IPCA passa a indexar financiamento imobiliário

Índice que mede inflação oficial do país substitui a TR e estimula bancos privados a competirem com a Caixa

Escassez de recursos faz governo federal liberar verba a conta-gotas para o Minha Casa Minha Vida Crédito: Agência Brasil
Escassez de recursos faz governo federal liberar verba a conta-gotas para o Minha Casa Minha Vida
Crédito: Agência Brasil

Recentes medidas do governo federal para o crédito imobiliário mostram a predisposição de atrair os bancos privados e o mercado de capitais para o setor de construção habitacional que, historicamente, sempre foi subsidiado por recursos públicos. A decisão que mais evidencia essa tendência é a que passa a oferecer crédito imobiliário corrigido pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), o qual é usado para medir a taxa de inflação oficial do país. A mudança substitui a TR (Taxa Referencial) por um indexador mais atraente e capaz de estimular outros agentes financeiros a competirem com a Caixa Econômica Federal. O banco público responde atualmente por 70% dos financiamentos imobiliários no Brasil.

A nova linha traz taxa anual de 4,95% do valor financiado, mais a correção mensal da inflação, conforme o IPCA. Já a linha de financiamento tradicionalmente usada adota a correção da TR (0% atualmente) mais 9,75% ao ano do valor financiado. O modelo inédito já está disponível e terá prazo máximo de financiamento de 360 meses. O cliente poderá usar o FGTS e financiar até 80% do preço do imóvel, desde que não ultrapasse 1,5 milhão de reais. Significa que precisará ter pelo menos 20% do valor para dar de entrada. Para o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, a alternativa representa um avanço. “É uma redução do custo do crédito”, avalia.

Segundo Guimarães, o valor da prestação do financiamento imobiliário será reduzido sensivelmente. “Um imóvel de 300 mil reais, que hoje a pessoa começa pagando 3 mil reais de prestação, com a taxa de 4,95% baixará de R$ 3.168,00 para cerca de 2 mil reais”, diz. Porém, caso o mutuário não queira financiar com base no IPCA, temendo um aumento da inflação futura, ele poderá optar pela linha tradicional, ou seja, usando a TR como indexador. Para especialistas do mercado financeiro, a nova modalidade é interessante apenas se o objetivo do comprador for quitar a dívida em um prazo máximo de 10 anos. No caso de financiamentos longos, a tendência é que a operação fique mais cara se for usado o IPCA.

Para o Minha Casa Minha Vida, governo estuda novas medidas 

O governo federal também estuda alternativas para o Minha Casa Minha Vida, a fim de diminuir a dependência do programa de recursos do FGTS e da caderneta de poupança. Segundo recente reportagem do jornal Valor Econômico, uma delas seria a extinção de financiamento para as faixas 1 e 1,5, substituindo por uma modalidade chamada provisoriamente de “aluguel social”. No entender da equipe econômica, isso reduziria a inadimplência e permitiria que as famílias de baixa renda quitassem suas dívidas, tornando-se donas do imóvel apenas após um período de pagamento de “aluguel social”. 

Enquanto soluções definitivas não são anunciadas, paliativamente o ministério da Economia repassou ao ministério do Desenvolvimento Regional 443 milhões de reais para serem investidos no Minha Casa Minha Vida. A medida busca dar fôlego às construtoras que atuam no programa e já estavam sem recursos ou crédito para quitar os compromissos assumidos. Os atrasos de mais de 60 dias impactam cerca de 600 empresas em todo o país. Apesar da escassez de recursos, o governo mantém o plano de viabilizar 234 mil unidades em 2019.

Entrevistados
Caixa Econômica Federal e ministérios da Economia e do Desenvolvimento Regional (via assessoria de imprensa)

Contatos
impre​nsa@ca​ixa.gov.br
imprensa@economia.gov.br
imprensa@mdr.gov.br




Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo