Com pavimento rígido, Rapidão de Floripa está atrasado

Importante projeto de mobilidade urbana para a capital de Santa Catarina aguarda novo consórcio para que obras sejam retomadas

Importante projeto de mobilidade urbana para a capital de Santa Catarina aguarda novo consórcio para que obras sejam retomadas

Projeção mostra vias exclusivas para a circulação do Rapidão, em Florianópolis.
Projeção mostra vias exclusivas para a circulação do Rapidão, em Florianópolis.

Os problemas de mobilidade urbana em Florianópolis-SC são conhecidos. Pesquisa da Universidade de Brasília (UnB), em 2015, mostrou que a metrópole catarinense tem o pior sistema viário entre as 27 capitais brasileiras. Por isso, a prefeitura da capital de Santa Catarina lançou um ousado projeto de BRT (Bus Rapid Transit) de 17 quilômetros ao longo do chamado anel central da ilha. O plano foi apresentado primeiramente em 2011 e prevê três vias interligadas: centro-UFSC, centro-continente e centro-aeroporto. Batizado de Rapidão, o sistema vai circular sobre pavimento de concreto.

Em função das características do solo de Florianópolis, e por causa dos cruzamentos com vias em pavimento flexível (asfalto), a tecnologia empregada na maior parte do trajeto será o de concreto com barras de transferência. Isso proporciona risco menor de rupturas nas faixas de transição. Em alguns trechos também serão usados pavimentos rígidos estruturalmente armados. As variáveis levaram o consórcio vencedor a pedir um aditivo de R$ 3,2 milhões para readequar o projeto, o que fez com que a prefeitura de Florianópolis rompesse o contrato de comum acordo.

Alguns trechos do BRT de Florianópolis receberão pavimento de concreto armado.
Alguns trechos do BRT de Florianópolis receberão pavimento de concreto armado.

O investimento total para a construção do Rapidão é de R$ 162 milhões. Com a decisão da prefeitura, o cronograma, que já estava atrasado, vai demorar ainda mais para ser concluído. Até agora, dos 17 quilômetros, apenas 300 metros foram executados. Eles estão próximos à Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).  Outros 200 metros, perto do trevo Dona Benta, estão parcialmente concluídos. Com a saída do consórcio, as obras foram desativadas no final de 2017 e devem ser retomadas no primeiro trimestre de 2018, quando for definido o novo grupo responsável pela execução do empreendimento.

Plano nasceu na UFSC

A prefeitura de Florianópolis não abre mão do pavimento rígido com comprovada duração mínima de 20 anos sem precisar de manutenção. Fora essa convicção, o projeto do Rapidão já sofreu alterações que incluem o trajeto, o modelo das plataformas de embarque e desembarque e o sistema de semáforos sincronizados que permitirá ao BRT ter a preferência no tráfego.  Lançado em 2011, o Rapidão era para ter sido entregue à população de Florianópolis no final de 2017. Agora, as previsões mais otimistas estendem a inauguração para 2020.

Mapa revela trajeto a ser percorrido pelo BRT na Ilha de Florianópolis, ao longo de 17 quilômetros.
Mapa revela trajeto a ser percorrido pelo BRT na Ilha de Florianópolis, ao longo de 17 quilômetros.

O projeto do BRT de Florianópolis nasceu de um plano desenvolvido no departamento de engenharia civil da UFSC, chamado de PLAMUS (Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis). O objetivo é interligar os 13 municípios que compõem a região metropolitana da capital catarinense, através de vias exclusivas para ônibus. O PLAMUS abrange 57 quilômetros, incluindo a urbanização da BR-101, que hoje cruza a parte continental de Florianópolis. Também engloba um sistema inteligente de controle do tráfego de veículos nas principais avenidas da cidade. Antes, porém, é preciso viabilizar a conclusão do Rapidão.

Entrevistados
Prefeitura de Florianópolis
(via assessoria de imprensa)
Departamento de engenharia civil da UFSC
(via assessoria de imprensa)

Contato
ascom@pmf.sc.gov.br
ecv@contato.ufsc.br

Crédito Fotos: Prefeitura de Florianópolis

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo