Cimento Itambé

Portal Itambé
Ligue-nos

Mão de obra é o que mais encarece o metro quadrado

Gestão, Mercado Imobiliário 26 de julho de 2012

No acumulado dos últimos doze meses, segundo dados do IBGE, custo dos trabalhadores foi 85% maior que o dos materiais

Por: Altair Santos

Apesar de o nível de atividade da construção civil apresentar um viés de baixa em 2012, como mostra levantamento mensal realizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), o setor vive um paradoxo: o metro quadrado construído não para de ter seu preço valorizado. Segundo o índice FipeZap, que baliza o mercado nas principais capitais do país, no acumulado dos 12 meses (junho de 2011 a junho de 2012) a alta foi de 18,4%. Hoje, a média nacional está em R$ 6.661,00. Atualmente, neste valor, o peso maior é o da mão de obra.

Preço da mão de obra é determinante para definir valor do metro quadrado construído.

Dados do Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil (Sinapi) apurados mensalmente pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) revelam que a mão de obra hoje tem um peso de 53% sobre o preço do metro quadrado construído, seguido de tributos, com 28%, equipamentos e maquinários (10%) e material de construção (9%). Só no acumulado dos 12 meses, o valor do trabalho formal que atua nos canteiros de obras teve reajuste de 9,57% contra 1,47% dos materiais.  

Segundo Augusto de Oliveira, gerente de pesquisas do Sinapi, recentemente esses custos da construção civil têm se refletido mais na região Sul. No acumulado dos 12 meses, nos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul a alta foi de 7,01%. “Isso se deve à pressão exercida pelo reajuste salarial decorrente de acordo coletivo, que possui peso no cálculo do índice”, destaca Oliveira, ressaltando que Santa Catarina é o estado que tem registrado as maiores variações no custo do metro quadrado construído. Só em Balneário Camboriú/SC, o metro quadrado construído chega a R$ 8 mil nas regiões mais valorizadas do município. Se equipara aos mais caros do país, que, segundo o índice FipeZap, estão no Distrito Federal e no Rio de Janeiro: R$ 8.280,00 e R$ 8.072,00.

Há indicadores que mostram que esses valores deverão ter uma aceleração mais lenta. O próprio Sinapi revela essa tendência. Entre as cidades que têm o metro quadrado mais caro do país, o Rio de Janeiro, em junho de 2012, registrou variação de apenas 0,05%. Porém, segundo especialistas, o avanço mais lento do preço do metro quadrado construído é um sinal de alerta, mas não significa que as construtoras estejam dispostas a reduzí-lo. Até por que, o peso da mão de obra seguirá influenciando fortemente esse custo. “Entre conceder reajuste e perder a mão de obra qualificada, as empresas preferem dar o aumento. Elas têm receio de não achar novos trabalhadores e isso influencia toda a cadeia do setor”, avalia o coordenador de economia aplicada do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da Fundação Getulio Vargas (FGV), Armando Castelar.

Entrevistados

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), CNI (Confederação Nacional da Indústria) e FGV (Fundação Getúlio Vargas)

Contatos:  comunica@ibge.gov.brimprensa@cni.org.br / ibre@fgv.br

Créditos foto: Arquivo/ABr

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330


Leia também: