Saiba como a China construiu 2 grandes hospitais em 20 dias

Unidades com 1.000 e 1.600 leitos foram erguidas na cidade de Wuhan, epicentro da epidemia de coronavírus

Saiba como a China construiu 2 grandes hospitais em 20 dias

Saiba como a China construiu 2 grandes hospitais em 20 dias 640 428 Cimento Itambé
Início das obras do hospital Huoshenshan mobilizou 95 escavadeiras e 33 retro-escavadeiras. Crédito: CSCEC

Início das obras do hospital Huoshenshan mobilizou 95 escavadeiras e 33 retro-escavadeiras.
Crédito: CSCEC

A cidade de Wuhan, localizada na região central da China, e com 11 milhões de habitantes, tornou-se mundialmente conhecida nos primeiros meses de 2020 por duas razões: transformou-se no epicentro da epidemia global de coronavírus e chamou a atenção da engenharia pela velocidade com que dois hospitais foram construídos para receber os infectados. Uma das unidades, com capacidade para 1.000 leitos, entrou em operação em 10 dias, depois que os operários começaram do zero a construção. Outra instalação, com 1.600 leitos, ficou pronta no dobro do tempo: 20 dias. 

O segredo das obras está na eficácia da construção modular e na expertise chinesa em construções rápidas. Os hospitais de emergência erguidos em Wuhan utilizaram a mesma tecnologia que o país já havia usado em 2003, quando houve uma epidemia de Sars, em Pequim. Porém, houve o aprimoramento dos sistemas construtivos. Naquela ocasião, 7 mil operários se envolveram com uma obra de 25 mil m2. Agora, foram mobilizados cerca de 4 mil trabalhadores somando as duas unidades, que medem 34 mil m2 e 59 mil m2, respectivamente.

As máquinas substituíram o grande volume de operários. No primeiro hospital construído em Wuhan foram usadas 95 escavadeiras, 33 retro-escavadeiras, 5 rolos-compressores, 160 caminhões-basculantes, 22 guindastes, 40 caminhões-betoneira e 20 bombas para concretagem. A terraplenagem do terreno foi sucedida pela construção de um imenso radier de concreto, medindo 34 mil m2, para acomodar as estruturas de aço que sustentam os contêineres hospitalares. Com dois pavimentos, o hospital Huoshenshan conta com 30 unidades de terapia intensiva (UTIs), várias enfermarias de isolamento e 1.000 leitos. Também possui corredores de dupla face, que se conectam aos quartos dos pacientes, mas impedem contato direto dos funcionários com os infectados.

Um centro de convenções e um estádio são adaptados para receber infectados 

Contêineres acoplados a estruturas de aço foram adaptados para receber os leitos hospitalares e dar rapidez à obra. Crédito: CSCEC

Contêineres acoplados a estruturas de aço foram adaptados para receber
os leitos hospitalares e dar rapidez à obra.
Crédito: CSCEC

Cada contêiner é revestido com material de PVC e isolamento termoacústico. Eles já vêm preparados para receber todo o aparelhamento necessário para funcionar como leitos hospitalares. A construção esteve a cargo da China State Construction Engineering Corporation (CSCEC), que também executou as obras do hospital Leishenshan, que é maior e tem capacidade para 1.600 leitos. Em Wuhan, o governo da China ainda está adaptando um centro de convenções e um estádio, para transformá-los em hospitais de campanha. O objetivo é que a cidade tenha condições de atender 10 mil infectados pelo coronavírus, simultaneamente.

Construção do hospital Huoshenshan começou em 23 de janeiro e em 3 de fevereiro obra já recebia pacientes. Crédito: CSCEC

Construção do hospital Huoshenshan começou em 23 de janeiro e em 3 de fevereiro obra já recebia pacientes.
Crédito: CSCEC

O hospital Huoshenshan começou a ser construído na noite de 23 de janeiro. Em 3 de fevereiro, já estava recebendo os primeiros pacientes. Já o Leishenshan teve as obras iniciadas em 25 de janeiro (até o fechamento desta reportagem não havia sido concluído). Os dois hospitais foram construídos em terrenos que estavam vazios, mas vinculados a uma colônia de férias e a um armazém para estocar produtos e vendê-los ao comércio local. Na China, todas as terras pertencem ao governo e a desapropriação não depende de ordem judicial ou outro tipo de burocracia. O país também tem investido muito na qualificação da mão de obra da construção civil para conseguir viabilizar obras rapidamente. No caso dos operários que atuaram na construção dos hospitais de Wuhan, a CSCEC recrutou seus melhores quadros em construção modular, trazendo-os de várias partes do país. 

Veja a time lapse da construção do hospital Huoshenshan, cujo significado é “montanha do deus fogo”

Veja a time lapse da construção do hospital Leishenshan, cujo significado é “montanha do deus do trovão”

Entrevistado
China State Construction Engineering Corporation (CSCEC) (via coordenação de imprensa)

Contato
ir@cscec.com

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330

VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no Massa Cinzenta e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil