Nova ponte permite reurbanização de Florianópolis

Projeto agrega a construção de um aterro de 2.758.000 m² e muda todo o sistema viário que fará a ligação da ilha com a BR-101.

Projeto agrega a construção de um aterro de 2.758.000 m² e muda todo o sistema viário que fará a ligação da ilha com a BR-101

Por: Altair Santos

Estudos do IPUF (Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis) mostraram, em 2009, que a capital catarinense caminhava para um grave problema de mobilidade até 2014. Desde que mantidas as únicas ligações existentes entre ilha e continente, e com a taxa de veículos na cidade crescendo a uma média de 5% ao ano, daqui a três anos haveria um estrangulamento no trânsito de Florianópolis. Para evitar o caos urbano, o governo de Santa Catarina apresentou no final de novembro de 2011 o projeto da construção de uma nova ligação com a BR-101.

Imagem mostra como será a nova ponte entre ilha-continente: obra estimada em R$ 1,1 bilhão deve consumir 60 mil m³ de concreto.

Não vai tratar-se apenas de viabilizar uma nova ponte. O plano apresentado em parceria com a União, e que também irá captar recursos na iniciativa privada, pretende reurbanizar a parte continental de Florianópolis. A obra prevê um aterro sobre o mar de 2.758.000 m², que permitirá o deslocamento para o continente de parte da estrutura governamental que opera na ilha. Assim, seria retido um bom volume do tráfego que atualmente se utiliza das travessias já existentes e que causa congestionamentos constantes no lado insular da capital catarinense. Hoje, o fluxo de veículos sobre as pontes em operação é de 178 mil por dia (1.954 por hora).

O investimento no complexo está estimado em R$ 1,1 bilhão e deverá ser concluído em duas etapas. A primeira, em 2014; a segunda, até 2016. Sobre o aterro, o secretário de infraestrutura do governo catarinense, Valdir Cobalchini, informa que 70% da área será destinada ao setor público e 30% à área privada, que poderá ser comercializada por empreendedores que financiarão o empreendimento, em modelo de Parceria Pública Privada (PPP). “É uma obra viável economicamente e que trará bastante benefício à população”, assegurou Cobalchini.

Já a ponte a ser construída, o projeto prevê que ela terá oito pistas, com 45 metros de largura e 1,6 quilômetros de comprimento. O equipamento inclui passarelas para pedestres e ciclovias em toda a extensão da via, no mesmo nível da pista de carros. A extensão total do acesso, incluindo a ponte, será de 8,5 quilômetros e o projeto também prevê uma via expressa, de alta velocidade, com acesso à BR-101. O trânsito local será feito por vias marginais e o acesso do sistema viário à via expressa será feito por viadutos. O plano encontra-se no estágio de liberação do edital para contratação do Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (Evtea) e Estudo de Impacto Ambiental (EIA-Rima).

Segundo o governo catarinense, o impacto ambiental é considerado pequeno, visto que a área já é amplamente humanizada. “Sem dúvida é um grande empreendimento para a Grande Florianópolis, que fará crescer a região e trazer oportunidade de emprego. Essa obra será um exemplo”, destacou Valdir Cobalchini. Pelo cronograma do projeto, as obras devem começar em setembro de 2012. A primeira etapa, que inclui a construção da ponte e da ligação com o sistema viário do Estreito, deve ser entregue até o terceiro trimestre de 2014 e terá um consumo estimado de 60 mil m³ de concreto. Quanto à conclusão do aterro, e todas as obras de acesso à BR-101 e ao trânsito local, a previsão de conclusão é o 1º trimestre de 2016.

Saiba mais: http://www.cimentoitambe.com.br/massa-cinzenta/florianopolis-prioriza-o-futuro/

Entrevistado
Secretaria de Estado de Comunicação e Secretaria de Estado de Infraestrutura de Santa Catarina
Contato:
imprensa@sie.sc.gov.br / rafael@secom.sc.gov.br

Veja vídeo do empreendimento: Clique aqui

Crédito: Divulgação/Governo de SC

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330


Massa Cinzenta

Cooperação na forma de informação. Toda semana conteúdos novos para você ficar por dentro do mundo da construção civil.

Veja todos os Conteúdos

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

Cimento Portland pozolânico resistente a sulfatos – CP IV-32 RS

Baixo calor de hidratação, bastante utilizado com agregados reativos e tem ótima resistência a meios agressivos.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-32

Com diversas possibilidades de aplicações, o Cimento Portland composto com fíler é um dos mais utilizados no Brasil.

Cimento Portland composto com fíler – CP II-F-40

Desempenho superior em diversas aplicações, com adição de fíler calcário. Disponível somente a granel.

Cimento Portland de alta resistência inicial – CP V-ARI

O Cimento Portland de alta resistência inicial tem alto grau de finura e menor teor de fíler em sua composição.

descubra o cimento certo

Cimento Certo

Conheça os 5 tipos de cimento Itambé e a melhor indicação de uso para argamassa e concreto.Use nosso aplicativo para comparar e escolher o cimento certo para sua obra ou produto.

descubra o cimento certo