A 100 dias das Olimpíadas, Rio sofre com obras

Equipamentos esportivos dão sinais de que ficarão prontos a tempo, mas mobilidade urbana mostra fragilidade

Equipamentos esportivos dão sinais de que ficarão prontos a tempo, mas mobilidade urbana mostra fragilidade

Por: Altair Santos

Dia 27 de abril a cidade do Rio de Janeiro iniciou a contagem regressiva de 100 dias para o início dos jogos olímpicos. Transformada em canteiro de obras, a capital fluminense se divide em duas frentes. Uma se relaciona com os equipamentos esportivos, cuja boa parte está com a execução das obras entre 90% e 100%; outra, diz respeito às estruturas de mobilidade urbana projetadas para o Rio, e que ainda não se transformaram em legado olímpico. Pelo contrário, repercutem negativamente sobre o evento.

Cidade Olímpica, na Barra da Tijuca, cumpre cronograma e deve ser entregue em junho
Cidade Olímpica, na Barra da Tijuca, cumpre cronograma e deve ser entregue em junho

Além de correr contra o tempo para que as obras fiquem prontas até o início das Olimpíadas, a prefeitura do Rio precisa, agora, comprovar que as construções têm qualidade. A queda de um trecho da ciclovia Tim Maia reforça essa tese. Dia 21 de abril, a infraestrutura não resistiu ao impacto de uma forte onda e um dos tabuleiros pré-fabricados da ciclovia desabou, matando duas pessoas. As conclusões preliminares são de que houve erro de projeto, o que levou a estrutura a não resistir ao impacto da onda.

Inaugurada em janeiro de 2016, a ciclovia já havia causado preocupação no Tribunal de Contas do Município em julho de 2015, quando uma auditoria identificou problemas em sua construção. O documento alertou para “trincas” e “depressões”, pedindo a correção das falhas. A preocupação tornou-se pública após o acidente e a secretaria de obras do município disse que atendeu às solicitações do tribunal.

O caso da ciclovia, que por si só é emblemático, repercute sobre outras obras relevantes para a cidade, como o VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) que leva ao aeroporto Santos Dumont e a linha de metrô que ligará a zona sul à zona oeste – local onde estão concentrados os equipamentos esportivos e a vila olímpica. O cronograma desse empreendimento prevê a inauguração para julho. Porém, só no final de abril é que as escavações foram concluídas.

Falta de planejamento
Mesmo assim, o poder público da cidade assegura que a chamada Linha 4 do Metrô será finalizada a tempo. “Eu garanto que o metrô será operacional durante os jogos olímpicos“, insiste Rodrigo Vieira, secretário estadual de transportes do Rio de Janeiro. Segundo ele, as obras estão 93% finalizadas. Porém, mesmo com a palavra da autoridade, a prefeitura do Rio desenvolve um plano B. Entre eles, reforçar a frota de ônibus para os locais dos jogos, autorizar o serviço de vans particulares e decretar feriado na cidade para reduzir o fluxo de veículos.

Ciclovia Tim Maia, às margens da avenida Niemeyer: após três meses, não resistiu à primeira ressaca do mar
Ciclovia Tim Maia, às margens da avenida Niemeyer: após três meses, não resistiu à primeira ressaca do mar

Com o metrô, a meta é transportar 300 mil passageiros por dia e tirar 2 mil carros de circulação diariamente. Essa obra está para os jogos olímpicos como o velocista jamaicano Usain Bolt para o atletismo. Usando a Linha 4, o deslocamento da zona sul até a zona oeste do Rio será feito em 13 minutos. Hoje, de carro ou de ônibus, esse percurso não se concretiza em menos de duas horas. Eis o verdadeiro legado para uma cidade que espera 450 mil visitantes entre 5 e 23 de agosto.

A conta das Olimpíadas ainda não está fechada, mas já ultrapassa R$ 39 bilhões. Destes recursos, R$ 18 bilhões foram para investimento em mobilidade urbana no Rio de Janeiro. Os organismos públicos justificam os gastos elevados dizendo que a cidade passou 60 anos sem obras relevantes em transporte público. Em outras palavras, faltou planejamento adequado. Tanto lá atrás, quanto agora. Isso se reflete em orçamentos astronômicos, cronogramas apertados e perda de vidas humanas. Além das vítimas na queda da ciclovia, 11 operários morreram no conjunto de obras para os jogos. Diante deste cenário, e a 100 dias do início do evento, o Rio conseguirá uma medalha olímpica?

Entrevistados
Secretaria de transportes do governo do Rio de Janeiro e Secretaria de Obras Públicas da Prefeitura do Rio de Janeiro (via assessorias de imprensa)
Contatos
transportes@transportes.rj.gov.br
riourbe@pcrj.rj.gov.br

Créditos Fotos: Divulgação/Prefeitura do Rio/Fernando Frazão/Agência Brasil

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo