Linha 4 do metrô do Rio vira desafio olímpico

Maior obra de mobilidade urbana do país é estratégica para o evento que a cidade irá sediar em agosto. Mas será que fica pronta a tempo?

Maior obra de mobilidade urbana do país é estratégica para o evento que a cidade irá sediar em agosto. Mas será que fica pronta a tempo?

Por: Altair Santos

O trecho de 16 quilômetros entre Leblon e Barra da Tijuca é a futura Linha 4 do metrô da cidade do Rio de Janeiro. Trata-se da maior obra de mobilidade urbana para as Olimpíadas, e também do país. A previsão é de que entre em funcionamento no 1º de julho. Mas o cronograma se transformou em impasse. O governo federal, que financia o empreendimento, passou a fazer contingenciamento dos R$ 500 milhões necessários para finalizar as escavações e a instalação das estações. Até o começo de 2016 restavam 650 metros para que todo o trecho fosse escavado. Enfim, falta de recursos e cronograma cada vez mais apertado transformaram-se em desafio olímpico para a megaobra.

Túnel no trecho da Barra da Tijuca: ritmo do canteiro de obras deveria estar mais acelerado
Túnel no trecho da Barra da Tijuca: ritmo do canteiro de obras deveria estar mais acelerado

A ponto de a prefeitura do Rio, como forma de pressionar o desembolso do dinheiro que falta, chegar a anunciar em fevereiro de 2016 que já trabalhava um plano B para o caso de a Linha 4 não ficar pronta até os jogos olímpicos. A saída seria criar novos trajetos de BRT (Bus Rapid Transit) para atender o público que irá se deslocar entre o parque olímpico de Jacarepaguá e os cartões postais do Rio. No entanto, os dois consórcios de construtoras responsáveis pela obra garantem que a cidade não precisará de plano B. Segundo o mais recente relatório, divulgado dia 17 de março, 90% de toda a infraestrutura está construída. O trecho mais crítico das escavações se resume a 113 metros – ainda não concluídos.

Para Marcos Vidigal, diretor de contrato das obras de implementação da Linha 4 do Metrô do Rio, a complexidade da construção exige revisões diárias do projeto, para que o cronograma seja cumprido. “Trabalhamos com engenharia civil avançada, em um empreendimento de grande porte e alta complexidade, dentro de um centro urbano densamente povoado. A Linha 4 do Metrô é a maior obra de infraestrutura urbana em execução atualmente no Brasil. Por isso, nunca deixamos de buscar a excelência em nosso trabalho. Além disso, temos que sincronizar as diferentes frentes para que elas executem suas tarefas a contento. Estamos falando de 9.200 colaboradores atuando simultaneamente na obra”, resume.

Tatuzão em ação: máquina foi projetada exclusivamente para atuar na Linha 4 do Metrô do Rio
Tatuzão em ação: máquina foi projetada exclusivamente para atuar na Linha 4 do Metrô do Rio

Sob medida
Além de homens, há tecnologia de ponta envolvida no empreendimento. A máquina que cuida das escavações da obra foi importada da Alemanha e fabricada especificamente para as dimensões da Linha 4. O Tunnel Boring Machine (TBM) – apelidado de Tatuzão – tem 11,5 metros de diâmetro, o equivalente a um prédio de quatro andares, e 120 metros de comprimento. O equipamento pesa 27 mil toneladas. Conforme vai avançando, o TBM lança jatos de grout (argamassa de cimento) contra as paredes escavadas e assenta as aduelas de concreto, que formam a estrutura do túnel. São 22 mil peças pré-fabricadas para compor os 2,7 mil anéis que revestirão o trecho.

Quando pronta, estima-se que a Linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro vá transportar, a partir de julho de 2016, mais de 300 mil pessoas por dia e retirar das ruas cerca de 2 mil veículos por hora. Com a nova linha, o passageiro poderá utilizar todo o sistema metroviário da cidade com uma única tarifa. Serão seis estações (Jardim Oceânico, São Conrado, Gávea, Antero de Quental, Jardim de Alah e Nossa Senhora da Paz) ao longo dos 16 quilômetros de extensão. O empreendimento está a cargo do Consórcio Construtor Rio Barra (Queiroz Galvão, Odebrecht Infraestrutura, Carioca Engenharia, Cowan e Servix) e do Consórcio Linha 4 Sul (Odebrecht Infraestrutura, Queiroz Galvão e Carioca Engenharia).

Entrevistado
Engenheiro civil Marcos Vidigal, diretor de contrato das obras de implementação da Linha 4 do Metrô do Rio
Contato: atendimento.ccrb@ccrblinha4.com.br

Créditos Fotos: Divulgação/Metrô Linha 4

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo