Até 2014, mercado da construção dobrará faturamento

Em 2009, setor vendeu R$ 55 bilhões. No ano que vem, pesquisa aponta que chegará a R$ 104 bilhões, graças à pulverização do comércio de pequeno e médio porte.

Em 2009, setor vendeu R$ 55 bilhões. No ano que vem, pesquisa aponta que chegará a R$ 104 bilhões, graças à pulverização do comércio de pequeno e médio porte

Por: Altair Santos

Até o ano que vem, o mercado de material de construção terá duplicado seu faturamento no Brasil, considerando o período 2009-2014. Há cinco anos, o setor movimentou R$ 55 bilhões. A expectativa é que esse valor chegue a R$ 104,4 bilhões no final do próximo ano. Os dados fazem parte do estudo “Momento e Tendências do Varejo de Materiais de Construção“, realizado pela GS&MD – Gouvêa de Souza, que entrevistou 1.200 consumidores que estavam construindo e 1.200 que estavam reformando seus imóveis. “Fora isso, coletamos dados de 720 lojas de materiais de construção e 720 de materiais de acabamento, espalhadas pelas principais capitais brasileiras de quatro regiões do país (Sul, Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste)”, explica Newton Guimarães, gerente de inteligência de mercado da GS&MD – Gouvêa de Souza.

Newton Guimarães, da GS&MD – Gouvêa de Souza: consumidor busca acabamento nos home centers e produtos básicos no comércio da vizinhança.

O estudo se sustentou em três pilares: aumento da massa salarial, crescimento do financiamento imobiliário e pulverização dos pontos de venda no país. Neste último quesito, constatou-se que a venda de material de construção é uma das mais pulverizadas da economia nacional. “Aproximadamente 82% de tudo o que é vendido neste mercado envolve o varejo de médio e pequeno porte. Trata-se de um varejo extremamente pulverizado. Mas a pesquisa detectou também que os home centers (grandes redes) têm uma participação significativa, principalmente quando falamos em materiais de acabamento. O consumidor vai buscar mais esses produtos em home centers e compra os materiais básicos no varejo de bairro. No primeiro caso, pela variedade que ele vai encontrar; no outro, pela garantia de que a entrega será rápida”, afirma Newton Guimarães.

O estudo “Momento e Tendências do Varejo de Materiais de Construção” avalia que no PIB (Produto Interno Bruto) das vendas, 65% representam produtos de acabamento e 35% insumos do setor (cimento, areia, cal e pedra brita). A pesquisa apontou também que a venda de material de construção, dentro da cadeia produtiva da construção civil, teve crescimento acentuado em 2012. Chegou a 9,2%, propiciando faturamento de R$ 80 bilhões – para 2013, são projetados R$ 90,8 bilhões. Ainda segundo o levantamento, 30% das lojas existentes no universo pesquisado são de pequeno porte. Já as especializadas somam 26%, contra 22% das de grande porte, 17% de médio porte e 5% de home centers. Quanto ao padrão de atendimento, os pontos de venda de pequeno porte empregam, em média, três funcionários. “Este segmento não pensa em ampliar o número de colaboradores, mas sim profissionalizar cada vez mais o atendimento”, aponta o gerente de inteligência de mercado da GS&MD – Gouvêa de Souza.

Outras conclusões do estudo:
– As marcas influenciam mais o consumidor quando se referem a material de acabamento.
– As mulheres são decisivas nas compras.
– O pedreiro faz-tudo exerce sensível influência na decisão de compra e escolha das marcas dos produtos.
– De todos os consumidores entrevistados, 46% disseram achar importante a opinião do pedreiro na hora da compra.
– Na venda de materiais básicos, a opinião do lojista influencia na venda de marcas.
– O consumidor prefere comprar materiais básicos nas lojas de bairro.

Confira a pesquisa na íntegra

Entrevistado
Newton Guimarães, gerente de inteligência de mercado da GS&MD – Gouvêa de Souza
Currículo
– Newton Guimarães é graduado em comunicação pela FAAP (Fundação Armando Alvares Penteado) com cursos extensivos em varejo pelo PROVAR (PROGRAMA DE VAREJO DA USP)
– É responsável por estudos e fóruns setoriais, incluindo o segmento de materiais de construção
– Ocupa o cargo de gerente de inteligência de mercado da área de DC&IM (Desenvolvimento Coordenado e Integrado de Mercado) da GS&MD – Gouvêa de Souza
Contatos: www.gsmd.com.br / lgoes@gsmd.com.br / newton.guimaraes@gsmd.com.br
Créditos foto: Divulgação

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo