cbic.org.br

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo