UnB resgata tradição de “universidade do pré-fabricado”

Sistema industrializado predomina na construção de novos prédios e estimula a instalação de fábricas no entorno do Distrito Federal.

Sistema industrializado predomina na construção de novos prédios e estimula a instalação de fábricas no entorno do Distrito Federal

Por: Altair Santos

Em 1962, os primeiros alunos do curso de arquitetura e urbanismo da recém-inaugurada Universidade de Brasília (UnB) tinham aulas práticas dentro do canteiro de obras do campus Darcy Ribeiro. Naquele ambiente, viram nascer alguns dos primeiros prédios concebidos em pré-fabricado no Brasil. O sistema construtivo, cuja funcionalidade atraiu Oscar Niemeyer, pois permitia agregar salas de aula e laboratórios sem precisar de grandes adaptações, tornou-se uma marca registrada da UnB.

Prédio da Ciência da Computação e Estatística: funcionalidade do pré-fabricado permite que laboratórios e salas de aula interajam.

Hoje, 50 anos depois, a Universidade de Brasília não se limita apenas ao seu campus no Plano Piloto. Ela se estendeu para as cidades-satélites de Ceilândia e Gama, além do município de Planaltina, que fica no entorno do Distrito Federal, mas conserva as estruturas construídas com peças de concreto como um legado. Não é à toa que a UnB é conhecida como a “universidade do pré-fabricado“. “A UnB foi uma experiência precursora do pré-fabricado, com Oscar Niemeyer e Lelé (João Filgueiras Lima). Dentro do complexo, o edifício do Instituto Central de Ciências, com 750 metros de extensão e 118.000 m² de área construída, é emblemático”, lembra Alberto Alves de Faria, diretor do Ceplan (Centro de Planejamento Oscar Niemeyer) da UnB.

Há quem também atribua o fato de a UnB ter sido concebida sobre pré-fabricados por causa do clima quente e seco predominante no Distrito Federal. Por causa do calor, Niemeyer teria optado por vãos mais livres e pelo concreto aparente das estruturas para que os estudantes tivessem condições de estudar em ambientes com temperaturas mais amenas, já que o calor não se propaga com eficiência no concreto. “Há esse favorecimento, mas não acredito que tenha sido determinante para a opção pelo pré-fabricado. O que pesou foi a rapidez de se construir com sistemas industrializados”, destaca o diretor da Ceplan.

Equipe de arquitetura que elaborou os recentes projetos da UnB: Alberto Aves de Faria, entre as arquitetas Fabiana Curado e Fátima Pires.

A funcionalidade do pré-fabricado, justifica Alberto Alves de Faria, é que permitiu expandir os campi da UnB em tão pouco tempo. “Tínhamos um cronograma de execução apertado, por causa da demanda dos cursos, e a repetição de estruturas gera economia de tempo”, garante. Mas se permitiu construir mais com um prazo menor, a escolha do pré-fabricado também encareceu o projeto. Motivo: a carência de empresas que trabalham com pré-fabricados em Brasília e no entorno fizeram com que o custo inicial ficasse cerca de 15 % mais caro. “Mas este custo foi amplamente compensado pela qualidade”, completa Faria.

As peças pré-fabricadas usadas na UnB, nas recentes obras, vieram de Minas Gerais e de Goiás. Para disseminar o uso do sistema construtivo no Centro-Oeste, e o desenvolvimento da indústria na região, a universidade serve de exemplo aos empreendedores. “Existe uma ampliação de oportunidades e de boas iniciativas que estão dentro da própria UnB”, avalia o diretor da Ceplan.


Evolução da arquitetura no campus da UnB

Anos 1960
O projeto urbanístico do campus da UnB é de Lúcio Costa. Já o desenho dos prédios dos institutos e faculdades ficou a cargo de Oscar Niemeyer, além de outros nomes importantes como João Filgueiras Lima, o Lelé, e Glauco Campelo. Esse grupo fazia parte do Centro de Planejamento (Ceplan) da Universidade de Brasília. Menos de dois anos depois da assinatura do decreto que criou a UnB, as primeiras edificações começaram a surgir na paisagem da UnB. Além de sistemas pré-fabricados, as construtoras fizeram prédios definitivos. Entre as construções pioneiras no campus da Asa Norte estão a Faculdade de Educação, de Alcides da Rocha Miranda, os pavilhões de serviços gerais e o Instituto Central de Ciências, mais conhecido como Minhocão, ambos de Oscar Niemeyer, e os blocos residenciais da Colina, desenhados por Lelé. Durante a ditadura, a UnB foi invadida por militares, o que levou nomes importantes como Niemeyer e Lelé a deixarem a instituição.

Anos 1970
A partir dos anos 1970, começa uma nova fase na construção de prédios no campus da Universidade de Brasília. Os novos edifícios têm uso preponderante de concreto armado. Um dos primeiros a sair do papel nessa década foi a Biblioteca Central e, em seguida, surgiram os blocos da Casa do Estudante, projetos de Léo Bonfim Júnior e Alberto Fernando Xavier. Também dessa época é o Restaurante Universitário, de José Galbinski. Seguindo a mesma linha arquitetônica, baseada no concreto armado, a UnB construiu a Reitoria, de Paulo Zimbres, e o prédio da Faculdade de Estudos Sociais Aplicados, de Matheus Gorovitz, além do Núcleo de Medicina Tropical, da Faculdade de Ciências da Saúde e da Faculdade de Tecnologia, todos de Adilson Costa Macedo e Érico Siegmar Weidle.

Anos 1980 e 1990
Nos anos 1980, os projetos perderam um pouco a semelhança e os novos prédios começaram a ser mais heterogêneos. Ao contrário do que aconteceu nas primeiras décadas, quando os arquitetos responsáveis eram professores da instituição, profissionais de fora começaram a ser contratados. A partir daí, surgiu uma experimentação estrutural. Ao longo dessas décadas, a iniciativa privada começou a usar espaços dentro do campus. Assim, foram construídos edifícios como o do Centro de Excelência em Turismo, de Zanine Caldas. É dos anos 1990 o projeto do Centro Comunitário da UnB, de Frederico Carvalho, e o desenho dos pavilhões Anísio Teixeira e João Calmon, de autoria do arquiteto Cláudio Queiroz.

Anos 2000
Em 2002, a Universidade de Brasília aprovou o Plano de Obras UnB XXI, que revisou os projetos de construções anteriores. A proposta previa grandes investimentos em novos espaços para ensino e pesquisa. Os novos prédios seriam construídos com os recursos provenientes da venda de imóveis de propriedade da UnB no Plano Piloto. Entre os institutos e faculdades que estavam previstos nesse plano de obras e saíram do papel posteriormente estão o Instituto de Ciências Biológicas, o Instituto de Química e a nova sede do Centro de Seleção e Promoção de Eventos (Cespe). A construção desses prédios contribuiu para a liberação de 20 mil metros quadrados do Minhocão.

Fonte: Correio Braziliense

Entrevistado
Alberto Alves de Faria, diretor do Ceplan (Centro de Planejamento Oscar Niemeyer) da UnB
Currículo
– Graduado em Arquitetura pela UnB, em 1981, com especialização em Desenho Urbano (1984) e mestrado em Arquitetura e Urbanismo (2000)
– É arquiteto da Fundação Universidade de Brasília (1986), onde foi prefeito do campus (1993 a 1997) e professor do curso de Arquitetura e Urbanismo da FATECS/UniCEUB
– Desde 2002 é diretor do Centro de Planejamento Oscar Niemeyer da Universidade de Brasília
– É presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do DF (CAU/DF)

Contato: alberto@unb.br / ceplan@unb.br
Créditos fotos: Edu Lauton / UnB Agência / Divulgação

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo