Brasil precisaria investir R$ 682 bi em obras, por ano

Números apresentados no 12º ConstruBusiness envolvem volume total de empreendimentos e estão em recente estudo elaborado pela Fiesp

Números apresentados no 12º ConstruBusiness envolvem volume total de empreendimentos e estão em recente estudo elaborado pela Fiesp

Por: Altair Santos

Para recuperar as perdas acumuladas entre 2014 e 2016, o Brasil precisaria, a partir de 2017, investir o valor anual de R$ 682,2 bilhões em obras. Esses recursos devem ser contínuos até, pelos menos, 2022. Os dados fazem parte do caderno técnico apresentado no 12º ConstruBusiness, que ocorreu dia 5 de dezembro na sede da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo).

Carlos Eduardo Auricchio, diretor titular do Deconcic: sem investimento, impacto sobre competitividade do país é enorme
Carlos Eduardo Auricchio, diretor titular do Deconcic: sem investimento, impacto sobre competitividade do país é enorme

Elaborado pelo Departamento da Indústria da Construção da Fiesp (Deconcic), o documento traz uma análise da cadeia produtiva, focando em investimentos para infraestrutura econômica (energia, transportes e telecomunicações) e desenvolvimento urbano (habitação, mobilidade urbana e saneamento). O relatório revela ainda o impacto da crise econômica no setor da construção civil.

Em termos reais, entre 2014 e 2016, o país deixou de investir 20,1% em obras. A queda esperada para este ano é de 5,4%. Em 2015, as construções no país absorveram R$ 626,1 bilhões. Para 2016, estima-se um investimento de R$ 592 bilhões. Segundo Carlos Eduardo Auricchio, diretor do Deconcic , o impacto disso sobre a competitividade do país é enorme. “É preciso retomar obras, para resgatar, principalmente, a geração de empregos”, disse.

Atualmente, a cadeia produtiva da construção civil reúne cerca de 6,2 milhões de trabalhadores com carteira assinada, o que representa 13,4% da força de trabalho no país. Para o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, esses dados mostram o quanto é urgente a retomada dos investimentos em infraestrutura. “Esse é o momento para que façamos, de fato, as reformas tão necessárias para o bem do país, a fim de retomar o crescimento, que é do que o Brasil mais precisa”, destacou, durante sua fala no 12º ConstruBusiness.

Habitação: maior demanda
Dividindo por áreas, o segmento de transportes (rodovias, ferrovias, portos e aeroportos) precisa de investimento anual na ordem de R$ 68 bilhões para viabilizar suas obras. Além disso, são necessários R$ 17,5 bilhões para a expansão do sistema de geração, transmissão e distribuição de eletricidade e R$ 20,6 bilhões para projetos de exploração, produção e distribuição de petróleo e gás. O setor de telecomunicações exigiria R$ 7,7 bilhões. Assim, o total de investimentos necessários em infraestrutura econômica é de R$ 114,1 bilhões por ano, no período de 2017 a 2022.

Na área habitacional, o investimento anual carece de R$ 205,5 bilhões para novas moradias e outros R$ 155,4 bilhões para reformas, ampliações e construção de edificações comerciais. “Para atender as novas famílias, eliminar a precariedade e reduzir a coabitação, será necessária a construção de 8,8 milhões de moradias, cerca de 1,5 milhão por ano, até 2022”, destaca Auricchio.

No campo da mobilidade urbana, o documento da Fiesp apresentado no 12º ConstruBusiness mostra que é preciso injetar R$ 13,4 bilhões anuais para projetos em metrôs e trens, enquanto R$ 13,1 bilhões deveriam ir para saneamento básico. O total de investimentos necessários para a área de desenvolvimento urbano é de R$ 207,2 bilhões por ano, também no período 2017-2020.

Entrevistado
Reportagem com base nos dados apresentados no 12º ConstruBusiness

Contato
deconcic@fiesp.ind.br

Crédito Foto: Divulgação/Fiesp

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo