Versão 4 da certificação LEED prioriza fabricantes

No país, documento será lançado na 6ª edição da Greenbuilding Brasil, em agosto. Desafio é equilibrar rigor técnico com expectativa do mercado

No país, documento será lançado na 6ª edição da Greenbuilding Brasil, em agosto. Desafio é equilibrar rigor técnico com expectativa do mercado

Por: Altair Santos

Agendada para acontecer de 11 a 13 de agosto de 2015, em São Paulo, a 6ª conferência anual do Greenbuilding Brasil marcará o lançamento da versão 4.0 da certificação LEED (sigla em inglês para Liderança em Energia e Design Ambiental) no país. O novo modelo é uma evolução do que está em vigor desde 2009. Seu lançamento internacional se deu no final de 2013 e nos Estados Unidos já existem construções dentro dos parâmetros da 4.0.

Nos EUA já existem obras construídas com base na versão 4.0 da LEED: maior exigência com materiais usados na construção
Nos EUA já existem obras construídas com base na versão 4.0 da LEED: maior exigência com materiais usados na construção

A versão ganhou atualizações técnicas e aumentou as exigências para que os empreendimentos ganhem o selo de obra sustentável. Agora, a certificação preocupa-se detalhadamente com os materiais. Passou a exigir, por exemplo, análises do ciclo de vida (ACV), divulgação da composição dos produtos utilizados na edificação e identificação de compostos químicos tóxicos nos produtos aplicados na obra.

Na 6ª conferência, um dos seminários previstos é: LEED versão 4, nossos fabricantes estão preparados? O objetivo é que especialistas do Green Building que atuam no Brasil comecem a balizar os fabricantes para que os produtos passem a carregar o LEED versão 4 em suas embalagens. A implantação da versão 4.0 será gradual, pois o principal receio dos profissionais é que o mercado da construção civil não esteja preparado para acompanhar as novas propostas, principalmente no que tange a tecnologias e produtos necessários para o atendimento dos novos créditos do LEED.

Além disso, a certificação nova é mais abrangente. Não atende apenas edifícios habitacionais e comerciais, mas também data centers, centros de distribuição e edifícios escolares. Ele é também mais exigente para que o edifício construído preserve o selo LEED quando estiver em funcionamento.

Evolução desde 1998
Conceitos como concepção integrada de projeto, compensação de carbono e medição setorizada do consumo de água, além do ciclo de vida de materiais e do empreendimento, passaram a ser levados em conta. Por isso, a GBC Brasil avalia que a versão 4.0 do LEED, além de necessária para que a certificação continue evoluindo no país, traz avanços nos conceitos de desempenho ambiental e nos critérios técnicos.

Para tal, a atualização considerou todas as evoluções tecnológicas e construtivas desde 1998, quando surgiu a certificação LEED. Foram lições aprendidas em milhares de projetos certificados ao redor do mundo, o que serviu para o sistema amadurecer e impulsionar o setor da construção civil na direção da sustentabilidade.
Atualmente, há 18 mil edifícios certificados em todo o mundo e 36 mil em processo de obter o selo verde. No Brasil, apesar do movimento pela construção sustentável ser recente, iniciado em meados de 2006, já são 783 empreendimentos registrados e 115 com LEED.

Resumo das principais mudanças na certificação LEED 4.0
• Exige análise das condições iniciais do terreno, antes do desenvolvimento do projeto
• Requer entorno com boa mobilidade urbana e prioridade ao transporte público
• Obrigatoriedade na redução do consumo de água para paisagismo, ao menos em 30%
• Dispositivos hidrossanitários das edificações devem reduzir consumo de água em pelo menos 20%
• Obrigatoriedade de se desenvolver um plano de gestão de resíduos durante a construção
• Pede análise de ciclo de vida (ACV) dos materiais empregados na obra
• Exige coleta, armazenamento e disposição correta de resíduos perigosos

Entrevistado
Green Building Council Brasil (via assessoria de imprensa)
Contato: marketing@gbcbrasil.org.br

Crédito Foto: Divulgação

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo