Ponte Rio-Niterói faz 50 anos e continua sendo uma das maiores obras de engenharia do mundo

Engenheiro que atuou na construção da ponte conta sobre os desafios do projeto e obras de manutenção

A data histórica de 4 de março de 1974 marca a inauguração da Ponte Rio-Niterói, que completou 50 anos neste ano, continua sendo a maior ponte do Hemisfério Sul e a 23a no ranking mundial. É, sem dúvida, uma das maiores obras de engenharia do mundo sob o ponto de vista estrutural e arquitetônico.

Ponte Rio-Niterói é considerada uma das maiores obras de engenharia do mundo. Crédito: Diego Brandi/Envato

Referência mundial na área de manutenção de grandes pontes, sua estrutura continua sendo debatida. Durante o XV CBPE – Congresso Brasileiro de Pontes e Estruturas, promovido em maio pela ABECE e ABPE, o engenheiro Carlos Henrique Siqueira abordou o tema “Ponte Rio-Niterói: o cenário das juntas de dilatação em 50 anos de história”.

Siqueira é a memória viva da história da ponte. Ele iniciou sua carreira como engenheiro contratado para integrar a equipe, formada por cem engenheiros. “Eu estava fazendo pós-graduação quando me convidaram para trabalhar na construção da ponte. Depois de inaugurada, continuei como responsável técnico pela manutenção e depois, no regime de concessão, fui contratado como consultor. A ponte fez 50 anos de inauguração e faz 52 anos que trabalho nela”, comemora.

Desafios do projeto

Com essa trajetória, Siqueira relembra os desafios do projeto, que iria encurtar a distância entre Rio de Janeiro e Niterói. Antes da construção, era necessário percorrer a Baía de Guanabara, num percurso de 100 quilômetros. “A construção começou em 1969 e, na minha visão, duas situações foram as mais desafiadoras: as construções das fundações profundas num trecho da Baía da Guanabara e a montagem do caixão metálico”, ressalta.

Um dos dados que tornam essa obra única é que a laje do vão central, por onde passam os veículos, está apoiada em tubulões das fundações em rochas sãs localizadas a 130 metros de profundidade. “Isso é espetacular. Temos 1.138 tubulões e o mais profundo deles tem uma coluna contínua de concreto de 130 metros. Isso foi realmente na minha visão, um dos maiores desafios”. 


Outro desafio foi a montagem da estrutura metálica que, para aquela época, foi a maior do mundo, de acordo com as revistas técnicas internacionais. O governo brasileiro comprou da Inglaterra 13.155 toneladas de aço e, quando chegaram os painéis, foi feita a soldagem e construídos os caixões metálicos na base naval da Ilha do Caju. “Ficamos conhecidos internacionalmente por essa montagem”, relembra.

Números grandiosos

Tudo que diz respeito à Ponte Rio-Niterói é grandioso. A ponte tem o maior vão em viga reta contínua do mundo, com 300 metros de comprimento. “Ainda é o maior vão central do mundo e esse recorde provavelmente não será batido, porque não se faz mais pontes similares”, ressalta o engenheiro.

Segundo Siqueira, esse vão de 300 metros é o principal canal de navegação, além de dois canais de navegação adjacentes de 200 metros.

Ele detalha que a ponte no trecho sobre o mar tem pilares de concreto com 20 metros e vai chegando perto do vão central com pilares de 65 metros, conforme exigência da Aeronáutica na época. 

Confira outros dados impressionantes da Ponte Rio-Niterói

– 1.142 vigas nos acessos Rio e acessos Niterói;
– 3.250 aduelas, que compõem a superestrutura sobre a baía de Guanabara;
– 456 é o número de pilares na ponte, sendo que 206 estão no mar;
– 75 mil m3 é a quantidade de concreto submerso no trecho sobre o mar;
– 238 mil toneladas de cimento foi a quantidade utilizada na construção, o que daria uma altura superior a 2 mil vezes o Pão de Açúcar considerando o saco de cimento empilhado;
– 10.000 operários trabalharam na construção;
– 200 engenheiros atuaram na construção;
– 180 mil veículos trafegam diariamente pela ponte;
– 1ª obra no Brasil a ter Manual de Inspeção.

Engenheiro Carlos Henrique Siqueira em recente palestra realizada no Clube de Engenharia do Rio de Janeiro sobre os 50 anos da Ponte Rio-Niterói.
Crédito: Acervo pessoal


Referência mundial em manutenção

A Ponte Rio-Niterói continua sendo uma referência porque, ao longo de seus 50 anos, sua estrutura foi cuidadosamente mantida, sendo inclusive alvo de curiosidade para o mundo e, para se ter uma ideia, diversas delegações internacionais a visitam constantemente.

Siqueira inclusive é professor convidado do governo chinês para Vistoria de Pontes e relata que em 2004 recepcionou os engenheiros chineses em sua visita técnica. “Eles queriam verificar como a gente protegia a ponte contra impactos de navios. Outras comitivas vêm ao Rio, como os alunos de Engenharia de Munique, para visitar a ponte em sua conclusão de curso”, relata.

Leia também: Como a ponte Rio-Niterói superou o impacto de um navio

Melhorias contínuas

O engenheiro informa que a ponte passa por melhorias contínuas, fazendo recuperações modernas que são referência no mundo todo. Ele conta que nos anos 2000 o asfalto do vão central foi substituído por um piso de concreto armado, com duas camadas de aço. “Isso resolveu definitivamente o problema de abertura de buracos na pista, que causavam acidentes e problemas para a estrutura metálica das soldas”, aponta.

Atualmente, ele conta que os técnicos estão reforçando toda a ponte, com cabos de proteção adicional. Longe de ter qualquer situação de colapso, o fato é que o aço usado na época apresentava relaxação (perda gradual de tensão quando o material está em um estado de deformação constante). “Agora, estamos colocando cabos de aço que não têm relaxação tão alta para compensar a perda de tensão que os cabos estavam sofrendo”, observa Siqueira.

Além disso, estão sendo reforçadas as aduelas de concretos e feitas pinturas dos caixões metálicos devido à ambiência agressiva da Baía de Guanabara. “Fazemos uma série de monitorações nas estruturas metálica e de concreto e estamos trocando as juntas de dilatação no pavimento. São serviços dispendiosos, mas que garantem a manutenção da parte estrutural. É por isso que a ponte continua sendo referência mundial”, conclui ele.

Entrevistado

Carlos Henrique Siqueira é engenheiro civil formado pela Universidade Federal da Paraíba. Pós-graduado em Estruturas na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Mestre e Doutor em Ciências pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Engenheiro da Supervisão da Construção e da Manutenção da Ponte Rio-Niterói há mais de 40 anos. Professor do Instituto Nacional de Estruturas Protendidas (INAEP), professor convidado do governo chinês para Vistoria de Pontes e do curso de Mestrado na disciplina “Inspeção, manutenção e recuperação de pontes” pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Consultor da Concessionária da Ponte Rio-Niterói (Ecoponte). Diretor da ABPE (Associação Brasileiras de Pontes e Estruturas).

Contato: carloshsiqueira@yahoo.com.br

Jornalista responsável
Ana Carvalho
Vogg Experience

A opinião dos entrevistados não reflete necessariamente a opinião da Cia. de Cimento Itambé. 



Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo