Concreto sustentável promete mudar o mobiliário urbano

Produto usa agregados de escória de alto-forno para fabricar artefatos para pavimentos leves, calçadas, guias, grelhas e sarjetas

Nos testes laboratoriais, o concreto sustentável teve grande variação de resistência. Por isso, não atende requisitos para elementos estruturais. Crédito: Divulgação
Nos testes laboratoriais, o concreto sustentável teve grande variação de resistência. Por isso, não atende requisitos para elementos estruturais. Crédito: Divulgação

O Instituto de Arquitetura e Urbanismo (IAU-USP), vinculado ao campus da USP em São Carlos-SP, desenvolveu um concreto que pode transformar o mercado de artefatos de cimento não-estruturais. O material substitui 70% da areia natural por areia de fundição aglomerada com argila e 100% da brita por escória de aciaria de alto-forno das siderúrgicas e fundições (detrito que sobra da fabricação do aço). A vantagem do processo é ambiental, pois resíduos sólidos industriais voltam para a cadeia produtiva misturados ao concreto em vez de serem descartados em aterros.

Em parceria com a Escola de Engenharia da USP de São Carlos (EESC), o estudo desenvolvido no Instituto de Arquitetura e Urbanismo tem à frente o professor-doutor Javier Mazariegos Pablos, que desde 2012 busca aprimorar o que ele batizou de “concreto sustentável”. “O principal benefício do material é evitar o descarte inadequado de resíduos sólidos industriais”, defende. Agora, o desafio é conseguir dar escala à matéria-prima, para que o produto possa despertar o interesse do mercado.

Isso depende de uma logística competitiva para transportar a escória até fabricantes de artefatos de cimento. Outra questão envolve classificar a areia de fundição e a escória, para separar elementos nocivos à saúde e ao meio ambiente. Se for considerada nociva, é descartada; se não contiver itens perigosos, será misturada ao concreto. Para conseguir a certificação, devem ser realizados ensaios rigorosos, de acordo com as normas técnicas da ABNT, para garantir que nenhum resíduo que ofereça risco possa vir a ser agregado à matéria-prima.

Para siderurgia, agregar escória ao concreto é mais barato que descarte em aterro

No entender dos pesquisadores, a própria indústria siderúrgica poderia ser incentivadora do concreto sustentável, pois para ela custa mais caro o descarte em aterros credenciados que disponibilizar logística e recursos para incrementar a pesquisa do concreto sustentável. Para transportar o resíduo a locais adequados para o armazenamento custa mais 200 reais a tonelada, enquanto transformar a escória em produto adequado para o uso em artefatos de cimento custa menos da metade deste valor.

O concreto sustentável é não-estrutural, ou seja, não pode ser usado para a construção de fundações, lajes, pilares e vigas. Seu uso atende a pavimentação para veículos leves, calçadas e contrapisos. Com o material, é possível fabricar blocos intertravados, guias, grelhas, sarjetas e blocos para alvenaria de vedação, por exemplo. Nos testes realizados no IAU-USP, os elementos atingiram resistência de 11 MPa a 52 MPa, dependendo das características das escórias misturadas no concreto.

A pesquisa foi transformada em tese, denominada “Estudo para a reciclagem do resíduo sólido gerado pelas areias de fundição na construção civil”. A análise é assinada por Javier Mazariegos Pablos e Eduvaldo Sichieri, professor da escola de engenharia da Universidade de São Carlos. O documento destaca a necessidade de usar Cimento Portland para se obter a “estabilização dos resíduos”. As composições que obtiveram os melhores desempenhos mecânico, físico e químico foram utilizados na confecção dos artefatos testados na pesquisa.

Acesse a íntegra da pesquisa. Clique aqui.

Entrevistado
Reportagem com base na pesquisa “Estudo para a reciclagem do resíduo sólido gerado pelas areias de fundição na construção civil”, coordenada pelos professores Javier Mazariegos Pablos e Eduvaldo Sichieri, da IAU-USP e da EESC-USP

Contatos
javierpablos@usp.br
sichieri@sc.usp.br

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo