Serra do Cafezal: desafio à engenharia rodoviária

Trecho de 19 quilômetros vai exigir a construção de 36 obras de arte especiais e quatro túneis. Quando concluído, Régis Bittencourt estará 100% duplicada.

Trecho de 19 quilômetros vai exigir a construção de 36 obras de arte especiais e quatro túneis. Quando concluído, Régis Bittencourt estará 100% duplicada

Por: Altair Santos

Foi publicada em 7 de janeiro de 2013, no Diário Oficial da União, a autorização do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) para que a concessionária Autopista Régis Bittencourt duplique os 19 quilômetros que cruzam a Serra do Cafezal, no trecho da BR-116 entre São Paulo e Curitiba. A liberação obriga a empresa a cumprir uma série de condicionantes, o que exigirá o emprego da mais moderna tecnologia hoje disponível na engenharia rodoviária brasileira.

Eneo Palazzi: licença ambiental para a obra está condicionada a um projeto especial.

O projeto prevê a construção de obras de arte especiais, estrategicamente calculadas para minimizar o impacto ambiental. “Nesse trecho faltante de 19 quilômetros serão construídas 36 obras de arte especiais (pontes e viadutos) e quatro túneis, que somam cerca de 10 quilômetros de extensão. Serão obras desafiadoras, pela dificuldade de acesso, pelo regime pluviométrico local, pela topografia, pela natureza do solo e pelo tráfego”, diz Eneo Palazzi, diretor-superintendente da concessionária Autopista Régis Bittencourt.

A licença de instalação concedida pelo Ibama para as obras na Serra do Cafezal, entre os quilômetros 344 e 363, não autoriza a construção de caminhos de serviços para a realização das obras. Neste caso, explica Eneo Palazzi, a nova pista terá que ser construída na sua própria projeção. “Obrigatoriamente, pela licença, a duplicação deve ser implantada, na maior parte da extensão, ao lado da pista existente. Portanto, há uma limitação de tecnologia para métodos construtivos”, explica o superintendente, considerando que haverá a importação de equipamentos especiais, principalmente para a execução das fundações de pontes e viadutos.

Entre as condicionantes da licença de instalação concedida pelo Ibama, a parte mais importante é o próprio projeto. A concepção privilegiou medidas mitigatórias, no sentido de minimizar o movimento de terra, limitando cortes e aterros, substituindo-os por pontes, viadutos e túneis. A condição especial da obra também veta o uso de pavimento de concreto. “Assumimos o compromisso de usar pavimento semiflexível, com revestimento de concreto asfáltico, o qual se adapta melhor às condições da serra, que possui solos de baixa capacidade de suporte”, afirma Eneo Palazzi.

Projeção gráfica de túnel na Serra do Cafezal: construção exigirá a importação de equipamentos.

Isso não significa que não haverá o emprego de um grande volume de concreto. O diretor-superintendente da Concessionária Autopista Regis Bittencourt estima que as obras consumirão 130 mil m³ do material. Palazzi também explica que a duplicação terá trechos novos localizados no sentido São Paulo-Curitiba e Curitiba-São Paulo. “Para atender rampa máxima de 6%, o projeto se obrigou a essa solução”, relata. Já a pista antiga será totalmente restaurada, com a reestruturação do pavimento. “Prevemos fresagem, restauração profunda localizada de camadas subjacentes (base, sub-base e até subleito) recomposição e reforço com concreto asfáltico”, completa Eneo Palazzi.

Com a conclusão das obras na Serra do Cafezal, a duplicação da Régis Bittencourt estará 100% finalizada. A previsão é que isso ocorra em 2017. A estrada, que recebe o nome do engenheiro que a projetou, foi inaugurada em 1961 pelo presidente Juscelino Kubitschek. No governo do presidente Fernando Henrique Cardoso, ela sofreu sua principal intervenção, sendo quase toda duplicada. Restava o trecho da Serra do Cafezal, que finalmente começa a sair do papel.

Entrevistado
Eneo Palazzi, diretor-superintendente da concessionária Autopista Régis Bittencourt
Currículo
– Eneo Palazzi é graduado em engenharia civil pela Universidade Federal do Paraná (1971)

– Trabalha no setor de concessões de rodovias desde 1988. Até 1998, foi consultor técnico para projetos de obras de arte especiais
– Atualmente ocupa o cargo de diretor-superintendente da concessionária Autopista Régis Bittencourt, que desde dezembro de 2012 passou do grupo OHL para o Grupo Arteris
Contato: autopistaregis@autopistaregis.com.br
Créditos fotos: Divulgação

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo