Uma das soluções mais viáveis para a Copa 2014 está no pré-moldado

Sistema construtivo deve agilizar obras nos estádios que, pelo cronograma da Fifa, devem ser entregues até o final de 2012

Sistema construtivo deve agilizar obras nos estádios que, pelo cronograma da Fifa, devem ser entregues até o final de 2012

Conhecidas as 12 cidades indicadas pela Fifa (Federação Internacional de Futebol) como subsedes para a Copa do Mundo de 2014, que acontecerá no Brasil, o que se discute agora é como serão construídos os estádios. Os projetos já foram apresentados, mas a ausência de recursos privados para as obras deve obrigar o governo federal a abrir uma linha de crédito especial do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). Estima-se que só a adequação de estádios e a construção de novas arenas devem custar R$ 3 bilhões. Para não fugir deste orçamento, os pré-moldados devem ser um dos sistemas construtivos que prevalecerão para erguer os palcos das partidas.

O caderno de encargos da Fifa exige que pelo menos dois estádios tenham capacidade para 60 mil lugares ou mais. São os que vão sediar a abertura e a final da Copa. Os demais devem ter no mínimo 40 mil lugares. Por isso, em recente audiência pública no Congresso Nacional, o presidente nacional do Sinaenco, José Roberto Bernasconi, alertou que a Fifa, ao anunciar as subsedes, já deveria ter definido quem vai abrir e fechar o mundial. “A diferença é grande. Por isso, são necessárias mais informações por parte da organização do evento para que seja realizado um planejamento. A Fifa nos cobrará mais tarde, e só poderemos corresponder a suas demandas se primeiro cobrarmos agilidade da entidade”, ressalta.

Pelo motivo de as subsedes ainda não saberem ao certo quais serão suas demandas, o presidente da regional Paraná do Sinaenco, Marlus Coelho, já prevê atrasos nas obras. “Além destas questões relacionadas à Fifa, têm os problemas institucionais, como o atendimento às normas municipais e ambientais, em todos os níveis. Mas o mais crítico é o início das obras, a solução da equação financeira”, avalia, antecipando que a indicação de 12 subsedes foi uma estratégia da Fifa para trabalhar com uma margem de erro. “São necessários, efetivamente, apenas oito estádios para realizar a Copa. Ou seja, foram indicados doze para dar uma folga maior”, completa.

Independentemente do número de estádios que vão acabar sediando a Copa do Mundo de 2014, o Sinaenco avalia que o evento trará luz à segurança dos estádios – uma das bandeiras do organismo. “Os projetos vão incentivar a resolver pontos críticos, como tempo de evacuação do público e adaptação do entorno dos estádios para receber grandes públicos”, diz Marlus Coelho. Ele ressalta, porém, que a manutenção destas obras será outro dilema a ser vencido: “Sem a manutenção periódica e adequada, os elementos iniciais de segurança poderão se deteriorar e comprometer o futuro dos estádios após a Copa”.

Fique por dentro
As 12 cidades eleitas para sediar jogos da Copa do Mundo de 2014, no Brasil, são: Belo Horizonte, Brasília, Cuiabá, Curitiba, Fortaleza, Manaus, Natal, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo.

Texto complementar

Sinaenco aposta que Arena da Baixada será a 1.ª a ficar pronta

Presidente regional Marlus Coelho revela, em entrevista, otimismo com estádio escolhido para representar a subsede Curitiba. Confira:

O senhor aposta que a Arena será o primeiro estádio a ficar pronto?
Sim, as obras na Arena já começaram e, certamente, ela estará pronta para a Copa de 2014.

Da 1.ª etapa da construção da Arena para essa nova fase da obra mudou alguma coisa em termos de tecnologia empregada?
A Arena da Baixada já tem uma concepção europeia, pois os arquitetos que a projetaram estudaram os melhores estádios do mundo. Então ela já atende ao padrão da Fifa, com aquele formato mais retangular diferindo do oval adotado pelo Maracanã e seguido pela maioria dos estádios brasileiros. Então as adaptações pelas quais ela deverá passar não se referem ao projeto, mas a espaços para a mídia e os convidados VIPs e VVIPs, assim como estacionamento e o entorno.

O entorno parece ser o que mais vai exigir adaptações. É isso?
De fato, as alterações maiores serão no entorno. O problema poderá estar num conflito entre as exigências da Fifa e a viabilidade da Prefeitura Municipal, em função da exiguidade de espaços na região, já densamente ocupada por edifícios residenciais.

Marlus Coelho, presidente da regional Paraná do Sinaenco: marlus@esteio.com.br

Jornalista responsável – Altair Santos MTB 2330 – Tempestade Comunicação



Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo