UNICAMP produz bloco intertravado com água de reúso

Estudo ganhou publicações em revistas técnicas e mostra que artefatos têm desempenho semelhante aos convencionais

UNICAMP produz bloco intertravado com água de reúso

UNICAMP produz bloco intertravado com água de reúso 990 667 Cimento Itambé
Blocos implantados em vias internas da UNICAMP, e que utilizam água de reúso de esgoto tratado, têm coloração mais avermelhada Crédito: UNICAMP

Blocos implantados em vias internas da UNICAMP, e que utilizam água de reúso de esgoto tratado, têm coloração mais avermelhada
Crédito: UNICAMP

Pesquisa em desenvolvimento na Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo (FEC) da UNICAMP busca substituir a água potável pela de reúso, a partir de esgoto tratado, na produção de blocos intertravados de concreto. Ensaios mostram desempenho praticamente semelhante em todos os corpos de provas e nas peças produzidas, seja com a água de esgoto tratado ou água potável. “As indicações iniciais sugerem que a água de reúso poderá vir a ser uma boa alternativa para reduzir o consumo de água potável na produção de alguns tipos de artefatos de cimento [não-estruturais]”, diz o professor Gustavo Henrique Siqueira, do departamento de engenharia de estruturas da UNICAMP. 

A pesquisa também tem a participação da arquiteta e urbanista Mariana Rodrigues Ribeiro dos Santos e do engenheiro químico Adriano Luiz Tonetti, ambos ligados ao departamento de infraestrutura e ambiente da universidade. Cada um cuidou de uma etapa do estudo. O engenheiro químico avaliou a viabilidade da utilização da água de reúso do esgoto tratado, proveniente da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) localizada em Barão Geraldo, distrito de Campinas-SP. Já o engenheiro civil acompanhou a produção dos corpos de provas, constituídos por amostras cilíndricas de 10 centímetros de diâmetro por 20 centímetros de altura. Foram avaliadas a resistência à compressão em ensaios onde a água potável foi substituída pela água do esgoto tratado em 25%, 50%, 75% e 100% dos corpos de prova.

Norma técnica não permite usar água de reúso de esgoto tratado para produzir concreto 

Os parâmetros utilizados nas comparações mostraram-se praticamente semelhantes em todos os corpos de provas. “As indicações iniciais sugerem que a água de reúso poderá vir a ser uma boa alternativa para reduzir o consumo de água potável na produção de concreto”, avalia a equipe que coordenou a pesquisa. Para testar os pisos intertravados, um trecho das vias internas da UNICAMP foi substituído pelos blocos resultantes da pesquisa, a fim de verificar se eles suportam o tráfego de veículos leves. A maioria dos que frequentam a universidade não percebeu diferença entre os blocos lá implantados, exceto por causa da coloração. O que utiliza água de reúso tem um tom mais avermelhado.

Os blocos fabricados com água de esgoto tratado chegam a ser 60% mais em conta que os que utilizam água potável na confecção. O estudo ganhou artigos na revista da Associação Internacional de Águas (IWA Publishing) e no Journal of Water, Sanitation &Hygiene for Development. No entanto, vale destacar que as normas técnicas brasileiras não permitem a utilização de água de esgoto tratado para produção de concreto. Além disso, a equipe de pesquisadores não dá o estudo como encerrado, pois ainda existe a necessidade do acompanhamento do comportamento do material ao longo do tempo e também avaliações de suas propriedades microscópicas – os blocos instalados nas vias da UNICAMP completaram 19 meses em novembro de 2019. 

Entrevistado
Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo (FEC) da UNICAMP (via assessoria de imprensa)

Contato: infoascom@reitoria.unicamp.br

 

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330

VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no Massa Cinzenta e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil