Pré-moldado desponta como solução ao Haiti

Projeto Casa Fácil, desenvolvido pelo Instituto de Engenharia do Paraná, é a opção mais barata para resolver caos habitacional no país destruído por terremoto.

Projeto Casa Fácil, desenvolvido pelo Instituto de Engenharia do Paraná, é a opção mais barata para resolver caos habitacional no país destruído por terremoto

Por: Altair Santos

Há mais de um ano sofrendo os impactos do terremoto que atingiu o país em 12 de janeiro de 2010, o Haiti só conseguirá se reerguer se houver um mutirão mundial para ajudá-lo. Há projetos em andamento, e um deles vem do Banco de Ideias do Instituto de Engenharia do Paraná (IEP), que apresentou o estudo denominado “Casa Fácil”. Consiste na construção de casas sociais com peças pré-moldadas de concreto. No Brasil, o custo de uma habitação deste tipo está avaliado em R$ 8.500,00. Com ajuda governamental e isenções fiscais, ela pode ser exportada ao Haiti por até R$ 5 mil.

Raul Munhoz Neto, do IEP: casas pré-fabricadas, que seriam montadas pelo exército brasileiro

O projeto “Casa Fácil” é uma adaptação do plano elaborado em 1985, pelo engenheiro e arquiteto Ayrton Lolo Cornelsen, denominado Projeto Esperança. Segundo o planejado pelo IEP, as casas pré-moldadas poderiam ser montadas pelo exército brasileiro, que já atua na reestruturação do Haiti, e inicialmente poderiam abranger 200 famílias. “A ideia é criar, em torno desta comunidade, módulos de auxílio à população, como unidades hospitalares, de segurança, esportiva, de ensino, além de colmeias rurais para que o povo haitiano possa se reerguer”, diz Raul Munhoz Neto, vice-presidente técnico do IEP.

O projeto do Instituto de Engenharia do Paraná foi apresentado ao CONFEA (Conselho Federal de Engenharia e Arquitetura), que criou um grupo de trabalho para a reconstrução do Haiti. Também foi mostrado no I Seminário Internacional Pró-renascimento Solidário do Haiti, realizado entre 28 e 31 de março de 2011, em Foz do Iguaçu. Na sequência do seminário, o IEP recebeu a visita de quatro membros do CNIAH (Collège National des Ingénieurs et Architectes Haitiens) quando foi apresentado o plano “Casa Fácil”.

Segundo o vice-presidente técnico do IEP, o projeto encantou a comitiva haitiana, sobretudo pelo custo das moradias e pela rapidez com que podem ser montadas. “No que se refere às moradias, seria a utilização de sistema construtivo de casas pré-fabricadas, cujos projetos foram disponibilizados para os visitantes haitianos. Trata-se de moradias com grande facilidade de montagem, que não possuem pregos para construção e são erguidas de maneira rápida e simples, a partir de blocos prontos”, explica Raul Munhoz Neto.

Atualmente, projetos similares ao da “Casa Fácil” do IEP são desenvolvidos no Brasil. Kits de casa social têm sido vistos em favelas de Minas Gerais e em palafitas da região Norte do país. São habitações de 30, 40 ou 54 m². O kit inclui paredes, colunas, vigamento e laje pré-moldada. Com custo baixíssimo, é apontado pelo Banco de Ideias do IEP como a construção ideal para suprir a demanda por habitações no Haiti, que após o terremoto ficou com 1,3 milhão de desabrigados. “Há solução para o problema, desde que sejam aplicados recursos internacionais a fundo perdido e devidamente acompanhados por entidades humanitárias e técnicas”, avalia Raul Munhoz Neto, vice-presidente técnico da IEP.

Grupo do banco de Ideias do IEP: projeto Casa Fácil é a solução mais barata para devolver direito à habitação dos haitianos
Projeto da casa Fácil precisa de apoio governamental para ser exportado ao Haiti
Habitações sociais em pré-moldado são usadas no Brasil para desfavelização e para combater déficit habitacional
Kit da casa social contém paredes, colunas, vigamento e laje pré-moldada

Entrevistado
Raul Munhoz Neto, vice-presidente técnico do Instituto de Engenharia do Paraná

Currículo
– Graduado em Engenharia Mecânica (1966) pela Universidade Federal do Paraná.
– Ingressou na Copel em 1982 e atuou em diversas áreas e funções.
– Em 1994, assumiu a Diretoria de Engenharia e Construção, tendo atuado também no antigo LAC (Laboratório Central de Pesquisa e Desenvolvimento), precursor do Lactec, entre 1995 e 1999.
– Atualmente é vice-presidente técnico do Instituto de Engenharia do Paraná.
Contato: iep@iep.org.br / adriana@iep.org.br (assessoria de imprensa)

Créditos fotos: Altaneira Materiais de Construção

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo