Empregos na construção fecham 6º mês de saldo positivo

De abril a setembro de 2019, admissões superaram as demissões. Tendência deve se confirmar no 4º trimestre

Empregos na construção fecham 6º mês de saldo positivo

Empregos na construção fecham 6º mês de saldo positivo 1024 683 Cimento Itambé
Pelos números do CAGED, em 2019 a construção civil já criou 114,3 mil vagas formais e voltou a empregar diretamente mais de 2 milhões de pessoas no país Crédito: Marcello Casal/Agência Brasil

Pelos números do CAGED, em 2019 a construção civil já criou 114,3 mil vagas formais e voltou a empregar diretamente mais de 2 milhões de pessoas no país
Crédito: Marcello Casal/Agência Brasil

O Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) confirma que a indústria da construção civil consolida 6 meses consecutivos com saldo positivo em seu mercado de trabalho. Significa que de abril a setembro de 2019, as admissões superaram as demissões. A tendência de viés de alta deve se confirmar quando saírem os números de outubro do CAGED, o que acontece na metade de novembro. Porém, outros indicadores já certificam que o volume de emprego formal no setor seguirá em elevação, como aponta a mais recente Sondagem Indústria da Construção, monitorada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC).

O nível de oferta de emprego na construção civil é o maior desde novembro de 2013, diz o indicador da CNI/CBIC. “Mesmo caminhando a passos ainda lentos, o setor da construção já consegue gerar importantes vagas com carteira assinada no mercado de trabalho e dar mais dinamismo à economia nacional. Ainda falta muito para a construção retomar o patamar de anos anteriores, mas não se pode deixar de ressaltar a importância do fato de que o setor parou de piorar”, destaca a economista do Banco de Dados da CBIC, Ieda Vasconcelos. A Sondagem Indústria da Construção é realizada com 490 empresas do setor da construção, das quais 175 são de pequeno porte, 203 de médio e 112 de grande porte.

Construção civil está em 4º lugar entre os setores que mais empregam no Brasil

Pelos números do CAGED, em 2019 a construção civil já criou 114,3 mil vagas formais. Destaque para os canteiros de obras de edificações residenciais, que são as que mais têm contratado no setor. Em seguida, vem o segmento de geração e distribuição de energia elétrica e de telecomunicações. Com a série positiva, a construção civil volta a empregar diretamente mais de 2 milhões de pessoas no país, mas segue ainda longe do auge de sua empregabilidade, que ocorreu entre 2013 e 2014, quando chegou a ter 3,5 milhões de vagas ocupadas. Para o presidente da CBIC, José Carlos Martins, se houvesse a retomada de obras paralisadas poderiam ser criados mais de 400 mil empregos. 

Pelos cálculos da CBIC, com o investimento de 10 bilhões de reais via concessões (0,11% do PIB) seriam geradas 76 mil vagas diretas e 114 mil indiretas no setor de obras de infraestrutura. Ao mesmo tempo, com 40 bilhões de reais do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) – 0,45% do PIB – seriam criadas 305 mil vagas diretas no segmento da construção habitacional, totalizando 420 mil empregos formais. “A demanda atual do país é pela geração de empregos. Isso tem a ver com a construção civil, que é a locomotiva de empregos”, destaca Martins. 

Apesar do crescimento da oferta de vagas, a construção civil atualmente está em 4º lugar entre os que mais empregam no Brasil. O 1º é setor de serviços, seguido da indústria de transformação e do comércio.

Entrevistado
Reportagem com base nos dados mais recentes do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) e da Sondagem Indústria da Construção, monitorada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC)

Contatos
imprensa@mte.gov.br
ascom@cbic.org.br

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330

VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no Massa Cinzenta e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil