Abramat e Anamaco apostam no Construcard para 2017

Assinatura do novo modelo do Construcard, em Brasília: programa é visto como alavanca do setor, para voltar a crescer

Abramat e Anamaco apostam no Construcard para 2017

Abramat e Anamaco apostam no Construcard para 2017 700 459 Cimento Itambé

Parceria com a Caixa Econômica Federal vai permitir injeção de R$ 7 bilhões no setor da construção civil, podendo gerar mais de 100 mil empregos

Por: Altair Santos

Para Abramat e Anamaco, 2016 foi mais um ano perdido, assim como já havia sido 2015. Começando a fechar o balanço, o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat), Walter Cover, faz projeção de que a queda de vendas do setor, neste ano, deve fechar em 12%. Na Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco), os números também não são nada otimistas. Se em 2015 a queda fechou em 5,8%, para 2016 a expectativa é de 8% negativo. Os dois organismos, no entanto, apostam em nova parceria com a Caixa Econômica Federal – através do Construcard – para alavancar as vendas em 2017.

Assinatura do novo modelo do Construcard, em Brasília: programa é visto como alavanca do setor, para voltar a crescer

Assinatura do novo modelo do Construcard, em Brasília: programa é visto como alavanca do setor, para voltar a crescer

A ferramenta é uma linha de crédito para o mercado de reforma de imóveis e pequenas construções. “Este setor representa mais de 50% das vendas dos materiais de construção. Além disso, o Construcard trará benefícios complementares, como combate à sonegação fiscal, melhor controle na conformidade técnica dos materiais de construção e geração de empregos. Esta parceria também gera um elemento de confiança no setor, neste momento de estresse da economia brasileira”, ressalta Walter Cover, complementado por Cláudio Elias Conz, presidente da Anamaco. “Para cada R$ 1 bilhão que for investido pelo Construcard serão gerados 15 mil empregos diretos na cadeia produtiva da construção civil”, cita, calculando a abertura de 105 mil vagas.

A nova linha de crédito aberta pela Caixa Econômica Federal para o Construcard é de R$ 7 bilhões. “Já existem 400 mil clientes pré-cadastrados no programa e cada um reivindica um empréstimo mínimo de R$ 30 mil, podendo parcelar em até 240 vezes. Mas para o lojista, a vantagem é que o dinheiro é creditado como compra à vista e o Construcard libera esses recursos em até 48 horas”, explica o presidente da Caixa, Gilberto Occhi. A expectativa é de que, das 140 mil lojas de material de construção que operam no país, 100 mil possam aderir ao Construcard. A nova linha de crédito entrou em operação no dia 24 de novembro de 2016. “Como disse, é uma dose de confiança grande para o setor”, reafirma Walter Cover.

Pequenos construtores
No lançamento do programa, Gilberto Occhi deixou claro que a Caixa Econômica Federal pode alavancar a linha de crédito, liberando mais recursos, desde que haja demanda. Abramat e Anamaco também apresentaram uma proposta ao governo federal para que possa reformar os mais de 700 mil prédios públicos espalhados pelo país – segundo levantamento do ministério das Cidades -, a fim de torná-los sustentáveis, sob o ponto de vista do uso racional de água e energia elétrica. “O retorno deste investimento, em termos de economia de consumo de água e de energia, se dá em menos de um ano. Então, sugerimos que a Caixa dê um Construcard para o governo também poder viabilizar essas reformas”, diz Cláudio Conz.

A expectativa dos dois representantes de setores da construção civil (Abramat e Anamaco) é de que os grandes beneficiados pelo Construcard possam ser as pequenas construtoras. Este segmento sofreu uma queda grande de produtividade, a partir do momento em que o programa Minha Casa, Minha Vida reduziu sensivelmente os investimentos. “O importante é que estamos construindo uma agenda positiva para 2017”, destaca Conz. De acordo com estudo da Abramat e da Anamaco, sete obstáculos têm afetado o crescimento da construção civil no país. São eles: juros altos, custos empresariais elevados, endividamento das famílias, baixo investimento governamental, desemprego, queda na renda do assalariado e consumidor receoso. “Precisamos superar essas barreiras”, finaliza Walter Cover.

Entrevistados
Walter Cover, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat)
Cláudio Elias Conz, Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco)
Gilberto Occhi, presidente da caixa Econômica Federal

Contatos
abramat@abramat.org.br
presidencia@anamaco.com.br
imprensa@caixa.gov.br

Crédito Foto: Ana Nascimento/CEF

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330
VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil