É preciso resgatar confiança e credibilidade da construção civil

Em palestra no SindusCon-PR, presidente da CBIC, José Carlos Martins, ressalta os principais ativos do setor

É preciso resgatar confiança e credibilidade da construção civil

É preciso resgatar confiança e credibilidade da construção civil 520 310 Cimento Itambé
construção civil

Economista Gilmar Mendes Lourenço (esq.) e engenheiro civil José Carlos Martins (dir.): consenso de que crescimento virá pelas mãos da construção civil. Crédito: Cia. Cimento Itambé

Para o presidente da Câmara Brasileira de Indústria da Construção (CBIC), o engenheiro civil José Carlos Martins, é urgente que o Brasil resgate os dois principais ativos do setor da construção civil, que são confiança e credibilidade. “Sem eles não se voltará a investir no setor”, diz. O alerta foi dado no seminário “Cenário macroeconômico e as perspectivas para a indústria da construção”, realizado dia 1º de abril na sede do SindusCon-PR, em Curitiba.

O debate envolveu também o economista Gilmar Mendes Lourenço, que é professor na FAE Curitiba, e que concordou com a análise de José Carlos Martins. Para ele, a insuficiente abrangência das reformas estruturais de que o país precisa tem impactado diretamente na capacidade do Brasil de recuperar sua infraestrutura. “Hoje investimos 1,7% do PIB para evitar o estrangulamento da infraestrutura, enquanto países como Chile e China investem 7% e 16% do PIB, respectivamente. Não conseguiremos superar esses gargalos se não houver mudança de prioridades”, afirma.

Ainda de acordo com Gilmar Mendes Lourenço, o Brasil tem gastado muita energia para debater a reforma da previdência e esquecido de medidas que poderiam movimentar a economia muito mais rapidamente.  “Se fosse priorizada a reforma tributária, ela vitaminaria fontes de financiamento e arrecadação de recursos para cobrir buracos nas contas do país. A reforma da previdência restaura o equilíbrio a médio e longo prazos, já a tributária resolveria problemas de curto prazo. Entre eles, recuperar a funcionalidade do estado, devolver a capacidade competitiva das empresas, gerar simplificação tributária e criar um novo federalismo fiscal”, ressalta. 

Números revelam tamanho do impacto que recessão causou na construção civil

Embasado pela análise do economista, o presidente da CBIC foi categórico em afirmar que a construção civil só sairá do cenário de recessão se conseguir recuperar a capacidade de atrair investimento privado. Foi por isso que ele destacou que é preciso resgatar os dois principais ativos do setor: confiança e credibilidade. “Ocorre que o poder público perdeu completamente sua capacidade de investir. Hoje, a principal fonte de financiamento dos investimentos em um novo ciclo de crescimento deverá vir prioritariamente do setor privado da construção. Quer dizer, a saída para o Brasil passa necessariamente pelo nosso setor”, reforça.

No seminário foram apresentados alguns números que revelam o tamanho do impacto que a recessão causou na construção civil nacional. Hoje, a margem de ociosidade do setor está superior a 40%. Em 5 anos, a queda do PIB da construção chegou a 27,5%. Já a perda da capacidade de empregabilidade passa de 30%. Ao mesmo tempo, a cadeia produtiva da construção participa com 4,8% do PIB nacional, representa 22,4% do PIB industrial e 52,2% da composição dos investimentos nacionais. Para José Carlos Martins, além da retomada das obras de infraestrutura, o resgate do programa Minha Casa Minha Vida ajudaria significativamente a construção civil. “O Minha Casa Minha Vida equivale a 2/3 do mercado imobiliário do país. Não há como ignorá-lo”, defende.

Entrevistado
Reportagem com base nas palestras do economista Gilmar Mendes Lourenço e do engenheiro civil José Carlos Martins, no seminário “Cenário macroeconômico e as perspectivas para a indústria da construção”, do SindusCon-PR

Contato: imprensa@sindusconpr.com.br

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330
VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no Massa Cinzenta e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil