Concresul, um case de sucesso em branding

Concresul, um case de sucesso em branding

Concresul, um case de sucesso em branding 150 150 Cimento Itambé

Empresa gaúcha completa 30 anos, investindo em tecnologia e em novos negócios para manter sua marca em destaque

Um dos principais ativos de uma empresa é a sua marca. Segundo o consultor em branding, José Roberto Martins, ela é a união de atributos tangíveis e intangíveis de uma corporação. Por isso, reforça o especialista, a gestão da marca tem um valor econômico fundamental para o sucesso dos empreendimentos.

Martins define que o posicionamento de uma marca é conhecido através do compromisso que a organização assume consigo e com o mercado. “Atualmente, as empresas aprenderam que precisam se relacionar muito bem com vários tipos de público, inclusive o interno, sem o apoio do qual nenhum posicionamento vingará. Essa integração é que dá sentido à estratégia corporativa ou mesmo à lógica do termo branding”, explica o consultor.

Dentro deste conceito, um case de sucesso de gestão de marca encontra-se na cidade de Bento Gonçalves, no Rio Grande do Sul, onde está sediada a Concresul. A empresa comemora 30 anos e tem sua marca relacionada a obras importantes no sul do país. Entre elas, as barragens do Salto do Jacuí e do Arroio de Taquarembó, além de atuar na ampliação do Trensurb, na região metropolitana de Porto Alegre. O próximo passo deverá ser a participação na construção da BR 448, também conhecida como Rodovia do Parque.

Pedro Reginato: “Busca constante do aprimoramento do nosso trabalho.”

Pedro Reginato: “Busca constante do aprimoramento do nosso trabalho.”

Para o sócio-gerente da Concresul, Pedro Antônio Reginato, a empresa é hoje sinônimo de investimento em tecnologia do concreto. “Nossa missão é prestar serviço a toda cadeia da construção civil e, por isso, buscamos constantemente o aprimoramento do nosso trabalho, tanto através do produto que entregamos aos clientes quanto da qualidade de nossos fornecedores”, afirma.

Um dos segredos da Concresul é ter um grupo de trabalho que sabe aliar uma política pés no chão com inovação. Em 1982, a empresa foi uma das primeiras a promover a entrega do concreto pronto na obra. Doze anos depois, em 1994, a Concresul ingressou no setor de pavimentação asfáltica, modernizando a tecnologia de insumos e ligantes. No ano seguinte, em 1995, foi a vez de investir em areia de britagem. “Com este novo produto, passamos a ter um controle de qualidade monitorado. Outros dois marcos importantes para este monitoramento foram a automação das centrais dosadoras de concreto, o que culminou com a conquista da ISO 9001, em 2003”, relata Pedro Reginato.

Concresul: um case de sucesso de gestão de marca

Concresul: um case de sucesso de gestão de marca

Os avanços da Concresul levaram à expansão da empresa, com a abertura de filiais em Nova Prata, Casca, Caxias do Sul, Garibaldi e Guaporé. A nova fronteira será a instalação de uma central dosadora de concreto em Veranópolis. Mas os investimentos não param por aí, sobretudo os na área de tecnologia. Recentemente, a empresa firmou parceria com a CIENTEC (Fundação de Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul) para pesquisas em concreto.

Pela análise do consultor José Roberto Martins, a Concresul tem feito a lição de casa em sua gestão de branding ao longo destes 30 anos. “O uso da marca está relacionado com vários aspectos: lançamento ao mercado, manutenção no mercado, uso adequado, guarda e manutenção de informação centralizada e vigilância da marca”, resume.

 

Entrevistados:
José Roberto Martins, consultor da Global Brands: willian@evcom.com.br
Pedro Antônio Reginato, sócio-gerente da Concresul: pedro@concresul.com

 

Texto complementar

Dez dicas para construir marcas líderes

1. Capacidade de PD&I
Não adianta insistir com produtos e serviços ruins, complicados ou ultrapassados, que ninguém tem mais paciência de querer aprender a usar, manter ou arrumar. Se faz mal para o planeta e para os outros, também pode fazer mal para nós. Nesse ponto é fundamental que a empresa tenha capacidade de PD&I (Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação).

2. Fazer a diferença
Há produtos e serviços que se revelam cada vez mais substituíveis. É preciso estar atento às exigências do mercado para poder atendê-lo, de preferência fazendo a diferença.

3. Ajudar a economizar
Não importa se somos ricos ou pobres. Economizar em todos os níveis é modernidade permanente entre marcas inteligentes e engajadas socialmente.

4. Benefício hedônico
Se a marca massageia o nosso ego, destaca a imagem ou nos faz felizes, muito melhor.

5. Fuga da inércia
Tudo o que é bom é permanentemente provisório. É inesgotável o nosso desejo pela melhoria do que gostamos.

6. Planejamento integrado e continuado
A marca deve chegar ao mercado suportada por todas as áreas da organização, cujos profissionais devem ter formação superior de qualidade e atreladas à educação continuada. As marcas atingem diversos públicos: funcionários, autoridades, consumidores e parceiros. Todos na empresa devem corresponder às expectativas que a comunicação irá criar entre o público que a marca quer atingir.

7. Posicionamento diferenciado
O mercado a ser atendido provavelmente já está repleto de marcas. Se elas não são melhores que a sua, são, pelo menos, mais experientes. A sua marca deverá indicar ao público que ela irá compensar as deficiências das marcas existentes ou adicionar diferenciais desejados.

8. Um nome que simplifique a comunicação
Já são quase dois milhões de marcas registradas no Brasil. Não é nada fácil criar um nome (e domínio de internet) que seja registrável, fácil de pronunciar, memorizar e que signifique o seu posicionamento. Claro que se o que se irá vender for muito superior e diferenciado, o nome será apenas um detalhe. Mas quem foi que disse que o branding também não é feito de detalhes?

9. Comunicação inteligente
A internet ocupa rapidamente o espaço da TV, jornais e revistas. Tem também as mídias sociais que influenciam cada vez mais na compra de produtos e serviços, num universo de logotipos e embalagens cada vez mais parecidos uns com os outros. Bom design e comunicação criativa são recursos imprescindíveis, custe o que custar.

10. Pós-venda
A venda não acaba no balcão ou no fechamento do carrinho de compras do site. A maioria das empresas ainda não dá a devida atenção ao atendimento nos quase inevitáveis problemas com serviços e produtos. Em muitos casos, o orçamento de marketing e comunicação é superior ao que se investe no atendimento e esclarecimento aos consumidores.

Fonte: José Roberto Martins, consultor da Global Brands

Vogg Branded Content – Jornalista responsável Altair Santos MTB 2330

VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil