Pacote logístico abre portas para salto tecnológico

Concessões de rodovias e ferrovias são oportunidade para engenharia nacional qualificar mão de obra e inovar através de novos materiais e sistemas construtivos.

Concessões de rodovias e ferrovias são oportunidade para engenharia nacional qualificar mão de obra e inovar através de novos materiais e sistemas construtivos

Por: Altair Santos

Lançado em agosto de 2012, o Programa de Investimentos em Logística é uma nova tentativa do governo federal de dar qualidade às malhas rodoviárias e ferroviárias do país. Desta vez, 7,5 mil quilômetros de estradas e 10 mil quilômetros de linhas de ferro serão concedidas à iniciativa privada para que consigam agregar inovação e tecnologia. O investimento total está estimado em R$ 133 bilhões, com previsão de R$ 79,5 bilhões nos próximos cinco anos.

Júlio Timerman, da ABECE: oportunidade única de inovar em obras de infraestrutura.

Serão 9 trechos de rodovias e 12 de ferrovias. No caso das estradas, 5,7 mil quilômetros terão de ser duplicados. No entender de organismos como ABCP (Associação Brasileira de Cimento Portland) ABCIC (Associação Brasileira da Construção industrializada do Concreto) e ABECE (Associação Brasileira de Engenharia e Consultoria Estrutural) é a melhor oportunidade dada ao Brasil para que consiga uma infraestrutura rodoviária e ferroviária compatível com o que há de melhor nos Estados Unidos e na Europa, por exemplo.

Para o engenheiro civil Júlio Timerman – coordenador do comitê técnico de pontes e grandes estruturas da ABECE – trata-se de uma oportunidade para a engenharia nacional também evoluir nos quesitos construção de estradas e ferrovias. “A engenharia nacional deve estar preparada para fazer frente a esta demanda, qualificando a mão de obra e estudando alternativas de materiais e soluções construtivas a serem aplicadas neste processo”, avalia.

A aposta é que os sistemas pré-fabricados e pré-moldados in loco, principalmente para pontes e viadutos, assim como o pavimento em concreto ganhem espaço significativo dentro do Programa de Investimentos em Logística. “Certamente, será uma chance única de se aplicar novas tecnologias e inovações para viabilizar as obras previstas, sejam em função dos prazos exíguos assim como na destinação racional dos recursos disponíveis”, cita Timerman.

No caso das rodovias, o especialista indica que o estado de São Paulo tem estradas construídas com alta tecnologia que podem servir de modelo ao projeto federal. A implantação do Rodoanel, a pista descendente da Imigrantes, além de outras concessões rodoviárias no estado, são exemplos de procedimentos construtivos avançados”, diz, entendendo que o grande desafio para a engenharia nacional esteja nas ferrovias. “O Brasil tem uma matriz de transporte eminentemente rodoviária. Por isso, os investimentos e os projetos ferroviários serão muito mais desafiadores. Os sistemas de trens de alta velocidade deverão ser considerados como alternativas interessantes para este processo”, completa.

Veja o que prevê o Programa de Investimentos em Logística: clique aqui.

Confira os trechos rodoviários e ferroviários que serão entregues à iniciativa privada:

Entrevistado
Ministérios dos Transportes (via assessoria de imprensa) e Júlio Timernan, coordenador do comitê técnico de pontes e grandes estruturas da ABECE
Currículo
– Júlio Timerman é engenheiro civil graduado pela EPUSP (Escola Politécnica da Universidade de São Paulo)
– Ocupa o cargo de delegado regional da ABECE (Associação Brasileira de Engenharia e Consultoria Estrutural) em São Paulo e membro do conselho deliberativo.
– É coordenador do Comitê Técnico de Pontes e Grandes Estruturas constituído pela ABECE em 2009 para propor ações para melhoria da qualidade e competitividade dos projetos e serviços ligados à construção de pontes e grandes estruturas.
– Também é vice-presidente do IABSE (International Association for Bridge and Structural Engineering) e do Ibracon (Instituto Brasileiro do Concreto).
– Consultor na área de Projetos de Reabilitação e Recuperação de Estruturas para diversas concessionárias de rodovias, com intervenções em mais de 100 mil metros quadrados de tabuleiros.
– Diretor da Engeti Consultoria e Engenharia.
Contato: abece@abece.com.br
Créditos foto: Divulgação/ABECE

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo