Plano Estadual de Logística e Transporte do Paraná 2020

Saiba mais sobre o plano que prevê a formulação de ações de desenvolvimento em infraestrutura de logística de transportes para os próximos dez anos no Paraná.

O futuro do estado a partir de uma malha viária eficiente

Michel Mello

O Plano Estadual de Logística e Transporte do Paraná (PELT) é fruto de uma parceria entre o Sindicato da Indústria da Construção Pesada do Estado do Paraná (Sicepot-PR), o Conselho Regional de Engenharia do Paraná (Crea-PR), a Federação das Indústrias do Estado do Paraná (FIEP) e o Instituto de Engenharia do Paraná (IEP). Essas entidades tiveram a ousadia de pensar, planejar e formular o PELT 2020 para os próximos dez anos no estado e para além das legendas e partidos políticos. Existem PELT´s em vários outros estados da união, o Paraná agora começa a pensar sobre o futuro.

Após uma lacuna de 30 anos sem grandes investimentos em infraestrutura de transportes no estado, o Paraná sofre com o sucateamento das rodovias e, principalmente, com a falta de um planejamento de políticas públicas neste setor. Com isso, existe um enorme déficit e uma necessidade urgente por obras que possam garantir o crescimento econômico do estado e acompanhar o ritmo do desenvolvimento do país.

De acordo com o presidente do Crea-PR, Álvaro Cabrini Júnior, “para que o Brasil se torne a 5ª economia do mundo, é preciso que o Paraná se torne mais competitivo, planeje sua infraestrutura para o futuro e reveja a logística dos transportes no estado. O Paraná está parado, enquanto o Brasil é um canteiro de obras”, ressalta Álvaro.

Situação atual

O Paraná possui uma posição geoeconômica privilegiada no país: está na área de maior potencial econômico do Mercosul. É uma importante ligação entre Argentina, Brasil e Paraguai. Sendo o Porto de Paranaguá o escoadouro das safras de Mato Grosso do Sul e do próprio estado. Juntos, esses estados são a primeira e segunda maior colheita do país em termos de grãos.

O PELT 2020 está dividido em quatro modais: rodoviário, ferroviário, hidroviário e aeroviário. No plano, cada uma das subdivisões surge da identificação de gargalos e da necessidade de obras em cada uma dessas áreas, sempre pensando em um aspecto do desenvolvimento macroeconômico para o estado.

Vocação

Sérgio Picinelli: “Essa proposta de uma nova rodovia representa uma redução de 100 km no atual trajeto até o Porto de Paranaguá”

A vocação do Paraná é a agricultura. O estado é o maior produtor de grãos, com duas safras anuais. Isso responde por 25% de toda a produção brasileira. Sérgio Picinelli, presidente do Sicepot-PR, foi o responsável pela elaboração modal rodoviário do PELT 2020. Ele destaca que: “considerando a logística de transportes é fundamental que exista uma malha viária eficiente. Pois o acesso a outros meios de transportes sejam eles: ferroviário, hidroviário ou aéreo só se dá através das estradas”, completa Sérgio.

Sucata

Foram mais de 20 mil quilômetros rodados, realizados durante quatro meses de reconhecimento em campo, para que o engenheiro Sérgio Picinelli tivesse a noção exata dos problemas rodoviários e pudesse sugerir ações para esse plano intermodal. “A falta de um planejamento para o estado, se transforma em prejuízo econômico e financeiro. Nossas estradas estão sucateadas e nunca houve um planejamento viário feito no estado”, ressalta Sérgio Picinelli.

O PELT 2020 tem esse nome, pois as ações pensadas hoje e tão necessárias ao desenvolvimento macroeconômico do  estado ainda precisaram de pelo menos dez anos, entre a fase de projeto, licenciamento e execução. “Se isso não for feito agora, passaremos mais vinte anos com um terrível gargalo que é o acesso feito ao Porto de Paranaguá por apenas uma estrada a BR-277. E isso representa um retrocesso econômico, que é o estrangulamento viário”.

Intervenções necessárias

Sugestão do PELT 2020 é a criação de uma rodovia que ligue diretamente o porto com São Paulo e Santa Catarina.

O plano prevê como saída a esse estrangulamento viário a construção de uma nova rodovia. “O Paraná é o único estado a não possuir em seu território um trecho da BR-101. Isso acontece porque a ligação a leste feita a partir de São Paulo passa por Curitiba. Não há uma ligação direta com o Porto de Paranaguá. Do mesmo modo que não existe essa ligação com o sul, através do estado de Santa Catarina”, enfatiza Sérgio Picinelli.

Nas chamadas intervenções necessárias, o plano prevê a ampliação e o asfaltamento de um trecho já existente de rodovias. O presidente do Sicepot reitera, “dessa maneira o Paraná ganharia três acessos ao Porto de Paranaguá ao invés desse único que temos hoje”. A proposta seria pavimentar um trecho de 23 km entre Garuva e Cubatão, trazendo acesso ao Porto e a cidade de Pontal do Sul. E ligar a região de Alpino, na BR-116, com o município de Antonina, passando por Cachoeira de Cima, em um trecho de 24 km.

“Hoje o atraso do Paraná está nesses 50 km e na falta de vontade política de se construir um estado que seja economicamente competitivo e viariamente ligado, para além dos interesses políticos e dos governos. E desse modo beneficiar o estado e o povo do Paraná”, conclui Sérgio.

As ligações viárias do Paraná são ainda tributo do período colonial e têm origem nos antigos caminhos de tropas que afirmaram as cidades-pólo como centros urbanos centralizadores. Por isso, as ligações rodoviárias passam por Curitiba ou Ponta Grossa. Essa ligação hoje se faz desnecessária e representa o maior entrave a falta de ligações entre os eixos norte-sul e nordeste-leste.

Algumas das reduções apresentadas por Sérgio e sua equipe representam reduções de mais de 100 km em trechos de vital importância para a integração e comunicação. “Isso representa a diminuição do custo inicial do transporte e ajudaria a baratear os custos tornando os produtos brasileiros econômica e competitivamente viáveis para o mercado consumidor externo”, ressalta o engenheiro.

Entrevistado
Sérgio Picinelli
Currículo
– Graduação em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Paraná (UFPR).
– Chefe do laboratório da Seção de Geologia, Solos e Fundações do Departamento Estradas de Rodagem DER/PR.
– Membro do Fórum das Entidades de Engenharia do Instituto de Engenharia do Paraná (IEP).
– Membro do Conselho Temático de Infra-Estrutura da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (FIEP).
– Coordenador da Comissão de Parcerias Público-Privadas da FIEP.
– Membro do Grupo de Trabalho Relações Institucionais com a Área Empresarial do Crea-PR.
– Presidente do Sindicato da Indústria da Construção Pesada do Estado do Paraná (Sicepot-PR).
Contato: presidência@sicepot-pr.com.br

Jornalista responsável: Silvia Elmor – MTB 4417/18/57 – Vogg Branded Content


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo