Concreto urbano ganha mais um adversário: a pichação

Produtos como vernizes e ceras têm sido largamente utilizados em obras públicas, para que elas fiquem protegidas das ações dos vândalos.

Produtos como vernizes e ceras têm sido largamente utilizados em obras públicas, para que elas fiquem protegidas das ações dos vândalos

Por: Altair Santos

Há pelo menos uma década, as grandes metrópoles brasileiras convivem com o mal da pichação. Para combater o ataque às fachadas das edificações, o poder público se vale de campanhas educativas e da aplicação da lei federal, a qual determina que é proibida a venda de sprays para menores de idade. O comerciante que infringi-la recebe multa de R$ 1.785,50 na primeira advertência e R$ 3.571,00 na reincidência. Numa terceira autuação, além da multa, o alvará do estabelecimento é cassado. Além disso, a legislação de crimes contra o meio ambiente impõe ao infrator, caso ele seja adulto, multa administrativa de R$ 710,20 e abertura de processo criminal.

Ariovaldo José Torelli, presidente do IBI: tinta da pichação penetra porosidade do concreto e material dificilmente é recuperado.

Leis à parte, a tecnologia tem se mostrado mais eficiente no combate às pichações, principalmente quando os ataques são feitos ao concreto aparente. Vernizes e ceras importadas impedem que a tinta penetre nos poros do material e permitem livrar as obras da ação de vândalos. “O concreto rígido é poroso e absorve a tinta da pichação, que o marca profundamente. Para recuperá-lo é difícil. Tem que lixar com profundidade e desbastar o concreto aparente para remover completamente a pichação. A recuperação nunca fica cem por cento, se não houver proteção”, afirma Ariovaldo José Torelli, presidente do Instituto Brasileiro de Impermeabilização (IBI).

O especialista explica que a maioria dos protetores antipichação vendidos no Brasil ou são vernizes ou ceras. “Normalmente são vernizes de poliuretano, que resistem à lavagem da pichação com solvente. Mas tem outra tecnologia chegando no Brasil, que são as ceras. Elas protegem o concreto e permitem que a pichação seja lavada com água quente. Só que depois é preciso que a cera seja novamente aplicada. A vantagem é que a cera é ecológica, pois ela dispensa o solvente, que é usado para remover as pichações em cima do verniz“, diz José Torelli.

Em 2010, nem o Cristo Redentor, durante as reformas, foi poupado dos pichadores.

O presidente do Instituto Brasileiro de Impermeabilização afirma que na cidade de São Paulo todas as grandes obras hoje estão protegidas por vernizes. “Estações de metrô, pontes estaiadas e obras em praças públicas estão todas impermeabilizadas. Nos estádios que irão sediar jogos da Copa a mesma tecnologia tem sido empregada”, revela, lembrando que os produtos são todos importados, pois o Brasil ainda não detém tecnologia para fabricar vernizes e ceras antipichação. “Agora, é importante ressaltar que esses produtos podem ser usados também para proteger o concreto de agentes climáticos e da poluição”, complementa.
Outras alternativas

Contra pichações também há cerâmicas e folhas e alumínio especiais para serem aplicadas em fachadas de edifícios e lojas, que garantem serem imunes ao vandalismo. No Brasil, existe a cerâmica Quasar, fabricada pela Ceusa, que recebe uma camada de esmalte para reduzir a porosidade da cerâmica, impedindo, assim, a fixação das tintas na superfície. Para remover a pichação, basta passar um pano com álcool ou lavar com água e sabão. O Wallcap – revestimento de alumínio da Alcan Alumínio do Brasil – é outro produto que fica limpo da pichação aplicando um pano embebido em álcool. O produto é vendido em chapas para fachadas ou paredes internas.

Entrevistado
Ariovaldo José Torelli, presidente do Instituto Brasileiro de Impermeabilização
Currículo
Ariovaldo José Torelli é graduado em engenharia civil. Ocupa o cargo de diretor-executivo da Viapol – empresa voltada ao desenvolvimento de soluções para a construção civil vinculadas à impermeabilização
Contato: torelli@viapol.com.br
Créditos fotos: Divulgação / Prefeitura do Rio de Janeiro

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo