Até 2022, Brasil precisa destravar R$ 744 bi em obras

Estudo mostra volume de recursos que poderia movimentar a infraestrutura nacional, mas encontra-se parado por causa de erros estratégicos

Estudo mostra volume de recursos que poderia movimentar a infraestrutura nacional, mas encontra-se parado por causa de erros estratégicos

Por: Altair Santos

Se todos os projetos e intenções de obras de infraestrutura estivessem viabilizados no Brasil, até 2022 o país receberia investimento na ordem de R$ 744,5 bilhões. Destravar esses recursos é o grande desafio para os próximos quatro anos e meio, como mostra estudo da consultoria Neoway – especialista em bigdata e pesquisa de mercado da construção civil.

Cristina Della Penna: números revelam potencial do investimento em infraestrutura no Brasil
Cristina Della Penna: números revelam potencial do investimento em infraestrutura no Brasil

Segundo a engenheira civil Cristina Della Penna, que é diretora da empresa e palestrou recentemente no Sobratema Summit 2017, os dados mostram o potencial de contribuição que as obras de infraestrutura podem dar à economia do país, desde que elas efetivamente saiam do papel. “Isso passa por estabilidade institucional e segurança jurídica regulatória”, diz Della Penna.

Atualmente, de acordo com o estudo da Neoway – do potencial de R$ 744,5 bilhões -, R$ 132,2 bilhões estão, de fato, investidos em obras de infraestrutura no Brasil. Boa parte destes recursos veio do Programa de Investimentos em Logística (PIL), criado em 2012 e que prometia recursos para rodovias, ferrovias, hidrovias, portos e aeroportos.

Porém, hoje a situação do PIL é de indefinição, ou seja, dos R$ 132,2 bilhões alocados, 22,4% foram para obras que se encontram paralisadas. A maior retração se deu em projetos voltados para a logística na área de óleo e gás, com o abandono de 94,3% das obras previstas. “Essa é a primeira vez, desde que iniciamos esse levantamento, em 2009, que o setor de óleo e gás não lidera o volume de obras no Brasil”, revela Cristina Della Penna.

Transporte, energia e saneamento

Trecho da ferrovia Norte-Sul, em Santa Helena de Goiás-GO: exemplo de obra inacabada
Trecho da ferrovia Norte-Sul, em Santa Helena de Goiás-GO: exemplo de obra inacabada

Dos R$ 132,2 bilhões que estão circulando em obras de infraestrutura no Brasil, R$ 53,2 destinam-se a projetos relacionados a transporte e mobilidade urbana. Outros R$ 35 bilhões foram canalizados para investimentos em indústrias, R$ 32,1 bilhões para o setor de energia, R$ 6,2 bilhões para óleo e gás, R$ 5,6 bilhões para saneamento e R$ 100 milhões para outros tipos de investimentos.

Para fazer com que a construção civil se transforme na locomotiva do crescimento sustentável no Brasil, será preciso destravar R$ 612,3 bilhões até 2022. Deste volume de recursos, R$ 412,5 bilhões se encontram parados em projetos e intenções de projetos sem data para iniciar até 2022. Já R$ 199,8 bilhões estão parados em projetos e intenções de projetos sem data para iniciar até 2018.

O aspecto positivo, aponta Cristina Della Penna, é que surgem maiores possibilidades de diálogo do governo com o setor privado. “Isso mostra uma mudança no investimento em infraestrutura que pode ser vantajosa para o setor privado”, avalia. No entanto, a especialista alerta que há outros passos importantes a serem dados. Entre eles, intensificar Parcerias Público-Privadas (PPPs), descartar projetos com baixa probabilidade de conclusão, aumentar o foco em concessões e tornar os processos licitatórios mais organizados.

De acordo com o estudo, os setores de transporte, energia e saneamento básico são os que mais despertam interesse de investidores. No transporte, destacam-se as ferrovias (29,3% de intenção de investir). Em energia, a prioridade é para parques eólicos, linhas de transmissão e UTEs (Usinas Termelétricas de Energia), com 68% de intenção de investir. Já em saneamento, abastecimento e esgoto são as obras mais relevantes (24,7% de intenção de investir).

Entrevistada
Engenheira civil Cristina Della Penna, diretora da frente de negócios para construção civil da Neoway

Contato
ddb@neoway.com.br
www.neoway.com.br

Crédito Fotos: Cia de Cimento Itambé e Valec

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo