Nova política pretende atrair construtor estrangeiro

Crise econômica, Operação Lava Jato e desejo do governo federal em destravar concessões públicas tendem a pôr fim à “reserva de mercado”

Crise econômica, Operação Lava Jato e desejo do governo federal em destravar concessões públicas tendem a pôr fim à “reserva de mercado”

Por: Altair Santos

Há pelo menos três anos, antes mesmo de as investigações deflagradas pela Operação Lava Jato atingirem as principais empreiteiras do país, está em discussão no Brasil se é interessante abrir o mercado para construtoras estrangeiras. Não existe uma lei específica que proíba o acesso destas empresas. Por outro lado, uma série de obstáculos dificulta que elas concorram sozinhas em licitações para obras públicas. Hoje, isso só é possível caso se associem a empresas nacionais.

Michel Temer e José Serra: política de abertura para atrair capital estrangeiro e novas tecnologias na construção civil
Michel Temer e José Serra: política de abertura para atrair capital estrangeiro e novas tecnologias na construção civil

Outro empecilho é a política nacionalista que imperou até o governo anterior. Por isso, a entrada de construtoras estrangeiras no Brasil sempre foi tratada apenas como uma tese. Agora, de acordo com os sinais emitidos pelo novo governo federal, a abertura de licitações públicas para empresas estrangeiras pode se concretizar. Em Brasília, a intenção é não criar nenhuma barreira para que elas se interessem pelas obras que há por fazer no país.

Mas existe uma “reserva de mercado” que precisa ser superada, e que impõe bloqueios burocráticos para construtoras estrangeiras que queiram se estabelecer no Brasil. Eles vão desde a dificuldade de se obter licença para engenheiros de outros países junto ao Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea) até taxas elevadas, além das brechas da Lei 8.666 (Lei das Licitações), que permitem a quem elabora as licitações colocar cláusulas draconianas às construtoras de outros países. Entre elas: certidões comprobatórias de experiência em outras obras públicas nacionais e demonstração de ativos financeiros que podem chegar até a três vezes o valor da obra.

Programa de Parcerias de Investimentos

Wellington Moreira Franco: função estratégica no governo para abrir o mercado brasileiro
Wellington Moreira Franco: função estratégica no governo para abrir o mercado brasileiro

Em 2015, na reportagem Caminho está aberto para empreiteiras estrangeiras, o professor da FEA-USP, Paulo Roberto Feldmann, explicou o que acontece: “As empreiteiras brasileiras exigem de quem promove as licitações que coloque cláusulas no edital que dificultam a participação das estrangeiras. Por exemplo: só pode participar de determinada licitação quem apresentar pelo menos vinte obras realizadas no Brasil. Ao colocar uma cláusula destas, mata as estrangeiras. Então, o problema não é a lei, mas o fato de que as empreiteiras brasileiras fazem, ou pelo menos faziam, o edital de licitação junto com o governo federal, com os governos estaduais e com as estatais, impondo cláusulas de barreira às estrangeiras”, analisa.

Não é de hoje esses empecilhos. Em 1966, a alemã Hochtief precisou se nacionalizar para poder construir no Brasil. Tornou-se Hochtief do Brasil. Mais recentemente – 2008 -, a espanhola OHL chegou a ganhar concessões de rodovias, mas encontrou muitas dificuldades para obter financiamento do BNDES e se retirou. Resultado: prevalecem nas obras nacionais as grandes empreiteiras do país. A saber: Odebrecht, Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa, Queiroz Galvão e OAS. “Está na hora de abrir esse mercado”, defende Wellington Moreira Franco, secretário-executivo do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI). O organismo foi criado no governo de Michel Temer com um só objetivo: atrair empresas e capital estrangeiro ao Brasil.

Entrevistados
Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil (via assessoria de imprensa)
Ministério das Relações Exteriores (via assessoria de imprensa)
– Engenheiro civil, mestre e doutor em administração, Paulo Roberto Feldmann

Contato
comunicacaosocial.sep@portosdobrasil.gov.br
imprensa@itamaraty.gov.br
feldmann@usp.br

Créditos Fotos: José Cruz/Antônio Cruz/Agência Brasil

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo