ABRAMAT faz projeção de crescimento para 2018

capa-materia

ABRAMAT faz projeção de crescimento para 2018

ABRAMAT faz projeção de crescimento para 2018 262 168 Cimento Itambé

Recuperação do setor ainda será de forma lenta, e com foco no varejo de materiais. Previsão é do novo presidente, Rodrigo Navarro

Rodrigo Navarro: varejo deverá se manter com os melhores resultados neste ano. Crédito: ABRAMAT

Rodrigo Navarro: varejo deverá se manter com os melhores resultados neste ano. Crédito: ABRAMAT

A Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Construção (ABRAMAT) prevê que em 2018 o setor deverá crescer 1,5% em relação a 2017. “A recuperação do setor será de forma lenta e mais forte no varejo de materiais neste ano. A demanda do segmento de construção imobiliária deverá se intensificar no médio prazo, a partir do segundo semestre”, diz comunicado da associação, que agora tem novo presidente-executivo. É o engenheiro de produção Rodrigo Navarro, que assumiu o cargo em 1º de fevereiro, substituindo Walter Cover. Reunindo expertise acadêmica e corporativa, Rodrigo Navarro terá a tarefa de seguir consolidando a associação como referência na cadeia da construção. Na entrevista a seguir, ele analisa o comportamento econômico da construção para 2018. Confira:

Há uma onda de otimismo voltando para a construção civil. Pelo menos é o que revelam as opiniões de alguns dirigentes de entidades de classe do setor. A ABRAMAT compartilha deste otimismo?

Não se trata de uma onda, mas de uma tendência de melhoria da conjuntura no país e no exterior, o que indica que estamos em um momento de inversão de queda para uma gradual recuperação. Temos de buscar contribuir como setor para que essa recuperação se concretize.

O senhor sucede Walter Cover, que ficou à frente da ABRAMAT por quase sete anos. Quais os desafios de agora em diante e quais as bandeiras que a ABRAMAT deve encampar a partir de sua gestão?

Temos como pilares fundamentais a defesa da conformidade técnica, conformidade fiscal e capacitação. Nesse contexto, buscaremos as sinergias entre nossos mais de 40 associados, que atuam em múltiplos setores, para uma representação institucional com ainda maior protagonismo junto aos interlocutores, como governos, por exemplo. Isso, para que tenhamos um diálogo aberto e construtivo visando maximizar as oportunidades e crescimento da indústria de materiais de construção no Brasil, com maior competitividade e sustentabilidade.

O Brasil ainda tem muitas reformas a serem feitas para consolidar um crescimento sustentável. Em 2018, em função da corrida presidencial, que está batendo às portas, não deve ser um ano de reformas. Mesmo assim, o que leva o setor da construção civil a confiar que o ano será melhor que o de 2017?

Os números oficiais e os indicadores que monitoramos indicam isso. Devemos aproveitar que é um ano de mudança, de recuperação, e apresentar de maneira colaborativa nossas propostas aos candidatos e novos ocupantes dos cargos públicos que se desincompatibilizarão para disputar as eleições.

Números da CBIC mostram dados animadores para o setor imobiliário. A retomada de obras imobiliárias deve ser o indutor do crescimento do setor em 2018?

A tendência geral para o ano é de melhoria dos resultados, porém ainda poderão ocorrer oscilações pontuais nos resultados mês a mês, o que é normal para esta fase de retomada após a crise dos últimos dois anos no setor. Entre os segmentos de mercado da indústria de materiais, o varejo, que já vem apresentando crescimento nos últimos meses, deverá se manter com os melhores resultados neste ano, seguido pelo segmento de obras imobiliárias (residenciais, comerciais) que deverá ter melhoria mais significativa a partir do segundo semestre. O segmento de infraestrutura só deverá se recuperar de forma consistente a partir do próximo ano.

A falta de recursos da Caixa Econômica para financiar imóveis pode atrapalhar ou os bancos privados vão acabar aproveitando esse vácuo?

Certamente essa é uma questão que precisará ser trabalhada. Há, inclusive, propostas e sugestões de diferentes entidades para endereçar essa questão.

Selic a 6,75% e inflação baixa dão a confiança necessária para as construtoras tocarem suas obras?

Taxa de juros e inflação são dois componentes importantes para impulsionar o mercado. Outros fatores como o crescimento da atividade industrial, redução do desemprego e acesso a crédito também têm de ser levados em consideração.

Qual o cenário que a ABRAMAT faz sobre construção industrializada dentro do novo cenário da construção civil brasileira?

É uma tendência e será importante o envolvimento do setor privado nas decisões acerca da regulação desse ambiente, visando maior produtividade e redução de custos.

Em relação a obras de infraestrutura, devemos ter mais um ano de baixo investimento?

Para este ano, por ser eleitoral, o governo federal e os governos estaduais deverão acelerar e entregar diversas obras ainda no primeiro semestre. A retomada efetiva do setor de infraestrutura deverá iniciar só a partir de 2019, no novo governo.

Além do mercado interno, qual o cenário para a exportação de materiais de construção fabricados no Brasil?

O tema é complexo, com muitas variáveis em jogo, como câmbio, por exemplo. Estamos buscando oportunidades. Chama a atenção as recentes restrições dos EUA ao aço e alumínio brasileiro.

Entrevistado
Engenheiro de produção Rodrigo Navarro, com MBA em relações governamentais pela FGV, e presidente-executivo da ABRAMAT

Contato: abramat@abramat.org.br

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330
VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no Massa Cinzenta e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil