Após queda, déficit habitacional volta à casa de 6 milhões

Novo cenário econômico, combinando retomada do crescimento com queda acentuada dos juros, pode ajudar a reverter quadro

Em 2018, mercado aposta na retomada do programa Minha Casa Minha Vida para a faixa 1. 
Crédito: ministério das Cidades
Em 2018, mercado aposta na retomada do programa Minha Casa Minha Vida para a faixa 1. 
Crédito: ministério das Cidades

Entre 2007 e 2012, o déficit habitacional brasileiro teve a queda mais acentuada de sua história. Em cinco anos, reduziu 6,27%, baixando de 5,59 milhões de residências para 5,24 milhões. No entanto, a crise econômica que tomou o país entre 2014 e 2017 fez recrudescer o déficit, que voltou ao patamar de 6 milhões de habitações.

Dados da Fundação João Pinheiro revelam que o déficit habitacional atual no Brasil é de 6,1 milhões de domicílios. Segundo o estudo desenvolvido em parceria com o ministério das Cidades, Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), por meio do Programa Habitar/Brasil/BID, os fatores para o crescimento do déficit foram a desaceleração da economia, o elevado número de desempregados, a alta nas taxas de juros e a restrição ao crédito.

A mesma análise avalia que o novo cenário econômico, combinando retomada do crescimento com queda acentuada dos juros, pode ajudar a reverter o quadro. Principalmente, nos segmentos contemplados pelo programa Minha Casa Minha Vida (MCMV). Atualmente, a faixa 1, com renda mensal de até R$ 1,8 mil, paga juros entre 5% e 9,16% ao ano. Com a redução da taxa Selic, o estudo estima que as mensalidades tendem a baixar, estimulando as famílias a aderirem ao MCMV.

Em 2017, segundo dados do ministério das Cidades, o Minha Casa Minha Vida atendeu 320 mil famílias em 337 municípios do país, com investimento de R$ 6,31 bilhões. Para 2018, o estudo da Fundação João Pinheiro estima que o volume de recursos destinado às habitações de interesse social possa crescer 10%. Há também a expectativa de que caia a retomada de imóveis em função do não-pagamento de prestações de financiamento. Entre 2015 e 2016, a Caixa Econômica Federal conseguiu reaver 26 mil casas, que depois foram colocadas em leilão.

Mercado aposta no protagonismo da faixa popular

O estudo finaliza a análise com a seguinte avaliação: “Há uma previsão cristalizada entre os economistas e as entidades do segmento de que o ano de 2018 será mais positivo do que o anterior. A retomada do crescimento da economia é um dado positivo que reverterá o quadro observado em boa parte do ano passado.”

Pedro de Seixas, pesquisador da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e especialista em negócios imobiliários, diz que “o protagonismo da faixa popular” na recuperação do mercado imobiliário acontece, sobretudo, por causa do crédito. “Reflexo dessa evidência é que, numa comparação entre onze empresas incorporadoras focadas no mercado popular, elas foram responsáveis por 2/3 dos lançamentos e vendas no terceiro trimestre de 2017”, diz.

Ainda de acordo com o relatório da Fundação João Pinheiro, mesmo as incertezas quanto à aprovação das reformas pelo Congresso podem não ter peso relevante, pois com a atual configuração política os mercados já teriam precificado um possível insucesso. “Dessa forma, a possibilidade de nada acontecer não provocará abalos na economia capazes de reverter uma tendência positiva no mercado imobiliário”, conclui.

Veja o estudo completo da Fundação João Pinheiro

Entrevistado
Reportagem com base no relatório da Fundação João Pinheiro sobre o déficit habitacional brasileiro (
via assessoria de imprensa)

Contato: secretaria.geral@fjp.mg.gov.br 

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo