Caixa passa a financiar mão de obra para reformas

Contratação pode ser feita através do Construcard, que oferece financiamento para compra de materiais e serviços

Caixa passa a financiar mão de obra para reformas

Caixa passa a financiar mão de obra para reformas 1024 682 Cimento Itambé
Construcard

Desde setembro de 2018, o Construcard permite comprar material de construção e contratar mão de obra. Crédito: Divulgação

Lançado em 2016 pela Caixa Econômica Federal, o Construcard agora passa a contemplar o financiamento de mão de obra para reformas. A proposta já fazia parte do plano inicial, mas apenas em setembro de 2018 foi liberada a linha de crédito para essa modalidade. A mão de obra poderá ser contratada junto com a compra dos materiais de construção na loja associada do programa ou separadamente, desde que o prestador de serviço esteja cadastrado no programa. Para esse tipo de financiamento, a Caixa vai aplicar mais R$ 1 bilhão no Construcard.

A vantagem são as taxas de juros, que partem de 1,69% ao ano até o limite da taxa Selic, dependendo do valor e da renda familiar de quem está contraindo o empréstimo. O cliente que solicita o financiamento tem o prazo de dois a seis meses para comprar ou contratar um serviço nos estabelecimentos conveniados. Neste período, ele paga somente os juros proporcionais aos valores utilizados. O prazo para quitação da dívida é de até 240 meses e as prestações são debitadas diretamente na conta corrente de quem adquire o empréstimo. 

O Construcard pode ser feito por pessoas físicas, correntistas da Caixa Econômica Federal e maiores de 18 anos ou emancipadas. Além disso, é necessário que a pessoa seja aprovada nas avaliações de crédito. O cartão pode ser utilizado em mais de 85 mil lojas credenciadas com a Caixa. Nesta modalidade, não é possível utilizar o FGTS para quitar o financiamento do Construcard.

A ideia de abrir empréstimo na Caixa para a contratação de mão de obra veio depois que gerentes das agências do banco passaram a visitar lojas de material de construção para que aumentasse a adesão ao Construcard. Uma das sugestões foi a que a mão de obra estivesse incluída no pacote. A inclusão foi reforçada pela participação do sistema Anamaco/Fecomac/Acomac junto à Caixa. “O esforço em dar novo fôlego ao Construcard só ressalta a importância do nosso setor no círculo virtuoso da economia”, destaca o presidente da Anamaco (Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção), Cláudio Elias Conz.

Varejo de material de construção comemora crescimento em 2018

Por conta desse impulso, o varejo de material de construção cresceu 5% no mês de novembro de 2018, na comparação com outubro de 2018. Com relação ao mesmo período do ano passado, o desempenho foi 2% superior. Já no acumulado do ano, o setor apresenta alta de 6,5% sobre o mesmo período de 2017. Nos últimos 12 meses, houve crescimento de 7,5%. Os dados são da pesquisa tracking mensal da Anamaco. Segundo o levantamento, quase todas as regiões do país apresentaram crescimento, com destaque para o sul (9%), nordeste (8%), norte (5%) e sudeste (4%). O centro-oeste destoou e teve queda de 10% em novembro.

Para o presidente da Anamaco, a consolidação do Construcard como programa de financiamento de material de construção e de serviços dependerá da ação das Acomacs, que reúnem os comerciantes de material de construção em todo o país. “As Acomacs devem se aproximar dos gerentes das agências da Caixa e estreitar o relacionamento, para que dê frutos positivos”, finaliza Conz.

Entrevistado
Caixa Econômica Federal e Anamaco (Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção)
(via assessoria de imprensa)

Contatos
impre​nsa@ca​ixa.gov.br
press@anamaco.com.br

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330
13 de dezembro de 2018

VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no Massa Cinzenta e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil