Cimento Itambé

Portal Itambé
Ligue-nos

Em ano olímpico, obras já começam a subir no pódio

Gestão, Gestão de Obras 6 de janeiro de 2016

Jogos acontecem em agosto, na cidade do Rio de Janeiro, e instalações precisam ser entregues ao COI (Comitê Olímpico Internacional) até junho

Por: Altair Santos

O ano de 2016 chegou e, com ele, vêm as olimpíadas. O evento acontece de 5 a 21 de agosto, na cidade do Rio de Janeiro-RJ, e todas as obras precisam ser entregues ao COI (Comitê Olímpico Internacional) até junho. Algumas instalações, principalmente as que estão em construção no complexo olímpico da Barra da Tijuca, devem ser concluídas até março. O cronograma mais recente, divulgado no começo de janeiro de 2016, revela que as execuções estão entre 90% e 100% concluídas.

Parque olímpico: obras dentro do cronograma e previsão de que sejam entregues em dia

Parque olímpico: obras dentro do cronograma e previsão de que sejam entregues em dia

A partir de janeiro de 2016 uma série de competições-teste estão programadas. Na opinião dos engenheiros envolvidos, vai dar tempo – ainda que as obras de mobilidade urbana da cidade corram risco de só ficar prontas após os jogos. A principal delas é a Linha 4 do Metrô, ligando a Barra da Tijuca ao bairro de Ipanema. Das escavações, 83% estão concluídas, segundo relatório divulgado em 15 de dezembro pela secretaria estadual dos transportes do estado do Rio de Janeiro.

De acordo com o secretário Carlos Roberto Osório, faltam R$ 500 milhões para concluir a obra – dinheiro que deve ser liberado pelo BNDES. Mesmo assim, o governo do Rio de Janeiro mantém a data de inauguração da Linha 4 do Metrô para 1º de julho de 2016. A expectativa dos responsáveis pela obra é que o governo federal libere a verba em atraso a partir de março deste ano.

Quanto às obras para os jogos, o cronograma está em dia, com algumas exceções. Perto de 200 dias do início da Rio 2016, as obras do parque olímpico chegaram a 95% do plano de execução. No bairro de Deodoro, onde 11 modalidades serão disputadas, a principal instalação, a Arena da Juventude, está com 75% de seu cronograma executado. Tanto as instalações de Deodoro quanto as da Barra da Tijuca receberão também os jogos paralímpicos, de 7 a 18 de setembro.

Complexo de Deodoro: Arena da Juventude é a obra mais atrasada

Complexo de Deodoro: Arena da Juventude é a obra mais atrasada

A prefeitura da cidade e o governo do estado do Rio de Janeiro estimam que o volume de concreto usado nas instalações para os jogos ultrapasse um milhão de m³. O material tem sido mais empregado nas obras de mobilidade, já que os ginásios utilizam muitas estruturas metálicas, além de elementos pré-moldados de concreto.

Para dar conta da produção do material, três centrais atendem exclusivamente os complexos esportivos e as obras de mobilidade espalhadas pela cidade. A saber: linha 4 do metrô (120 mil m³), quatro linhas de BRT (Bus Rapid Transit) (70 mil m³), 28 quilômetros de VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) (23 mil m³) e recuperação e construção de 60 obras de arte (viadutos e pontes), além da abertura de três túneis e piscinões para prevenir enchentes.

As obras estão a cargo de cinco empreiteiras

Camargo Correa, através da CCR
– VLT do Porto (R$ 1,188 bilhão) e Transolímpica (R$ 1,806 bilhão).
Mendes Júnior
– Desvio do Rio Joana, para a contenção de enchentes na área do Maracanã (R$ 185,94 milhões).
OAS
– Parque de Deodoro (R$ 647,1 milhões), revitalização da região portuária (R$ 8,2 bilhões), construção de reservatórios contra enchentes (R$ 421 milhões) e limpeza das lagoas da Barra (R$ 673 milhões).
Odebrecht
– Parque Olímpico (R$ 1,678 bilhão), Vila dos Atletas (R$ 2,909 bilhões), construção do VLT do Porto (R$ 1,188 bilhão), Transolímpica (R$ 1,806 bilhão), duplicação do Elevado do Joá (R$ 459,88 milhões), saneamento da zona oeste do Rio (R$ 431 milhões), revitalização do porto (R$ 8,2 bilhões) e Linha 4 do metrô (R$ 8,890 bilhões).
Queiroz Galvão
– Parque de Deodoro (R$ 647,1 milhões), Linha 4 do Metrô (R$ 8,890 bilhões) e limpeza das Lagoas da Barra (R$ 673 milhões). (obras em conjunto com a OAS)

Olimpíadas também levam obras de infraestrutura para o Rio de Janeiro, como piscinões para combater enchentes

Olimpíadas também levam obras de infraestrutura para o Rio de Janeiro, como piscinões para combater enchentes

Entrevistados
Empresa Olímpica Rio 2016, Secretaria de Obras do Governo do Rio de Janeiro (SEOBRAS) e Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos (via assessoria de imprensa)
Contatos
imprensa@empresaolimpica.rio.rj.gov.br
imprensa@obras.rj.gov.br
pressroom@rio2016.com

Créditos fotos: Gabriel Heusi/Brasil2016.gov.br/Divulgação/Cidade Olímpica

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Leia também: