Construção industrializada elege os melhores de 2019

Nas categorias edificações, infraestrutura e pequenas obras, projetos tiveram em comum o uso da plataforma BIM

Royce Connect III: desafio foi atender a arquitetura do prédio administrativo, que possui curvas na fachada e varandas em balanços.
 Crédito: Fator Vital
Royce Connect III: desafio foi atender a arquitetura do prédio administrativo, que possui curvas na fachada e varandas em balanços.

Crédito: Fator Vital

Em sua 9ª edição, o prêmio Obra do Ano em Pré-Fabricados de Concreto, promovido pela Abcic (Associação Brasileira da Construção Industrializada de Concreto) desde 2011, contemplou as seguintes construções: Royce Connect III, em Santo André-SP, na categoria edificações; Arena Petry, em São José-SC, na categoria infraestrutura, e a sede da Igreja Batista no bairro Morumbi, em São Paulo-SP, na categoria pequenas obras.   

O Royce Connect III tem 43.277 m² de área construída e trata-se de um galpão para armazenamento e um edifício administrativo multipavimentos. As edificações utilizaram as seguintes estruturas pré-fabricadas de concreto: vigas, pilares, lajes alveolares, painéis arquitetônicos de fachada não-estruturais, escadas e contenções. O maior desafio foi atender a arquitetura do prédio administrativo, que possui curvas na fachada e varandas em balanços.

Todo o projeto foi concebido dentro de uma plataforma BIM, que possibilitou a verificação minuciosa tanto por parte do arquiteto Fabio Vital (Fabio Vital Arquitetura) quanto do engenheiro-projetista Flavio Isaia (IGA Engenharia e Consultoria). As peças pré-fabricadas foram fornecidas pela Leonardi Construção Industrializada, com volume estimado de concreto de 10 mil m3.

Arena Petry, em Santa Catarina, consumiu 6.179,44 m³ de concreto pré-fabricado. Crédito: PROAÇO
Arena Petry, em Santa Catarina, consumiu 6.179,44 m³ de concreto pré-fabricado.
Crédito: PROAÇO

A Arena Petry, em Santa Catarina, é um complexo de eventos com 23 mil m2 de área construída e capacidade para receber 17,5 mil pessoas. Além disso, possui o maior palco indoor do Brasil, com 540 m². A obra utilizou estruturas pré-moldadas de concreto nos blocos de fundações, pilares, cortinas de contenção, vigas de transição, vigas-pórtico, painéis de fechamento e lajes alveolares. A plataforma BIM também foi utilizada para conciliar o projeto arquitetônico de Luiz Octavio Almeida de Oliveira (Topsolo) com o projeto estrutural de Fernando Pirani Faustino (Proaço Indústria Metalúrgica). A obra consumiu 6.179,44 m³ de concreto.

Igreja em área de preservação da Mata Atlântica teve estrutura montada em 40 dias

Já a Igreja Batista do Morumbi teve projeto arquitetônico de Felipe Aflalo (Aflalo & Gasperini Arquitetos). A industrialização permitiu que a montagem da estrutura ocorresse em 40 dias. O projeto estrutural ficou a cargo do engenheiro Marcelo Cuadrado Marin, da Leonardi, fabricante que forneceu pilares, vigas, lajes alveolares e painéis arquitetônicos de fachada não-estruturais para a obra.

Igreja Batista do Morumbi, em São Paulo-SP: corpo principal da estrutura está sustentado em quatro pilares e o restante em quatro vigas protendidas. Crédito: Abcic
Igreja Batista do Morumbi, em São Paulo-SP: corpo principal da estrutura está sustentado em quatro pilares e o restante em quatro vigas protendidas.
Crédito: Abcic

O terreno onde foi construída a edificação está envolto por áreas de preservação da Mata Atlântica. Dessa maneira, para que a fundação não agredisse as raízes das árvores, houve a obrigatoriedade de sustentar o corpo principal da estrutura em quatro pilares e o restante em quatro vigas protendidas, para que sustentassem lajes e painéis.

A menção honrosa foi para seis praças de pedágio nas rodovias SP 255 e SP 318, no estado de São Paulo. As obras consumiram estruturas pré-fabricadas compostas de pilares, vigas calhas, lajes, telhas W-37, cabines para cobrança de pedágio (simples e duplas) e barreiras de proteção, além de pavimento rígido e os respectivos prédios de administração e salas de geradores das praças.

Entrevistado
Abcic (Associação Brasileira da Construção Industrializada de Concreto)

Contato
abcic@abcic.org.br

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330



Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo