USP prepara curso de engenharia da complexidade

Será a primeira graduação do Brasil com essa especialidade. Expectativa é de que turma pioneira comece em 2020, no campus de Santos-SP

Engenharia da complexidade: escolas-referência no mundo servirão de inspiração para a grade curricular do curso da USP. 
Crédito: Divulgação
Engenharia da complexidade: escolas-referência no mundo servirão de inspiração para a grade curricular do curso da USP. 
Crédito: Divulgação

A Escola Politécnica (Poli) da USP prepara o lançamento do primeiro curso de engenharia da complexidade do Brasil. A graduação será implantada no campus da cidade de Santos-SP, no litoral paulista. O curso terá duração de cinco anos e turmas anuais. A engenharia da complexidade utiliza de maneira integrada conhecimentos de outras áreas da engenharia e da ciência para analisar, compreender e propor soluções para ambientes que reúnem um conjunto diverso de componentes.

Idealizador do curso, durante o período em que foi diretor da Escola Politécnica da USP (2014-2018), o professor do departamento de engenharia de telecomunicações e controle da Poli, José Roberto Castilho Piqueira, afirma que a engenharia de complexidade é uma atividade interdisciplinar, capaz de promover a integração entre as diversas áreas – não só da engenharia, mas do conhecimento científico em geral.  “A engenharia de complexidade é a rota para projetos ousados”, resume.

Na prática, o engenheiro de complexidade terá capacidade de dialogar com todas as engenharias. Os professores da Poli-USP que estiveram na apresentação do curso exemplificaram a importância da especialidade com duas grandes questões que desafiam as metrópoles brasileiras. Uma, é a aglomeração da população no ambiente urbano. Isso exige intervenções que precisam ser feitas com a devida observação dos impactos social, cultural, ambiental e econômico. Outra, se refere ao aproveitamento do potencial de produção de combustível e energia elétrica a partir das reservas de petróleo e gás localizadas no pré-sal.

Brasil está atrasado na implantação do curso há pelo menos duas décadas

Para alcançar essas reservas, o Brasil vai precisar de soluções para a exploração de petróleo em águas superprofundas. “Precisamos ter uma visão ampla dos processos, pois é isso que constitui os diagnósticos da engenharia do século XXI. Temos grandes desafios a enfrentar, e criar esse curso é algo urgente e absolutamente oportuno”, afirma o engenheiro civil e secretário de energia e mineração do Estado de São Paulo, João Carlos Meirelles.

Apesar de ser novidade entre os cursos de graduação da Escola Politécnica da USP, a engenharia de complexidade já existe há pelo menos duas décadas em outros países. As escolas-referência são as universidades de Calgary (Canadá), Imperial College e Oxford (Reino Unido), Sidney (Austrália), Stanford e MIT (Estados Unidos). A grade curricular da graduação terá esses cursos como inspiração, mas adequada à realidade brasileira.

Alguns aspectos relacionados às disciplinas ainda estão sendo estruturados. Para sua implantação, é preciso que o curso de engenharia da complexidade seja analisado e aprovado por instâncias decisórias da USP. Por isso, ainda não há uma data definitiva para o início da graduação. Existe a expectativa de que possa ter a primeira turma em 2020.

Entrevistado
Direção da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-US)
(via assessoria de imprensa)

Contato: comunicacao.poli@usp.br

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo