China confirma US$ 100 bi para nova “Rota da Seda”

Conjunto de obras, envolvendo construção de rodovias, ferrovias, portos, aeroportos e linhas de transmissão, passará por 60 países

Conjunto de obras, envolvendo construção de rodovias, ferrovias, portos, aeroportos e linhas de transmissão, passará por 60 países

Por: Altair Santos

No dia 14 de maio de 2017, o presidente chinês, Xi Jinping, fez o anúncio oficial da construção da nova “Rota da Seda”. O caminho histórico, criado em 200 a.C, foi a primeira ligação entre ocidente e oriente, e agora servirá de base para o ambicioso projeto liderado pela China e batizado de “One Belt, One Road” (um cinturão, uma rota). Com investimento assegurado de US$ 100 bilhões, os chineses vão financiar obras em 60 países. É a maior injeção de recursos em infraestrutura já feita no mundo e envolverá construção de rodovias, ferrovias, portos, aeroportos e linhas de transmissão de energia, dados e combustíveis.

Monumento inaugurado em maio de 2017, em Pequim, que simboliza a reconstrução da nova “Rota da Seda”
Monumento inaugurado em maio de 2017, em Pequim, que simboliza a reconstrução da nova “Rota da Seda”

Para o economista Kevin Sneader, da consultoria McKinsey, não há nenhum gesto de generosidade da China em liderar esse megaprojeto. “Os chineses estão olhando um volume de obras que vai atingir 65% da população mundial, cerca de 1/3 do PIB do planeta (perto de US$ 21 trilhões) e 1/4 de todos os bens e serviços que movimentam o mundo”, diz o especialista. “É um mercado com potencial para alavancar os negócios chineses em até US$ 3 trilhões por ano”, completa Kevin Sneader. Para se ter ideia do potencial econômico do empreendimento, o PIB do Brasil em 2016 foi de 1,473 trilhão, ou seja, menos da metade do que o “One Belt, One Road” pode gerar.

Na prática, a nova “Rota da Seda” vem se materializando desde 2013, quando a China assinou os primeiros acordos de cooperação bilateral com Hungria, Mongólia, Rússia, Tajiquistão e Turquia. Há também projetos em curso, incluindo a ligação ferroviária entre o leste da China e o Irã, a qual poderá ser expandida para a Europa. Existem também novas ferrovias em construção na direção do Laos e da Tailândia, além da implantação de um TAV (Trem de Alta Velocidade) entre a China e a Indonésia. Outra consequência é que as relações marítimas entre China e países do Oriente Médio – principalmente no transporte de contêineres – praticamente triplicaram nos quatro anos recentes.

Seis grandes eixos
A concepção do “One Belt, One Road” parte de seis grandes eixos: Eurásia, China-Mongólia-Rússia, China-Ásia Central-Oeste da Ásia, Península Índia-China, China-Paquistão e Bangladesh-China-Índia-Mianmar. A partir destes corredores partirão ramais que se estenderão ao longo de 60 países, não apenas por rodovias e ferrovias, mas também conectando essas economias pelo mar, por rios e por transporte aéreo. Ao longo desses eixos serão construídas linhas de transmissão de energia, de transmissão de dados e oleodutos. Estima-se que US$ 40 bilhões dos US$ 100 bilhões que a China promete injetar no projeto já estejam investidos em obras.

Segundo analistas, é a maior liberação de recursos de um só país em outras nações desde o Plano Marshall – lançado após a Segunda Guerra Mundial, quando os Estados Unidos financiaram a reconstrução da Europa. Para Joe Ngai, a China precisa do “One Belt, One Road” para se consolidar como potência mundial. “Apesar da população com mais de um bilhão de habitantes (1,371 bilhão), a economia chinesa já não sobrevive mais se alimentando apenas do mercado interno. A indústria da construção civil chinesa, por exemplo, cresceu muito e precisa desses países emergentes contemplados no One Belt, One Road para continuar se expandindo”, diz o também analista econômico da McKinsey. Todos os recursos disponíveis para o projeto virão do China Development Bank (Banco de Desenvolvimento da China).

Saiba mais sobre o One Belt, One Road.

Entrevistados
Economistas Kevin Sneader e Joe Ngai, da McKinsey&Company (via assessoria de mídias)

Contato
asia_media_enquiries@mckinsey.com

Crédito Foto: Governo da China

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo