Prédios corporativos deixam de ser exclusividade de Rio e São Paulo

Cidades como Belo Horizonte, Curitiba, Porto Alegre, Salvador, Recife e Distrito Federal perdem a timidez e também passam a atrair investimentos imobiliários comerciais.

Cidades como Belo Horizonte, Curitiba, Porto Alegre, Salvador, Recife e Distrito Federal perdem a timidez e também passam a atrair investimentos imobiliários comerciais

Por: Altair Santos

Grandes torres comerciais tendem a deixar de ser exclusividade das duas principais cidades do Brasil – São Paulo e Rio de Janeiro. Outros centros urbanos do país decidiram perder a timidez e revelar seu potencial para os negócios, atraindo investimentos imobiliários comerciais. Belo Horizonte, Curitiba, Porto Alegre, Salvador, Recife e Distrito Federal são capitais que querem mostrar que também têm vocação para receber prédios corporativos.

A ITC fez um levantamento do primeiro semestre e as obras de edifícios coorporativos, além de São Paulo e Rio de Janeiro, cresceram muito em Minas Gerais, na região sul, no Espírito Santo e no Distrito Federal”

Um aspecto crucial que faz essas cidades passarem a disputar o mercado com São Paulo e Rio é que elas têm ofertas de terrenos para grandes empreendimentos comerciais. “São Paulo e Rio de Janeiro já enfrentam dificuldades para encontrar espaços que permitam construir edifícios corporativos, principalmente de alto padrão”, explica Viviane Guirao, diretora de marketing e pesquisa de mercado da ITC – Informações da Construção.

Na capital paulista, por exemplo, a região da avenida Berrini, que é a que mais atrai empreendimentos AAA (alto padrão) no setor de construções comerciais, a taxa de vacância de terrenos caminha para ser zero – atualmente é de 5%. “São Paulo já tem uma demanda enorme de escritórios sendo feitos e eu acho que vai dar uma segurada nos próximos anos”, avalia Viviane Guirao.

No entanto, as construtoras especializadas em prédios corporativos já pressionam a prefeitura paulistana para criar um novo pólo para edifícios comerciais na cidade, que seria a extensão da avenida Chucri Zaidan, na zona sul de São Paulo, com potencial para atender 872 mil m² até 2016, segundo a consultoria imobiliária Jones Lang La-Salle. Essa seria a quarta mudança do centro financeiro da capital paulista, que já saiu do centro histórico para a avenida Paulista, depois Faria Lima e agora superlota a avenida Berrini.

No Rio de Janeiro, acontece algo semelhante. Bairros como Campo Grande, Jacarepaguá e Barra da Tijuca são as opções recentes para atrair empreendimentos comerciais. Aliás, a construção de edifícios corporativos não para de crescer na capital fluminense. Segundo balanço da Secretaria Municipal de Urbanismo, o aumento de concessões de licenças para projetos de imóveis comerciais cresceu 6.000% este ano.

Por ser um negócio em aquecimento é que outras regiões do Brasil buscam também mostrar seu potencial para receber prédios corporativos. “Na região de Curitiba já tem alguns empreendimentos comerciais sendo lançados. Existe uma tendência de que a região da Linha Verde torne-se um pólo de empreendimentos comerciais. No nordeste, Pernambuco e Bahia também têm investimentos no setor de edifícios corporativos, em função de que estão surgindo muitas indústrias na região e com elas vêm os escritórios”, diz Viviane Guirao.

Segundo a diretora de marketing e pesquisa de mercado da ITC – Informações da Construção, “as outras cidades do país estão perdendo a timidez para conseguir disputar empreendimentos comerciais com São Paulo e Rio de Janeiro”. “A ITC fez um levantamento do primeiro semestre e as obras de edifícios coorporativos, além de São Paulo e Rio de Janeiro, cresceram muito em Minas Gerais, na região sul, no Espírito Santo e no Distrito Federal”, completou Viviane Guirao.
O Brasil não é o único que vem correndo atrás de crescimento no setor comercial. As transações imobiliárias no mundo quase dobraram no primeiro semestre de 2011, voltando aos níveis pré-crise. Os investimentos imobiliários comerciais globais totalizaram US$ 132 bilhões nos primeiros seis meses deste ano, ante US$ 76 bilhões em igual período do ano passado, ainda segundo a Jones Lang La-Salle. A consultoria estima que o volume global no fim deste ano deva ficar entre US$ 275 bilhões e US$ 300 bilhões, bem acima do resultado registrado no ano passado, de US$ 209 bilhões.

Investidor prefere o pré-moldado
Diferentemente dos imóveis residenciais, os empreendimentos imobiliários comerciais têm nos investidores e nos bancos privados suas principais fontes de financiamento. Por isso, as construções são expostas a um cronograma rígido para que não frustrem a expectativa de retorno financeiro. Assim, o pré-moldado é o sistema construtivo que avança na preferência das construtoras especializadas em prédios corporativos. “Ainda não tem uma cultura completa de uso do pré-moldado, mas ele está crescendo bastante, pois é um sistema construtivo que tem ajudado a diminuir o prazo das obras destes empreendimentos”, comenta Viviane Guirao.

Além disso, os edifícios novos deste segmento costumam agregar muita tecnologia. A automação predial tem objetivos claros com a economia de energia e reuso da água. Conceitos como sustentabilidade também estão presentes nos projetos, valorizando a luminosidade, o aproveitamento do calor e as áreas verdes. “Os prédios são muito diferentes hoje, em relação aos edifícios de escritório do passado. Até porque, naquela época não havia tanta tecnologia disponível. Por isso, atualmente o metro quadrado de um edifício corporativo é no mínimo 30% mais caro que um imóvel residencial. É o que tem atraído os investidores”, conclui a diretora de marketing e pesquisa de mercado da ITC – Informações da Construção.

Região da avenida Berrini, em São Paulo: vacância de terrenos para empreendimentos imobiliários comerciais é quase zero

Entrevistada
Viviane Guirao, diretora de marketing e pesquisa de mercado da ITC – Informações da Construção.
Currículo

– Graduada em Engenharia Civil pela FAAP (Fundação Armando Álvares Penteado), em São Paulo.
– Pós-Graduada em Negócios Imobiliários pela FAAP
– Ocupa o cargo de diretora de marketing e pesquisa de mercado da ITC – Informações da Construção
Contato: viviane@itc.etc.br / marketing@itc.etc.br

Créditod Fotos: Divulgação/ITC

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo