Arena Pernambuco une futebol e usina solar

Arena Pernambuco: teto funciona como usina solar.

Arena Pernambuco une futebol e usina solar

Arena Pernambuco une futebol e usina solar 714 558 Cimento Itambé

Quarto estádio a ficar pronto para a Copa do Mundo tem capacidade de gerar um megawatt e abastecer seis mil residências

Por: Altair Santos

Os 73,5 mil m³ de concreto estrutural usados para construir a Arena Pernambuco sustentam a principal inovação do estádio. A cobertura de um dos palcos da Copa do Mundo de 2014 foi transformada em uma usina de energia solar, com capacidade de um megawatt de potência instalada – suficiente para abastecer seis mil residências por mês. A preocupação com a sustentabilidade foi um dos compromissos assumidos pelos projetistas da arena, cuja arquitetura também a torna ecoeficiente em ventilação e iluminação natural.

Arena Pernambuco: teto funciona como usina solar.

Pré-inaugurada em 14 de abril de 2013, e com o primeiro evento-teste programado para 14 de maio, a Arena Pernambuco foi concluída oito meses antes do planejado. A aceleração encareceu a obra em cerca de 30%. O valor inicial, estimado em R$ 532 milhões, tende a fechar em R$ 680 milhões. Construído no regime de PPP (Parceria Público-Privada) o estádio de 46 mil lugares envolveu 4.600 operários e representa o marco de uma nova centralidade urbana para a Grande Recife, expandindo a região metropolitana para a zona oeste.

Uma obra estratégica para esse projeto é a Via Mangue – considerada a maior obra viária da capital pernambucana em 20 anos. No sentido Centro-Boa Viagem, o corredor terá 4,5 quilômetros de extensão. Já no sentido contrário, serão 4,37 quilômetros. O investimento total é de R$ 432,9 milhões, alternando pavimento em concreto e pavimento asfáltico, além de obras de arte. Serão dois elevados, oito pontes, uma passagem semienterrada, uma alça de ligação e uma ponte estaiada com altura de 70 metros.

Via Mangue: avenida dará acesso ao novo estádio de Recife.

A Via Mangue teve suas obras iniciadas em 7 de abril de 2011. Em dezembro de 2012, a obra encontrava-se 38,22% concluída, com ritmo mensal médio de 1,82%. Ao final do mês de março de 2013, o empreendimento apresentava 50% de conclusão, com ritmo mensal de 3,66%. A previsão é que a obra esteja concluída em dezembro de 2013. O canteiro de obras envolve 1.650 trabalhadores e todo o material utilizado na obra é pré-fabricado e montado “in loco”. O volume de concreto empregado deve chegar a 65 mil m³.

Ficha técnica da Arena Pernambuco
A Arena
– 6 pavimentos
– 46 mil lugares
– 102 camarotes
– 4.700 assentos Premium
– 15 mil lugares para o Todos com a Nota (programa que combate a sonegação fiscal em Pernambuco. Quem junta uma quantidade de notas fiscais, troca por ingresso)

Conforto
– 13 escadas rolantes
– 9 elevadores
– 8 rampas de acesso no térreo
– 42 quiosques de alimentação e 2 restaurantes
– 84 sanitários femininos e masculinos, além de 32 cabines para pessoas com necessidades especiais
– 4.700 vagas de estacionamento, sendo 800 cobertas
– Espaços de convivência, como lounges e restaurantes
– Cadeiras individuais e rebatíveis

Tecnologia
– 2 telões de LED em alta resolução com 77 m²
– Usina de energia solar

Segurança
– 271 câmeras de segurança, sendo 34 em HD
– Evacuação do público em, no máximo, 8 minutos
– Orientadores em todos os setores, especialmente treinados para manter o bem-estar do público

Capacitação de pessoas
– 250 trabalhadores de limpeza
– 400 profissionais de catering
– 50 integrantes para guest service
– 250 seguranças
– 6 equipes de socorristas, cada uma com dois profissionais

Operação
– Cerca de 1.000 integrantes a cada evento com capacidade total
– 9 áreas de primeiros socorros e um posto médico
– 5 ambulâncias, cada uma composta por uma equipe médica

Entrevistada
Secretaria Estadual da Copa (Secopa-PE)
Contato: media@secopa.pe.gov.br
Créditos fotos: Divulgação/Secopa-PE

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330
VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil