Portugal desvenda 90 anos da arquitetura brasileira

Acervo reúne mais de 50 mil elementos, entre desenhos, fotografias, documentos, filmes, maquetes e cerâmicas

Infinito Vão
Exposição “Infinito Vão – 90 Anos de Arquitetura Brasileira”: o melhor da história da arquitetura brasileira agora está em Matosinhos, em Portugal. Crédito: Lara Jacinto/Casa da Arquitectura

“Infinito Vão – 90 Anos de Arquitetura Brasileira” é considerada a mais completa exposição sobre os principais arquitetos do país e suas obras. Organizada pela Casa da Arquitectura (CA), ela acontece até 28 de abril de 2019 em Matosinhos-Portugal. Foram dois anos de pesquisa para reunir um patrimônio com mais de 200 doações, e que vai integrar o acervo permanente da CA. O acervo ainda conta com 103 projetos originais e mais de 50 mil elementos entre desenhos, fotografias, documentos textuais, filmes, maquetes, cerâmicas e outros objetos históricos. O material foi todo digitalizado e, em breve, poderá ser visto também pela internet. Porém, os originais não retornam mais ao Brasil.

O título da exposição foi inspirado no trecho da música Drão, de Gilberto Gil, onde um dos poemas diz: “… o verdadeiro amor é vão, estende-se infinito, imenso monolito, nossa arquitetura…”. A seleção dos projetos e dos objetos esteve a cargo dos curadores brasileiros Fernando Serapião e Guilherme Wisnik, que procuraram abranger diferentes gerações de arquitetos brasileiros. Entre os autores selecionados destacam-se Lúcio Costa, Oscar Niemeyer, Affonso Eduardo Reidy, MMM Roberto, Sergio Bernardes, Roberto Burle Marx, Vilanova Artigas, Lina Bo Bardi, Rino Levi, Severiano Mario Porto, João Filgueiras Lima (o Lelé) e Paulo Mendes da Rocha.

Os projetos que estão em Portugal resultaram de contratos de doação assinados pelos arquitetos e seus herdeiros. A maior parte dos desenhos originais destes autores estava no acervo de coleções públicas e privadas (faculdades, fundações e instituições brasileiras), com quem os curadores, em nome da Casa da Arquitectura, realizaram um acordo, a fim de viabilizar a exposição. A maior parte da coleção é dedicada à fase contemporânea dos autores, mas contempla também profissionais de gerações mais jovens da arquitetura brasileira, como Marcos Acayaba, Brasil Arquitetura, Angelo Bucci, Andrade Morettin e Carla Juaçaba.

Veja os períodos abordados na exposição

1924 a 1943
Envolve o vertiginoso processo de “formação” da arquitetura moderna brasileira, documentado na mostra Brazil Builds, em 1943, no Museu de Arte Moderna de Nova York.

1943 a 1957
No período que vai da Pampulha até o concurso para o Plano Piloto de Brasília, o Brasil viveu o apogeu de uma geração que inventou uma arquitetura arrojada, de espaços amplos e perfis sinuosos, que sublima os esforços da construção e seus grandes vãos. Destacam-se nesta fase Oscar Niemeyer e Lúcio Costa.

1957 a 1969
Enquanto a arquitetura carioca declina, surge em São Paulo, o centro industrial do país, uma produção vigorosa, baseada no uso pleno do concreto armado e aparente, na afirmação do peso e na exploração formal das estruturas.

1969 a 1985
No norte do país, Severiano Porto cria uma arquitetura que combina a linguagem moderna com a tradição construtiva indígena. Em São Paulo, aproveitando o clima de distensão da ortodoxia moderna, Lina Bo Bardi, no Sesc Pompeia, e Eurico Prado Lopes e Luiz Telles, no Centro Cultural São Paulo, criam edifícios lúdicos, nos quais a didática estrutural já não é o centro da questão.

1985 a 2001
Sediado na Bahia, João Filgueiras Lima, o Lelé, adapta as “formas livres” de Niemeyer a um raciocínio de industrialização, utilizando da fabricação pré-fabricada do concreto para amparar a construção dos hospitais da rede Sarah Kubitschek por todo o Brasil.

2001 a 2018
Esse período aborda a convivência contrastante entre uma valorização hedonista da arquitetura, em edifícios culturais e prédios ligados ao mercado imobiliário, e um forte ativismo de coletivos e movimentos sociais por moradias.

Números da exposição

• Anos de preparação: 2
• Arquitetos com obras na exposição: 136
• Projetos em exposição: 90
• Metros quadrados de área expositiva: 1.000
• Meses de programação: 7
• Coleção: 103
• Projetos doados: 2.822
• Quilos de material levados do Brasil: 50.292
• Documentos doados: 45.581
• Desenhos originais: 2.950
• Fotos: 1.485
• Publicações: 150
• Documentos em texto: 92
• Maquetes: 18
• Fac-similes: 11
• Filmes: 3
• Cerâmicas: 10

Entrevistado
Reportagem com base no material de divulgação da exposição “Infinito Vão – 90 Anos de Arquitetura Brasileira”
(via assessoria de imprensa)

Contatos
info@casadaarquitectura.pt
http://casadaarquitectura.pt/exposicoes/

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo