Programa Acredita deve favorecer acesso ao crédito habitacional a famílias de baixa renda

Setor prevê impulso à economia, com geração de emprego e redução do déficit habitacional no país

Setor acredita na ampliação das concessões de crédito habitacional à pessoa física.
Crédito: Envato

O Programa Acredita, lançado pelo governo federal com o objetivo de estimular o crescimento da construção civil e do setor imobiliário no país, foi bem recebido pelo setor. “O programa certamente será um importante avanço para estimular a geração de renda, emprego e crescimento econômico em nosso país”, avalia o presidente da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (ABRAINC), Luiz França.

Para o setor, o lançamento do programa é uma demonstração do compromisso do governo em impulsionar a economia, gerar empregos e reduzir o déficit habitacional no país. “Entendemos que a iniciativa será um passo decisivo para ampliar as concessões de crédito habitacional para pessoas físicas e garantir acesso à habitação de forma sustentável, não apenas para as famílias de baixa renda, mas também para a classe média, que enfrenta desafios significativos devido às altas taxas de financiamento habitacional”, afirma. 

Ele detalha que a iniciativa está baseada em quatro eixos principais:

1. Programa de microcrédito para inscritos no Cadastro Único (CadÚnico)

Os inscritos no Cadastro Único terão acesso ao microcrédito com juros mais baixos para que possam empreender;

2. Incentivo voltado às empresas, por meio do Desenrola Pequenos Negócios e Procred 360

Está previsto um programa de renegociação de dívidas para micro e pequenas empresas, além de um programa de crédito;

3. Criação do mercado secundário para crédito imobiliário

A medida consiste na autorização da EMGEA, empresa estatal gestora de ativos, a comprar créditos que estiverem no balanço de instituições financeiras;

4. Eco Invest Brasil
Proteção Cambial para Investimentos Verdes (PTE), que tem como objetivo incentivar investimentos estrangeiros em projetos sustentáveis no país.

De acordo com França, o crédito imobiliário será um dos mais importantes pilares do Acredita. “Nada mais propício: afinal o setor da construção emprega 7,3 milhões de trabalhadores segundo a PNAD”, assinala.

Além disso, ele ressalta que a atividade imobiliária tem um grande efeito alavancador sobre a economia, pois consegue impulsionar outras 97 atividades econômicas. “Por isso que em diversos países desenvolvidos, o crédito imobiliário farto e a juros baixos é o grande indutor do desenvolvimento econômico”.

Securitização no mercado imobiliário

O presidente da ABRAINC alerta sobre a necessidade de estimular a securitização no mercado imobiliário. Atualmente, existe uma baixa proporção de crédito imobiliário em relação ao PIB no Brasil, girando em torno de 9%. Em comparação com os índices de 40% na União Europeia e até 70% no Reino Unido, existe muito a ser desenvolvido.

“Esse problema fica mais grave para a classe média em função do declínio do volume total da poupança nos últimos anos (R$ 801 bilhões em 2020 contra R$ 735 bilhões em 2024), o que tem impactado diretamente nas concessões de crédito imobiliário (R$ 205 bilhões em 2021 ante R$ 153 bilhões em 2023)”, observa. 

Medida do governo federal deve estimular geração de emprego. Crédito: Envato

França informa que, em 2024, já se observou uma queda significativa de 10% em comparação com o ano anterior, reforçando a relevância das medidas propostas pelo programa, o que evidencia a urgência de revitalizar o financiamento habitacional no país.

Mais volume de crédito no mercado

Outra vantagem do programa é a entrada da Empresa Gestora de Ativos (Emgea), empresa pública federal não financeira, constituída sob a forma de sociedade anônima de capital fechado, vinculada ao Ministério da Fazenda, com capital social totalmente integralizado pela União.

Para o presidente da ABRAINC, a atuação da EMGEA como uma grande securitizadora para atuar no mercado imobiliário será um passo decisivo para incentivar a securitização de ativos oriundos do crédito imobiliário no Brasil. Esse movimento será indutor para ampliar as concessões de crédito habitacional à pessoa física e, assim, garantir de forma permanente acesso à habitação.

“Entendemos que essa medida permitirá aumentar o volume de crédito disponível no mercado, o que possibilitará a oferta de financiamentos com taxas acessíveis para a classe média, suprindo a queda da poupança”, acredita França.

Hoje, uma das principais questões enfrentadas pelos setores da construção civil e imobiliário é o crédito. Daí a importância da medida. Porém, outra preocupação do setor é a taxa Selic. “A continuidade da trajetória de queda na Selic é fundamental para a geração de emprego e renda da população, além de estimular a atividade industrial, incluindo o mercado imobiliário, em que taxas de juros elevadas impactam negativamente o custo dos financiamentos habitacionais”, conclui ele. 

Entrevistado

Luiz França é engenheiro civil e atual presidente da ABRAINC (Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias) e sócio presidente da França Participações (empresa de soluções para as áreas de gestão e finanças). França também preside o Conselho da Renac (Recuperadora Nacional de Crédito), é Conselheiro do Banco Inter, FIESP (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), Cury Construtora e Incorporadora e URBA Desenvolvimento Urbano.

Contato/Assessoria de Imprensa: luciana.ferreira@loures.com.br

Jornalista responsável
Ana Carvalho
Vogg Experience

A opinião dos entrevistados não reflete necessariamente a opinião da Cia. de Cimento Itambé. 



Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo