Natureza ensina como projetar prédios superaltos

No ENECE 2019, Mark P. Sarkisian, projetista do Burj Khalifa, explica de onde vem a inspiração para seus cálculos

Mark P. Sarkisian, no ENECE 2019: flor do deserto inspirou o Burj Khalifa, enquanto o bambu foi a base do projeto das torres do China World Trade Center Crédito: Cia. de Cimento Itambé
Mark P. Sarkisian, no ENECE 2019: flor do deserto inspirou o Burj Khalifa, enquanto o bambu foi a base do projeto das torres do China World Trade Center
Crédito: Cia. de Cimento Itambé

Para o engenheiro estrutural Mark P. Sarkisian, projetar prédios superaltos requer uma observação minuciosa da natureza. “Os princípios da natureza norteiam os cálculos. Há princípios matemáticos muito definidos e que devem nos inspirar”, diz uma das sumidades mundiais em arranha-céus. Sarkisian esteve recentemente palestrando no ENECE 2019 (Encontro Nacional de Engenharia e Consultoria Estrutural) – evento anual promovido pela ABECE (Associação Brasileira de Engenharia e Consultoria Estrutural).

Entre as análises feitas por Mark P. Sarkisian, ele destacou que o bambu e os furacões são os elementos da natureza que mais o inspiram. “O bambu é uma fonte inspiradora para quem projeta prédios superaltos. Os colmos da planta possuem uma precisão matemática incrível. E são eles que dão sustentação para que o bambu possa atingir até 20 metros, dependendo da espécie”, relata. Sobre os furacões, Sarkisian destaca que a forma de caracol do fenômeno climático é que permite que ele atinja grandes alturas sem perder a sustentação.

China World Trade Center: elementos da natureza serviram de base para projetar as torres inauguradas em 2017, em Pequim Crédito: SOM
China World Trade Center: elementos da natureza serviram de base para projetar as torres inauguradas em 2017, em Pequim
Crédito: SOM

Autor do livro “Projetando edifícios altos: estrutura e arquitetura”, o engenheiro lembra em sua palestra que os dois elementos da natureza que mais o inspiram serviram de base para que projetasse as torres do China World Trade Center, em Pequim, inauguradas em 2017, e o Burj Khalifa, em 2010, em Dubai. “Quem vê as torres do CWTC enxerga uma estrutura que lembra muito o bambu. Já o Burj Khalifa tem um formato inspirado em uma espiral e suas fundações tiveram como ponto de partida as raízes e o caule da flor do deserto”, revela. 

A princípio, Burj Khalifa havia sido projetado para ter 560 metros

Sócio do escritório Skimore, Owings & Merril, sediado em São Francisco-EUA, Sarkisian conta que, inicialmente, o Burj Khalifa havia sido projetado para ter 560 metros. “No entanto, a base em forma de tripé e o formato espiralado nos deram segurança para que ele fosse crescendo mais. À medida que o edifício ia subindo, menores eram os efeitos do vento sobre ele”, comenta o projetista. Com 828 metros de altura, o Burj Khalifa ainda é o maior prédio do mundo e teve seu projeto estrutural todo concebido em concreto armado.

Burj Khalifa: à medida que o edifício ia subindo, menores eram os efeitos do vento sobre ele Crédito: Banco de Imagens
Burj Khalifa: à medida que o edifício ia subindo, menores eram os efeitos do vento sobre ele
Crédito: Banco de Imagens

Por isso, Mark P. Sarkisian avalia que o material seguirá predominante na construção de edifícios superaltos. “Os prédios superaltos têm um futuro ótimo. Também estamos convictos de que essas edificações não precisarão ser construídas com concreto de ultra-alto desempenho (CUAD), mas com concretos com resistência que variem de 80 MPa a 120 MPa. O que eles precisam ser é resilientes. Essa foi a nossa maior lição depois do 11 de setembro (ataques às torres gêmeas do World Trade Center, em Nova York, em 2001): precisamos construir edificações resilientes. E a natureza está aí para nos ajudar”, sentencia.

Mark P. Sarkisian finaliza sua palestra lembrando que os projetos estruturais de edifícios superaltos devem se concentrar no equilíbrio das cargas. “Nem sempre é importante pensar em materiais super resistentes, mas nos princípios matemáticos das forças que vão agir sobre aquela edificação. Principalmente, se formos construir em áreas propensas a furacões e terremotos”, ressalta.

Entrevistado
Reportagem com base na palestra do engenheiro estrutural Mark P. Sarkisian, sócio do escritório Skimore, Owings & Merril, sediado em São Francisco-EUA, no ENECE 2019 (Encontro Nacional de Engenharia e Consultoria Estrutural).

Contato: abece@abece.com.br

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330



Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo