Sem trem-bala, estados tiram ferrovias regionais do papel

São Paulo e Paraná investem em planos que podem incrementar o transporte ferroviário de passageiros e de cargas

O projeto do trem-bala que ligaria São Paulo ao Rio de Janeiro está completamente enterrado, mas estados como São Paulo e Paraná investem em planos que podem incrementar o transporte ferroviário de passageiros e de cargas. No caso dos paulistas, o objetivo é criar uma linha que interligue os 1.375 quilômetros de estradas férreas existentes no estado, a fim de facilitar, principalmente, o tráfego de passageiros entre as principais regiões de São Paulo.

A obra faz parte do novo plano-diretor de mobilidade, lançado pelo governo paulista, e que será entregue a um consórcio de empresas, através de uma PPP (Parceria Público-Privada). A contrapartida do estado de São Paulo será de R$ 20,8 milhões. Em dois anos deverá ser apresentado o projeto completo de compartilhamento da malha ferroviária e o custo total da obra. A proposta abrange as principais regiões metropolitanas do Estado, que envolve a capital paulista, Campinas, Sorocaba, Vale do Paraíba e Baixada Santista.

A interligação das ferrovias abrange 75% da população de São Paulo (33 milhões de pessoas) e responde por 80% do PIB estadual. Batizado de Trem Intercidades, o projeto tem como principal interessado o grupo Deutsche Bahn – a maior companhia operadora de ferrovias da Europa. A concessionária alemã inaugurou recentemente a linha Berlim-Munique, na Alemanha, que envolve um trecho de 500 quilômetros e encurta a viagem entre duas das principais cidades do país de seis horas para quatro horas. Os trens atingem velocidade máxima de 300 km/h e é o mesmo modelo que deve ser adotado em São Paulo. 

No Paraná, foco é aumentar o transporte de cargas por trens

Já os paranaenses, através do governo estadual, escolheram quatro consórcios para apresentar um projeto de viabilidade que resulte na construção da ferrovia que ligará a cidade de Dourados, no Mato Grosso do Sul, a Paranaguá, no Paraná, permitindo o escoamento do agronegócio do Centro-Oeste para o segundo principal terminal portuário do Brasil, além de atrair exportações do Paraguai e da Argentina.

Os consórcios escolhidos são HaB (Bureau da Engenharia ECT Ltda., Hendal e Advice Consultoria e Serviços) SSSE (Sener Ingeneria, Sener Setepla e Engefoto), Egis-Esteio-Copel (Egis Engenharia e Consultoria Ltda., Esteio Engenharia e Aerolevantamentos S.A e Copel) e STS (Sistemas de Transportes Sustentáveis , Pullin e Campano Consultores Associados, Navarro Prado Advogados, consultoria Millennia Systems e EnVia Technologies International).

O trecho prevê mil quilômetros de ferrovias, divididos em dois trechos. O primeiro, com 400 quilômetros, ligará Guarapuava-PR ao litoral paranaense. O segundo, vai de Guarapuava até Dourados-MS, passando por Guaíra-PR, com a construção de mais 350 quilômetros de trilhos. O projeto também usará 250 quilômetros já consolidados, completando os 1.000 quilômetros do novo trecho.

Atualmente, menos de 20% (18,75%) das mercadorias que chegam ao porto de Paranaguá são entregues por via férrea – os outros 81,25% utilizam transporte rodoviário. A projeção é de que o novo trecho transfira para a ferrovia 45% da demanda. O valor aproximado do estudo de viabilidade é de R$ 25 milhões e o custo estimado de construção da ferrovia é de R$ 10 bilhões.

Entrevistados
– Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística do Paraná (
via assessoria de imprensa)
– Secretaria de Logística e Transportes do Estado de São Paulo (
via assessoria de imprensa)

Contatos
comunicacao@pr.gov.br
imprensa@comunicacao.sp.gov.br

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo