Uso do BIM agora é lei. Quem está pronto e quem está defasado?

Pesquisa mostra quais tipos de obras e qual o perfil das empresas que já utilizam a tecnologia

Projeto concebido dentro da ferramenta BIM aumenta produtividade e reduz custo da obra Crédito: STW Architects/Bouygues UK
Projeto concebido dentro da ferramenta BIM aumenta produtividade e reduz custo da obra
Crédito: STW Architects/Bouygues UK

A mais ampla pesquisa sobre o uso do BIM no Brasil mostra quem está preparado para utilizar a modelagem e quem ainda se encontra atrasado perante a tecnologia, apesar de ter se tornado lei no Brasil desde 1º de janeiro de 2021. Mapeamento realizado pela Sienge – desenvolvedora de modelos de gestão para a construção civil -, em parceria com a auditora Grant Thornton Brasil, revela que os estados de São Paulo, Paraná, Minas Gerais e Rio Grande do Sul são os que concentram o maior número de empresas já adaptadas ao BIM.

O estudo destaca ainda que projetos de edificações residenciais e obras comerciais, como supermercados e shopping centers, são os que mais utilizam a ferramenta. Escritórios de projetosconstrutoras e incorporadorasconsultorias e indústrias de materiais, componentes e sistemas construtivos também estão entre os que fazem uso do BIM com mais frequência. Mesmo assim, o percentual de quem não utiliza ainda é maior. São 61,6% que não estão adequados à tecnologia e 38,4% já adaptados.

Por outro lado, de 43% a 47% das empresas que participaram da pesquisa, e que ainda não utilizam BIM, disseram que pretendem adotar a ferramenta no prazo máximo de 1 ano ou 2 anos. As companhias mais jovens, com idade entre 1 ano e 10 anos, respondem por cerca de 55,5% das que declaram adotar a tecnologia. O uso da metodologia também é mais comum em companhias que têm entre 9 e 50 colaboradores. Nesses dois segmentos – empresas jovens e com pouco número de profissionais -, incluem-se as construtechs (startups da construção civil).

Saiba quais são as dificuldades alegadas para a implantação do BIM

O estudo mapeou as dificuldades para a implantação do BIM, segundo as empresas pesquisadas. Entre as razões apresentadas estão:

• Barreiras financeiras, quanto aos softwares e equipamentos necessários.
• Barreiras financeiras, quanto aos treinamentos necessários.
• Barreiras organizacionais, quanto à estrutura de colaboradores disponíveis para apoiar o processo.
• Barreiras de mercado, quanto a projetistas aptos ou com custo viável para adoção da metodologia BIM.
• Barreiras de mercado, quanto às construtoras e incorporadoras dispostas a remunerar projetos modelados.
• Falta de retorno ou retorno financeiro muito baixo, inviabilizando a adoção.
• Falta de suporte ou orientação para o processo de implantação da metodologia.
• Falta de incentivo do poder público.
• Baixo convencimento da alta direção sobre a necessidade da adoção da metodologia BIM.

O decreto federal nº 9.377, que estabelece uma estratégia nacional para disseminar o uso da plataforma BIM no Brasil, torna obrigatória a aplicação da ferramenta para projetos de arquitetura e de engenharia submetidos a processos de licitação. A iniciativa pretende aumentar em 10 vezes a utilização da tecnologia no país. A expectativa é de que, até 2024, 50% do PIB da construção civil já esteja adequado à ferramenta. Se esse percentual for atingido, a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) estima que haverá aumento de 10% na produtividade e redução média de 20% no custo das obras. A ABDI também projeta que, se metade da cadeia da construção adotar a plataforma até 2028, haverá ganho de 7 pontos percentuais no PIB do setor.

Veja o relatório completo da pesquisa

Entrevistado
Reportagem com base na pesquisa “Mapeamento de Maturidade BIM Brasil”, realizada pela Sienge Plataforma, do grupo Softplan, em parceria com a Grant Thornton Brasil

Contato 
contato@softplan.com.br

Jornalista responsável:
Altair Santos MTB 2330



Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo