Obras de mobilidade chegam às rodovias do PR

Estradas sob a jurisdição do DER serão equipadas com calçadas, ciclovias e passarelas, em seus trechos urbanos, para reduzir atropelamentos

Estradas sob a jurisdição do DER serão equipadas com calçadas, ciclovias e passarelas, em seus trechos urbanos, para reduzir atropelamentos

Por: Altair Santos

Os trechos urbanos de algumas das principais rodovias do Paraná começam a ganhar obras de mobilidade urbana. O projeto prevê a construção de 200 quilômetros de calçadas em paver e 90 quilômetros de ciclovias, além de passarelas em pré-fabricado de concreto. O primeiro corredor a ser atendido é o que envolve os 31 quilômetros de duplicação da PR-417, mais conhecida como Rodovia da Uva, no município de Colombo-PR. Também já saiu do papel a remodelagem das ligações entre Maringá e Paiçandu (PR-323) e entre Londrina e Cambé (PR-445).

Projeção de como ficará trecho urbano de rodovia após receber calçadas e ciclovias

A expectativa é de que todas as obras de mobilidade previstas no projeto estejam concluídas até o final de 2016, com orçamento estimado de R$ 30 milhões. Além das rodovias estaduais, o DER-PR (Departamento de Estradas e Rodagem do Paraná) priorizará também os entroncamentos com as estradas federais.   O objetivo é reduzir sensivelmente o número de atropelamentos nos trechos selecionados. “O DER trabalha com a previsão de que poderá cair em até 90% o volume de acidentes por atropelamento, com a implantação deste sistema de mobilidade”, afirma a assessoria de imprensa do organismo.

Para o diretor geral do DER-PR, Nelson Leal Junior, o projeto de mobilidade adotado pelo organismo mostra também uma mudança conceitual para as estradas paranaenses.  “A questão da mobilidade passou a integrar as obras rodoviárias, ao contrário do que vinha sendo feito anteriormente. A intenção é proporcionar mais segurança aos demais modais de transporte, permitindo que os pedestres e ciclistas possam conviver em segurança ao longo da malha rodoviária estadual”, diz.

O plano do DER-PR vai atender mais de 20 municípios paranaenses, priorizando as regiões metropolitanas de Curitiba, Londrina, Maringá e Cascavel. Outra medida é utilizar as obras para estimular os produtores locais de artefatos de concreto, fazendo com que eles participem das licitações para fornecimento de materiais para calçamento e construções de passarelas. Segundo dados mais recentes da Mineropar (Minerais do Paraná S/A) há cerca de 1.100 indústrias voltadas para esse segmento em todo o Estado. A ideia do DER é contemplar tanto a indústria ligada ao cimento quanto a de asfalto.

Confira os trechos que serão contemplados com obras de mobilidade urbana nas rodovias paranaenses:

•    Curitiba-Pinhais-Piraquara (PR-415)
•    Rodovia da Uva (PR-417)
•    Curitiba-Rio Branco do Sul (PR-092)
•    Tijucas do Sul (PR-281)
•    Londrina-Cambé (PR-445)
•    Maringá-Paiçandu (PR-323)
•    Corredor Campos Gerais (PR-151)
•    Entroncamento BR-376 (Ponta Grossa)
•    Entroncamento BR-277 (Palmeira)
•    Entroncamento BR-476 (Três Barras)
•    Corredor Norte Central – Lote 1 (PR-170)
•    Entroncamento BR-369 (Rolândia)
•    Corredor Norte Central – Lote 2 (PR-445)
•    Entroncamento PR-218 (Acesso a Três Marcos – Londrina)
•    Entroncamento PR-272/BR-376 (Mauá da Serra)
•    Corredor Norte Central – Lote 3 – PR-272/PR-466
•    Entroncamento PR-466 (Porto Ubá)
•    Corredor Norte Central – Lote 4 – PR-466
•    Furnas – Entroncamento BR-277 (Guarapuava)
•    Corredor PR-463 – Divisa PR-SP
•    Corredor da Produção Avícola (PR-180)
•    Entroncamento PR-281 (Alto Bela Vista)
•    Rio Santa Rosa (Francisco Beltrão)
•    Corredor da Produção Avícola (PR-281)
•    Entroncamento BR-373
•    Entroncamento PR-493 (Dois Vizinhos)
•    Entroncamento BR-163
•    Corredor Noroeste – Lote 1 – PR-317
•    Ponte sobre Rio Paranapanema (Divisa PR-SP)
•    Corredor Noroeste – Lote 3 – Início pista dupla (Umuarama)
•    Entroncamento PR-272, PR-182 e BR-272 (acesso a Francisco Alves)
•    Corredor Noroeste – Lote 4 – PR-182: Divisa PR/SP (Usina Hidrelétrica de Rosana)
•    Nova Londrina e Corredor do Ivaí (PR-082)

Entrevistado
DER-PR (Departamento de Estradas e Rodagem do Paraná) (via assessoria de imprensa)
Contato: www.der.pr.gov.br 

Créditos fotos: Divulgação/DER

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo